Porto Velho (RO) sexta-feira, 18 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

'Os índíos têm também o direito de mudar', diz antropólogo


Josy Fishberg - Agência O GloboRIO - O antropólogo Samuel Maurício de Oliveira Wanderley morou por alguns anos na terra indígena Caramuru-Catarina Paraguaçu, aldeia dos índios Pataxó-Hãhãhãe, no sul da Bahia. Formado pela Universidade Federal da Bahia, ele chegou ao local para realizar um projeto de ação etno-ambiental pela universidade. Hoje, Samuel trabalha com a ONG Thydewas, responsável pelo projeto "Índios on-line", coordenando uma oficina de etno-economia.O GLOBO - Qual é a importância da internet para os índios Pataxó-Hãhãhãe?Samuel Maurício - Ela é importante porque permite o contato com o mundo. Os índios podem expor seus pontos de vista de uma maneira nova. Antes vinham antropólogos e jornalistas, que relatavam o que se passava por aqui e as histórias desses índios. Agora são eles próprios que falam. Além disso, a internet, neste caso, dá a possibilidade de um contato inter-étnico muito forte, já que são várias etnias participantes.É possível dizer que ao longo dos anos, com as expropriações e retomadas de terra na região, os Pataxó-Hãhãhãe perderam parte de suas tradições?SM - Eles não perderam a identidade, é importante que seja dito. Mas todas as culturas mudam, nenhuma cultura é estática. Não se pode achar que os índios vivem todos no mato e andam de tanga porque eles estão em contato com o resto do mundo. Hoje o mundo é globalizado e nós mudamos. Por que eles não têm o direito de mudar? Isso não quer dizer, em hipótese alguma, que deixaram de ser índios. Eles "ressimbolizam" os elementos externos trazidos para o ambiente indígena. Eles estão "indianizando" uma porção de coisas.Um exemplo: esses índios estão reincorporando, hoje, as áreas que estavam nas mãos de fazendeiros. Já existe uma estrutura fundiária implantada, uma região dividida em fazendas, e é desta forma que a terra é devolvida para eles. Eles estão procurando trazer isso para dentro da realidade indígena.Há ainda muito preconceito?SM - Os índios Pataxó-Hãhãhãe, assim como todos os do Nordeste, foram os primeiros a ter contato com o homem branco. Os da Amazônia tiveram um contato posterior. Por isso, eles ainda trazem traços culturais que remetem ao passado, são sociedades que mudam mais lentamente. O preconceito nas cidades grandes vem de não conhecer o objeto. As pessoas olham esses índios e se assustam porque esperavam encontrar índios amazônicos. Então, o primeiro contato é chocante. O índio usa celular, relógio, computador. E isso é ótimo, não tem que ser visto como algo ruim.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que