Porto Velho (RO) quinta-feira, 17 de janeiro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

O filho de Hamilton Mourão e o irmão de José Alencar: dois casos exemplares


O filho de Hamilton Mourão e o irmão de José Alencar: dois casos exemplares - Gente de Opinião

“Cada grupo de interesse pegou um pedaço, uma teta, sempre perguntando o que podia tirar. Nosso grupo tem outra mentalidade” (Paulo Guedes, ministro da Economia, ao dar posse a presidentes de bancos públicos no Palácio do Planalto).

***

No mesmo dia, o presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, promoveu e triplicou o salário do funcionário Antônio Hamilton Rossell Mourão, que passou a ganhar R$ 36,3 mil por mês.

Rossell Mourão vem a ser filho do general Hamilton Mourão, que tomou posse na vice-presidência da República oito dias antes.

“Quando o vento era outro, ele era prejudicado. Agora, que o vento é a favor, ele foi favorecido por suas qualidades”, justificou o papai Mourão, e deu o assunto por encerrado.

De fato, quando o vento era outro, no início do primeiro mandato de Lula, em 2003, houve um caso semelhante no gabinete do vice-presidente José Alencar, que nomeou um irmão para o gabinete.

Só que a reação de Alencar, ao ser confrontado com as normas éticas do serviço público e as críticas da imprensa, foi oposta à de Mourão:

Em vez de defender o parente, o vice de Lula imediatamente voltou atrás, e exonerou o irmão no dia seguinte.

Lembro-me bem do episódio porque ajudei Alencar a redigir a nota em que ele comunicava sua decisão.

E não se falou mais deste assunto na imprensa, tendo José Alencar completado seus oito anos de mandato como vice com uma conduta impecável nos 398 dias em que assumiu a presidência da República durante as viagens de Lula

Alencar também manteve em seu gabinete os assessores herdados de Marco Maciel, o vice de FHC, porque eram funcionários de carreira, ao contrário do que fez agora o ministro Onyx Lorenzoni, que demitiu 320 integrantes da Casa Civil, para “despetizar” o governo.

Quando assumi a Secretaria de Imprensa e Divulgação da PR, fiz como Alencar: mantive quase todos os 70 funcionários que trabalhavam com a competentíssima Ana Tavares, que exerceu esta função nos oito anos de FHC.

Fiz várias reuniões com eles durante a transição. Eram excelentes profissionais, funcionários de carreira de diferentes órgãos do Estado, cedidos para a Presidência da República. Por que mudar o que está funcionando bem?

A ninguém perguntei em quem tinham votado e se eram filiados a algum partido, bem diferente do que o governo Bolsonaro está fazendo agora. Até as secretárias ficaram comigo.

São casos exemplares que demonstram comportamentos opostos dos governos diante da mesma questão, revelando a hipocrisia de quem se arroga o monopólio da moral e dos bons costumes.

Até o momento em que escrevo, Paulo Guedes ainda não se manifestou sobre a “teta” gorda do funcionário do Banco do Brasil, por acaso filho do general Mourão.

Dá para ver como “nosso grupo” tem mesmo outra mentalidade.

Como escreveu o internauta Pedro Luis Cândido, deve ser esta a “mouralização” do governo.

Vida que segue.

Mais Sobre Política - Nacional

HASTA LA VISTA, BAMBINO

HASTA LA VISTA, BAMBINO

Césare Battisti buscou a proteção de Evo Morales, seu aliado de esquerda.

Jair Bolsanaro assina decreto e  pessoas acima de 25 anos podem ter até 4 armas de fogo

Jair Bolsanaro assina decreto e pessoas acima de 25 anos podem ter até 4 armas de fogo

A partir do decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro hoje (15), no Palácio do Planalto, cidadãos brasileiros com mais de 25 anos poderão compra

Governo de Bolsanaro vai fazer pente fino em 2 milhões de benefícios do INSS

Governo de Bolsanaro vai fazer pente fino em 2 milhões de benefícios do INSS

O governo federal vai fazer uma auditoria em 2 milhões de benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que têm indícios de irregul

Jair Bolsonaro confirma revogação da adesão ao Pacto Global para Migração

Jair Bolsonaro confirma revogação da adesão ao Pacto Global para Migração

O presidente Jair Bolsonaro confirmou a revogação da adesão do Brasil ao Pacto Global para Migração Segura, Ordenada e Regular. Na sua conta no Twitte