Porto Velho (RO) quinta-feira, 19 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Ministério Público dá parecer contra recursos de Jader Barbalho e Abadia no STF


 
Débora Zampier

Agência Brasil,
Brasília – O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, enviou hoje (18) dois pareceres ao Supremo Tribunal Federal (STF) em que opina contra os registros de candidatura de Jader Barbalho (PMDB-PA) e de Maria de Lourdes Abadia (PSDB-DF), ambos candidatos ao Senado Federal.

No caso de Jader, segundo candidato mais votado no estado, Gurgel opinou pela manutenção da decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que negou o registro, uma vez que o candidato foi enquadrado na Lei da Ficha Limpa. Pela lei, Jader é inelegível por ter renunciado ao mandato de senador em 2001 para escapar de possível cassação.

No parecer, o procurador-geral defende que esse dispositivo constitucional da anualidade tem o propósito de evitar a desigualdade de participação dos partidos políticos e dos candidatos no processo eleitoral com a introdução de alteração que beneficie segmentos ideológicos ou partidários às vésperas do processo eleitoral. Ele ainda defendeu que as mudanças propostas com a lei não alteram o processo eleitoral.

Quanto à irretroatividade da lei para prejudicar, outro argumento da defesa do candidato, Gurgel afirmou que a inelegibilidade não é pena, além de descartar o princípio da inocência até o trânsito em julgado. “A inelegibilidade constitui restrição temporária à possibilidade de o recorrente candidatar-se a cargo eletivo. Não visa propriamente a exclusão do candidato, mas a proteção da coletividade, a preservação dos valores democráticos e republicanos”.

A defesa de Jader também afirmou que a renúncia não atentaria contra os princípios da moralidade e da probidade administrativa, argumento rejeitado por Gurgel. “A renúncia ao cargo de senador da República com a finalidade de escapar de processo por quebra de decoro parlamentar e de preservar a capacidade eleitoral passiva consiste em burla rejeitada por toda a sociedade, de forma que a inovação trazida pela chamada Lei da Ficha Limpa, que, aliás, teve o impulso da iniciativa popular, se harmoniza com o interesse público de preservar a probidade, a moralidade e os valores democráticos e republicanos”, disse o procurador.

No caso de Maria de Lourdes Abadia, Gurgel afirmou que o fato de a candidata não ter obtido votos suficientes para ser eleita faz com que os recursos percam o objeto. A candidata também foi enquadrada na Lei da Ficha Limpa, no TSE, por ter sido condenada por tentativa de compra de votos nas eleições de 2006. Como ela não obteve o mandato, foi apenas multada pela Justiça Eleitoral.

Mais Sobre Política - Nacional

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç