Domingo, 19 de maio de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Mesmo sem decisão, ministros do STF criticam demora de Congresso em regulamentar greve


Agência O Globo - Carolina Brígido - BRASÍLIA - Sete dos onze ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) defenderam nesta quinta-feira a aplicação da lei que regulamenta a greve de trabalhadores do setor privado em paralisações dos servidores públicos. Embora o direito de cruzar os braços tenha sido concedido ao funcionalismo público pela Constituição de 1988, o Congresso Nacional nunca chegou a um consenso para aprovar uma lei disciplinando esse tipo de mobilização. Nesta tarde, os integrantes da mais alta corte do Judiciário criticaram a "omissão" dos parlamentares e disseram que isso tem prejudicado os servidores. A discussão do tema foi suspensa por um pedido de vista. - Se há o abuso do poder de legislar, esse é um caso de abuso do poder de não legislar - disse a ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha. - Não mais se pode tolerar esse estado de continuada, inaceitável e abusiva inércia do Congresso Nacional - concordou o ministro Celso de Mello. O tribunal discutiu o assunto ao julgar ações de sindicatos de servidores públicos do Pará e do Espírito Santo. As entidades questionavam sobre o direito de greve da categoria. O julgamento das ações já tinha começado em junho do ano passado, quando o relator, ministro Eros Grau, defendeu a aplicação da mesma legislação que regula as greves no setor privado para as manifestações dos servidores públicos até que o Congresso Nacional aprove uma lei específica para a categoria. Na ocasião, Gilmar Mendes concordou com a tese, mas o julgamento não chegou ao fim. Durante a sessão, o ministro Ricardo Lewandowski levou ao plenário um voto contrário ao de seus colegas e a discussão foi retomada. O ministro argumentou que os serviços prestados por trabalhadores de empresas privadas e de órgãos públicos têm características diferentes e, portanto, não poderiam ser equiparados em apenas uma legislação. Além disso, Lewandowski alegou que, ao disciplinar sobre esse assunto, o STF poderia estar se intrometendo em uma atividade exclusiva do Legislativo. - Não vejo relevante semelhança entre a greve dos trabalhadores do setor privado e dos servidores públicos. As implicações e conseqüências de uma greve de empregados do setor privado e do público para a sociedade são diferenciados. Por exemplo, uma greve de professores do ensino privado não pode ser tratada da mesma forma que uma greve de controladores de vôo - ponderou. Nenhum ministro acompanhou essa posição. Os outros integrantes da corte que votaram na sessão concordaram com o relator. Todos os oito ministros que se manifestaram sobre o tema defenderam que, assim como os trabalhadores do setor privado, os funcionários públicos seriam obrigados a exercer o direito de greve de forma limitada. Por exemplo, serviços essenciais à sociedade não poderiam ser totalmente interrompido. Nesse aspecto, vários ministros citaram o exemplo dos controladores de vôo, que recentemente paralisaram o trabalho de forma integral. A discussão sobre os limites impostos às greves dos servidores públicos não foi concluída. Isso deverá acontecer quando o ministro Joaquim Barbosa, autor do pedido de vista, devolver o assunto ao plenário - o que ainda não tem data marcada. No entanto, o ministro Gilmar Mendes defendeu que os servidores em greve não tenham o direito de receber o salário referente ao período de paralisação. Com a adoção dessas regras, os movimentos sindicais podem sair perdendo. Isso porque atualmente não existe norma alguma para o exercício da greve no setor público. - O que existe atualmente é uma lei da selva. Greves continuam a ser realizadas sem nenhum controle jurídico por funcionários públicos. A não atuação do tribunal neste caso configuraria uma espécie de omissão judicial - disse Gilmar Mendes. Ao pedir vista, Joaquim Barbosa ressaltou que o Congresso Nacional programou para as próximas semanas audiências públicas para discutir justamente a regulamentação do direito de greve dos servidores públicos. Ele questionou se, disciplinando sobre o assunto, o Judiciário não estaria se antecipando a uma decisão que deveria ser tomada exclusivamente pelos parlamentares. O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, comentou ontem a decisão do STF. Para ele, o governo deve tomar a iniciativa de propor ao Congresso uma regulamentação própria para os servidores públicos: - Acho que decisão do STF se cumpre. Mas acho que já passou da hora de começarmos a discutir o direito de greve dos servidores públicos, limitando o que temos de limitar e discutindo o assunto com as representações sindicais - afirmou Lupi.

Gente de OpiniãoDomingo, 19 de maio de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou nesta sexta-feira (25) maioria de votos para determinar que a Câmara dos Deputados faça a redistribuição do

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

O Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (SInagências) conseguiu uma solução direta do governo após intensa articulaç

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Reservas foi instaurada em Rondônia para investigar possíveis irregularidades nos processos de criação

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Na tarde dessa segunda-feira (06), o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (SECOM), Paulo Pimenta, esteve r

Gente de Opinião Domingo, 19 de maio de 2024 | Porto Velho (RO)