Porto Velho (RO) sexta-feira, 18 de janeiro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Medo do caos aéreo aumenta movimento nas estradas


Agência O GloboBRASÍLIA - Com a situação tensa nos aeroportos, o movimento nas principais rodovias do país promete ser intenso durante o feriado da Semana Santa. Na manhã desta quinta-feira, a situação é tranqüila, mas os motoristas já encontram estradas cheias. A Polícia Rodoviária Federal, que realiza operação de fiscalização nas rodovias até domingo, prevê que o fluxo de veículos aumente cerca de 50%. Nos últimos anos, esse percentual girou em torno de 30%.Em Belo Horizonte, na saída para o Rio de Janeiro e para as cidades históricas, o movimento já é grande. Em alguns trechos, como na BR-381, saída para o litoral do Espírito Santo, o engarrafamento começou ainda nesta madrugada. A previsão é que 350 mil veículos passem pelas principais rodovias federais que cortam o estado.No Rio, a movimentação nas estradas começou cedo. Por volta das 6h, já havia congestionamento na Ponte Rio-Niterói, uma das principais vias de acesso à Região dos Lagos. Em São Paulo, o movimento nas estradas deve se intensificar a partir das 14h, de acordo com previsão da Polícia Rodoviária estadual. A expectativa é de que pelo menos 1,2 milhão de veículos deixe a capital.Durante os quatro dias de Operação Semana Santa, mais de nove mil policiais se revezarão na fiscalização do trânsito e outras ocorrências nos 60 mil quilômetros da malha rodoviária federal, atentos, principalmente, aos motoristas imprudentes. Os agentes estarão distribuídos em 400 postos por todo o Brasil, apoiados por veículos de policiamento e resgate, helicópteros, radares eletrônicos e bafômetros. Na operação do ano passado foram registrados 1.408 acidentes, com 77 mortes e 889 feridos. Polícia rodoviária alerta para perigo de tempo bom nas estradasAo contrário do carnaval, quando foram registradas chuvas em boa parte do Brasil, a PRF alerta que o tempo estável durante o feriado de Páscoa pode servir de estímulo para o motorista ultrapassar os limites de velocidade permitidos. A polícia rodoviária também adverte os motoristas que, segundo levantamento, a maioria dos acidentes acontece em trechos com pista boa (80,75%), nas retas (69,48%), de dia (59,44%) e com tempo bom (67,05%). Na apuração dos acidentes, a falta de atenção é o item mais alegado pelos condutores, seguido pelo excesso de velocidade. Somados, os dois fatores correspondem a quase 50% das causas de acidentes em rodovias federais.Considerando médias históricas, o volume de tráfego nos fins de semana normais aumenta cerca de 20%, atingindo picos de 30% nos finais de semana prolongados. Desde dezembro, a PRF trabalha em estado de alerta por conta da instabilidade no setor aéreo. Mas apesar dos esforços, a Operação Verão (que engloba os feriados de Natal, réveillon, férias de janeiro e carnaval) registrou aumento de 7,48% no número de acidentes, em relação ao ano anterior. O índice de mortes subiu 3,46% e o saldo de feridos, 10,39%. Apenas na Operação Carnaval, os índices de acidentes, mortos e feridos cresceram 8,09%, 15,08% e 13,36%, respectivamente.

Mais Sobre Política - Nacional

HASTA LA VISTA, BAMBINO

HASTA LA VISTA, BAMBINO

Césare Battisti buscou a proteção de Evo Morales, seu aliado de esquerda.

Jair Bolsanaro assina decreto e  pessoas acima de 25 anos podem ter até 4 armas de fogo

Jair Bolsanaro assina decreto e pessoas acima de 25 anos podem ter até 4 armas de fogo

A partir do decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro hoje (15), no Palácio do Planalto, cidadãos brasileiros com mais de 25 anos poderão compra

O filho de Hamilton Mourão e o irmão de José Alencar: dois casos exemplares

O filho de Hamilton Mourão e o irmão de José Alencar: dois casos exemplares

São casos exemplares que demonstram comportamentos opostos dos governos

Governo de Bolsanaro vai fazer pente fino em 2 milhões de benefícios do INSS

Governo de Bolsanaro vai fazer pente fino em 2 milhões de benefícios do INSS

O governo federal vai fazer uma auditoria em 2 milhões de benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que têm indícios de irregul