Porto Velho (RO) quarta-feira, 18 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Manter carisma de Lula e e rever relações com parceiros polêmicos são desafios


 
Renata Giraldi
 Agência Brasil

Brasília - Independentemente de quem vença estas eleições, o futuro presidente da República tem na política externa o desafio de manter o carisma internacional e o perfil de liderança regional consolidados pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A lista de desafios do sucessor de Lula se estende ainda à definição nas relações políticas e diplomáticas com os Estados Unidos, uma vez que houve nos últimos anos a aproximação com o Irã, e os latino-americanos.

Há dúvidas, segundo os especialistas, sobre a manutenção da atual estrutura de um ministro de Estado de Relações Exteriores – Celso Amorim – e um assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência – Marco Aurélio Garcia. Na tentativa de evitar embates, ficou definido que Garcia cuida de temas regionais e Amorim do todo. Mas, para muitos, a estrutura ainda é confusa.

As polêmicas em torno das relações do Brasil com o Irã, apoiando o programa de desenvolvimento do urânio iraniano desde que para fins pacíficos, continuará em pauta, de acordo com os especialistas. Para eles, de forma semelhante será mantida a relação com outros líderes políticos, também controversos, como o venezuelano Hugo Chávez, o boliviano Evo Morales e equatoriano Rafael Correa.

Os professores Daniel Aarão Reis, de História Contemporânea da Universidade Federal Fluminense (UFF), e Carlos Eduardo Vidigal, de História das Américas da Universidade de Brasília (UnB), advertiram que ao optar pela manutenção de relações diplomáticas com alguns países, o futuro não pode ignorar eventuais ameaças à democracia e denúncias de violação de direitos humanos.

“Penso que o Brasil deveria manter essas relações, favorecendo o diálogo internacional e exercendo pressões para que na área desses Estados não corram riscos os valores democráticos e o respeito aos direitos humanos”, disse Aarão Reis. “Talvez sobre o caso específico do Irã, o futuro presidente pense em rever as relações bilaterais, observando as questões relativas aos direitos humanos”, afirmou Vidigal. “Mas em relação aos países vizinhos, como Equador e Venezuela, não deve haver alteração alguma.”

Para os professores, é fundamental ainda manter os esforços pelo fortalecimento do Mercosul, sem permitir que algumas propostas se tornem apenas desejos distantes da concretização. “O Mercosul é sonho e realidade e deve o Brasil traduzir em propostas concretas, em políticas construtivas, a proposta [global] do Mercosul e da União de Nações Sul-Americanas [Unasul]”, disse Aarão Reis.

Vidigal lembra que havia uma expectativa elevada em relação ao Mercosul, nos últimos dois anos, e que sofreu paralisação em decorrência dos efeitos da crise econômica. “O Mercosul já é uma realidade com uma agenda bastante ampla, mas a crise afetou [vários projetos]. Mas houve um crescimento. O que não ocorreu foi a evolução que se esperava”, disse o professor da UnB.

Mais Sobre Política - Nacional

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç