Porto Velho (RO) quinta-feira, 17 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Lula: "rico não precisa do Estado brasileiro"


Plínio Teodoro - Agência O GloboSÃO PAULO - A uma semana da decisão do segundo turno, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que concorre à reeleição, voltou a apostar num discurso de divisão de classes e a atacar as elites.Segundo Lula, "rico não precisa do Estado brasileiro" e "pobre só tem importância" em época de eleições. Ele disse que seus adversários "deveriam agradecer a Deus" pelas chances de sua reeleição "para deixar o Brasil muito melhor".- O rico não precisa do Estado brasileiro, quem precisa do estado brasileiro é o povo pobre deste país. Quem precisa de universidade é o pobre, porque o rico pode pagar ou até estudar em Paris, mas o pobre ou tem faculdade ou vai passar a vida inteira sem se formar - afirmou Lula, em discurso para cerca de quatro mil pessoas em Cidade Tiradentes, um dos bairros mais carentes da Zona Sul de São Paulo.Segundo o petista, "desde Cabral" a elite só lembra dos pobres durante as eleições.- A verdade nua e crua é que no programa político da elite brasileira, desde que Cabral pôs os pés aqui, o pobre não está incluído. Pobre só tem importância em época eleitoral. Em época eleitoral, pobre vale mais do que banqueiro, mas depois das eleições pobre não é convidado nem para tomar um cafezinho.Coube ao presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PCdoB), fazer o mais duro ataque ao candidato tucano, Geraldo Alckmin, a quem chamou de "personagem de propaganda do Itaú Personalitè", agências do Banco Itaú para correntistas de alto poder aquisitivo.- Você olha o nosso candidato Alckmin, parece um personagem da propaganda daquele Itaú Personalitè, o público dele parece que é um público de torneio de tênis na Costa do Sauípe. Eles dão as costas para o povo brasileiro - disse Rebelo.Lula acrescentou que o Brasil não será um "país de jogadores de tênis".- Este é um país de todos, e não de jogadores de tênis apenas - afirmou Lula.O cantor Netinho de Paula manifestou seu apoio à Lula e classificou as eleições presidenciais como uma "luta de classes". - Vim aqui manifestar meu apoio a um cara que já passou pelas coisas que a gente passou, um cara que viveu coisas que só a gente que é do gueto viveu. Não dá para a gente ter dúvida, esta eleição ela é na verdade um divisor de águas porque é uma luta de classes.Apesar desses discursos, Lula rebateu as acusações da oposição de que quer dividir o país entre ricos e pobres.- Não quero dividir coisa nenhuma. Eu já nasci pobre. Se dependesse de mim, a gente não tinha pobres e ricos, só tinha ricos.Acompanhado da primeira-dama, Marisa Letícia, Lula chegou a Cidade Tirantes por volta das 11h30. Antes de subir ao palanque, Lula fez uma caminhada de menos de cem metros e improvisou um corpo a corpo com eleitores. Também estão presentes a ex-prefeita Marta Suplicy e os ministros Luiz Marinho (Trabalho), Celso Amorim (Relações Exteriores), e Matilde Ribeiro (Igualdade Racial).Na abertura de seu discurso, Lula disse que, em princípio, ficou chateado por não ganhar a eleição já no primeiro turno, mas que agora está feliz por Deus ter garantido o segundo turno.- Foi Deus que garantiu o segundo turno. Eu no começo fiquei chateado. Mas agora eu estou feliz, porque é no segundo turno que a gente vai provar quem é quem. O povo está sentindo a diferença dos dois projetos. De um lado, um projeto que só tem interesse em atender os interesses de uma pequena elite, e do outro lado o nosso projeto que quer governar para todos e que sabe que quem merece atenção especial é o povo pobre deste país.Para Lula, a oposição está apavorada porque o seu governo está conseguindo fazer mais que em dois governos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).- O pavor deles é que este pernambucano criado em São Paulo, sem formação, com curso de torneiro mecânico foi capaz de fazer em quatro anos mais que o "dotô" em 8 anos - ironizou o petista, que em nenhum momento fez referência a denúncias de corrupção em seu governo.Lula disse ainda que os adversários devem pedir a Deus para que ele seja reeleito, em vez de terem raiva dele.- Eu acho, com todo o respeito que eu tenho, ao invés de meus adversários ficarem com raiva de mim, com tanta bronca de mim, eles deveriam pedir a Deus que eu ganhasse porque eu ia deixar o país muito melhor para o próximo governo.Em frente ao palanque, um grupo de militantes mostrava uma faixa ao presidente, assinada pela "Corrente O Trabalho - PT", onde pediam a reestatização da Vale do Rio Doce. " Pátria não se vende. Reclamar a Vale é urgente. Lula Presidente", dizia a faixa.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que