Porto Velho (RO) quarta-feira, 26 de setembro de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Lula investirá no crescimento


Regina Alvarez, Gerson Camarotti, Chico de Gois, D - Agência O GloboBRASÍLIA - O governo tem a fórmula, mas ainda não sabe como implementá-la, e o pacote com medidas para a infra-estrutura ainda precisa de ajustes. Mas, seja como for, o segundo mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva começa empenhado no desafio de fazer o país crescer de forma sustentada e duradoura.- Para viabilizar o crescimento sustentado, temos que eliminar os principais gargalos da infra-estrutura. Precisamos contar com um bom sistema de transportes e mais oferta de energia para que a economia não tenha restrição de oferta - resume o secretário-adjunto de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, coordenador do programa econômico do presidente Lula.Já está praticamente certo que o governo aumentará os gastos com o Projeto Piloto de Investimentos (PPI) para até 0,5% do PIB, aplicando R$ 11, 3 bilhões do Orçamento em obras de infra-estrutura de transportes, infra-estrutura hídrica e saneamento. Parte dessas despesas será descontada da meta de superávit primário, e os recursos para a área de energia sairão do Orçamento das estatais e de outras fontes.As divergências que precisam ser equacionadas decorrem de visões diferentes dentro do governo e do próprio Ministério da Fazenda sobre a condução da política monetária e fiscal nos próximos quatro anos.Outra questão é a redução dos gastos correntes, para criar espaço para novos investimentos.Fiel ao estilo de ouvir todos os lados e decidir sozinho, Lula formou uma espécie de conselho econômico informal, com a reunião de quatro economistas de sua confiança, mas de correntes econômicas diversas: Mantega, o senador Aloizio Mercadante (PT-SP), o deputado Delfim Netto (PMDB-SP) e Luiz Gonzaga Belluzzo (Unicamp). Foram quatro horas de conversa, que levaram á conclusão de que há espaço para flexibilizar a política monetária, acelerando a queda dos juros; é necessário um esforço maior na redução das despesas de custeio; é preciso criar novos instrumentos de financiamento para estimular a iniciativa privada e é preciso aumentar substancialmente o investimento público.'Temos agora o compromisso de fazer mais e melhor'Após abrir exposição com imagens da campanha à reeleição, na tarde deste sábado, Lula afirmou que está terminando seu primeiro mandato "numa situação altamente privilegiada", tanto do ponto de vista político quanto econômico e social. Ao fazer o balanço de sua primeira gestão, o presidente reconheceu que ainda tem muito o que fazer pela frente e que, deste ponto de vista, o segundo mandato é um compromisso mais forte e exigente.- Poucos presidentes tiveram a felicidade e alegria de terminar um mandato em uma situação tão boa como nós - avaliou Lula - Temos agora o compromisso de fazer mais e melhor. Obviamente que nós, com quatro anos de experiência, temos de trabalhar muito mais, fazer muito mais. Todo mundo já está calejado, já sabe o que tem de fazer.Lula disse ainda que vai tirar dez dias de férias em janeiro.

Mais Sobre Política - Nacional

Michel Temer sanciona decreto que prevê terceirização no setor público

Michel Temer sanciona decreto que prevê terceirização no setor público

O presidente Michel Temer sancionou o Decreto nº 9.507/2018, que prevê a terceirização na administração pública federal direta e nas empresas públicas

Dodge fez caridade a Temer, diz Fernando Brito

Dodge fez caridade a Temer, diz Fernando Brito

Ao pedir a suspensão dos inquéritos contra o ocupante do Planalto, a rigor, a Procuradora Geral da República dá a ele a condição de respirar por apare

Temer admite suspender intervenção no Rio para votar Previdência

Temer admite suspender intervenção no Rio para votar Previdência

Rejeitado por 90% da população, Michel Temer afirmou nesta terça-feira, 25, que pode suspender, provisoriamente ou definitivamente, a intervenção fede

Promotoria do Paraná denuncia Richa por corrupção

Promotoria do Paraná denuncia Richa por corrupção

O Ministério Público do Paraná denunciou nesta terça-feira (25) criminalmente o ex-governador Beto Richa e outras 12 pessoas investigadas na Operação