Porto Velho (RO) domingo, 24 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Lula: Enquanto os bancos estiverem lucrando, o país não quebra


Agência O GloboRIO - No terceiro bloco do debate entre os candidatos a presidente, transmitido na noite desta quinta-feira pelo SBT, o candidato do PT à reeleição, presidente Luiz Inácio Lula da Silva, manteve um tom irônico, enquanto o candidato tucano, Geraldo Alckmin, continuou reafirmando a diferença de suas propostas para as do petista. Antes de fazer a primeira pergunta, Lula aproveitou para fazer uma ironia com a questão da privatização:- Eu já percebi que o candidato não gosta de responder sobre as privatizações, então eu nem vou perguntar isso.O petista perguntou ao ex-governador de São Paulo sobre o programa do governo federal 'Luz para todos'. Ele afirmou que durante o governo do tucano, não foi feito o repasse de verba ao programa. Alckmin rebateu dizendo que Lula "tem mania de mudar o nome das coisas":- O 'Luz para todos' é o 'Luz no campo', que o ex-presidente Fernando Henrique faz. Esse programa não é só federal, mas estadual também - disse, logo depois reiterando que, se eleito, pretende continuar com o programa em seu governo.Em seguida, Alckmin falou sobre os investimentos em bancos durante ao governo Lula, e afirmou que as instituições bancárias nunca lucraram tanto quanto nos últimos quatro anos o que, segundo ele, seria o 'bolsa-banqueiro'.Em resposta, Lula afirmou que "se o banco não ganhar dinheiro, quando ele quebrar, aí sim arromba a economia deste país": - Não foi só o banco dos empresários que ganharam. A maior parte dos acordos salariais foram feitos acima da inflação. O juro de crédito está caindo. Hoje as pessoas podem comprar um computador com uma prestação de R$ 50.Alckmin afirmou ainda que Lula não deu aumento aos aposentados, se referindo ao veto da MP que garantia um reajuste de 16,67%, no início do ano. Nesse momento, o petista voltou a usar o tom irônico.- Em política vale tudo mesmo - disse, antes de dizer que deu um reajuste de 5% aos aposentados em acordo com os sindicatos e, que o reajuste de 16,7% defendido pela oposição, foi uma estratégia para tentar enfraquecer seu governo, uma vez que eles sabiam que a previdência não poderia ter esse gasto.Os candidatos falaram também sobre corte de gastos. O tucano acusou Lula de fazer gastos excessivos, afirmando que quanto mais gastos, maiores seriam os juros, e criticou o alto número de ministérios do governo petista e de cargos comissionados.Lula rebateu as críticas, afirmando que é preciso fazer gastos com o social, e disse que fez mais em seus quatro anos de governo do que os tucanos em oito. O petista defendeu ainda o alto número de ministérios em seu governo, e afirmou que não pretende fazer cortes:- (As secretarias da Pesca, da Mulher, e etc) Juntas, são secretarias que têm um orçamento conjunto de R$ 100 milhões, mas têm um valor para sociedade incomensurável - afirmou.

Mais Sobre Política - Nacional

Ministro de Temer fala em 'guerra letal' nas favelas e avisa que 'criança bonitinha' pode virar alvo

Ministro de Temer fala em 'guerra letal' nas favelas e avisa que 'criança bonitinha' pode virar alvo

"Você vê uma criança bonitinha, de 12 anos de idade, entrando em uma escola pública, não sabe o que ela vai fazer depois da escola. É muito complicado

Fachin precisou de 45 minutos para anular julgamento de Lula

Fachin precisou de 45 minutos para anular julgamento de Lula

O intervalo de tempo entre a publicação da decisão do TRF-4, de Porto Alegre, e do ministro Edson Fachin, do STF, que arquivou na noite desta sexta 22

Marco Aurélio diz que prisão de Lula é ilegal

Marco Aurélio diz que prisão de Lula é ilegal

Um dos ministros mais experientes do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio Mello afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está preso il

TRF-4 homologa delação premiada de Palocci à PF

TRF-4 homologa delação premiada de Palocci à PF

Desembargador Gebran Neto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, de Porto Alegre, validou nesta sexta-feira a delação premiada do ex-ministro An