Porto Velho (RO) sexta-feira, 22 de março de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Lula: Enquanto os bancos estiverem lucrando, o país não quebra


Agência O GloboRIO - No terceiro bloco do debate entre os candidatos a presidente, transmitido na noite desta quinta-feira pelo SBT, o candidato do PT à reeleição, presidente Luiz Inácio Lula da Silva, manteve um tom irônico, enquanto o candidato tucano, Geraldo Alckmin, continuou reafirmando a diferença de suas propostas para as do petista. Antes de fazer a primeira pergunta, Lula aproveitou para fazer uma ironia com a questão da privatização:- Eu já percebi que o candidato não gosta de responder sobre as privatizações, então eu nem vou perguntar isso.O petista perguntou ao ex-governador de São Paulo sobre o programa do governo federal 'Luz para todos'. Ele afirmou que durante o governo do tucano, não foi feito o repasse de verba ao programa. Alckmin rebateu dizendo que Lula "tem mania de mudar o nome das coisas":- O 'Luz para todos' é o 'Luz no campo', que o ex-presidente Fernando Henrique faz. Esse programa não é só federal, mas estadual também - disse, logo depois reiterando que, se eleito, pretende continuar com o programa em seu governo.Em seguida, Alckmin falou sobre os investimentos em bancos durante ao governo Lula, e afirmou que as instituições bancárias nunca lucraram tanto quanto nos últimos quatro anos o que, segundo ele, seria o 'bolsa-banqueiro'.Em resposta, Lula afirmou que "se o banco não ganhar dinheiro, quando ele quebrar, aí sim arromba a economia deste país": - Não foi só o banco dos empresários que ganharam. A maior parte dos acordos salariais foram feitos acima da inflação. O juro de crédito está caindo. Hoje as pessoas podem comprar um computador com uma prestação de R$ 50.Alckmin afirmou ainda que Lula não deu aumento aos aposentados, se referindo ao veto da MP que garantia um reajuste de 16,67%, no início do ano. Nesse momento, o petista voltou a usar o tom irônico.- Em política vale tudo mesmo - disse, antes de dizer que deu um reajuste de 5% aos aposentados em acordo com os sindicatos e, que o reajuste de 16,7% defendido pela oposição, foi uma estratégia para tentar enfraquecer seu governo, uma vez que eles sabiam que a previdência não poderia ter esse gasto.Os candidatos falaram também sobre corte de gastos. O tucano acusou Lula de fazer gastos excessivos, afirmando que quanto mais gastos, maiores seriam os juros, e criticou o alto número de ministérios do governo petista e de cargos comissionados.Lula rebateu as críticas, afirmando que é preciso fazer gastos com o social, e disse que fez mais em seus quatro anos de governo do que os tucanos em oito. O petista defendeu ainda o alto número de ministérios em seu governo, e afirmou que não pretende fazer cortes:- (As secretarias da Pesca, da Mulher, e etc) Juntas, são secretarias que têm um orçamento conjunto de R$ 100 milhões, mas têm um valor para sociedade incomensurável - afirmou.

Mais Sobre Política - Nacional

Câmara dos Deputados: CCJC aprova projeto de política nacional de prevenção ao suicídio

Câmara dos Deputados: CCJC aprova projeto de política nacional de prevenção ao suicídio

A deputada federal Mariana Carvalho (PSDB-RO), informou que Câmara dos Deputados, por meio da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC)

Vídeo: Mariana Carvalho comemora a aprovação do seu projeto em que o agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

Vídeo: Mariana Carvalho comemora a aprovação do seu projeto em que o agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

Projeto da deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO) e do deputado Rafael Motta (PSB-RN) é aprovado no Senado Federal. O projeto determina que o agressor

APROVADO – Agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

APROVADO – Agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

O Plenário do Senado aprovou, nesta terça-feira (19), projeto que determina que o agressor nos casos de violência doméstica e familiar será obrigado a

Câmara dos Deputados aprova prioridade de matrícula para filhos de mulher vítima de violência

Câmara dos Deputados aprova prioridade de matrícula para filhos de mulher vítima de violência

Proposta permite ao juiz determinar a matrícula ou transferência de dependentes da mulher vítima de violência independentemente da existência de vagaO