Porto Velho (RO) terça-feira, 20 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Lula: Enquanto os bancos estiverem lucrando, o país não quebra


Agência O GloboRIO - No terceiro bloco do debate entre os candidatos a presidente, transmitido na noite desta quinta-feira pelo SBT, o candidato do PT à reeleição, presidente Luiz Inácio Lula da Silva, manteve um tom irônico, enquanto o candidato tucano, Geraldo Alckmin, continuou reafirmando a diferença de suas propostas para as do petista. Antes de fazer a primeira pergunta, Lula aproveitou para fazer uma ironia com a questão da privatização:- Eu já percebi que o candidato não gosta de responder sobre as privatizações, então eu nem vou perguntar isso.O petista perguntou ao ex-governador de São Paulo sobre o programa do governo federal 'Luz para todos'. Ele afirmou que durante o governo do tucano, não foi feito o repasse de verba ao programa. Alckmin rebateu dizendo que Lula "tem mania de mudar o nome das coisas":- O 'Luz para todos' é o 'Luz no campo', que o ex-presidente Fernando Henrique faz. Esse programa não é só federal, mas estadual também - disse, logo depois reiterando que, se eleito, pretende continuar com o programa em seu governo.Em seguida, Alckmin falou sobre os investimentos em bancos durante ao governo Lula, e afirmou que as instituições bancárias nunca lucraram tanto quanto nos últimos quatro anos o que, segundo ele, seria o 'bolsa-banqueiro'.Em resposta, Lula afirmou que "se o banco não ganhar dinheiro, quando ele quebrar, aí sim arromba a economia deste país": - Não foi só o banco dos empresários que ganharam. A maior parte dos acordos salariais foram feitos acima da inflação. O juro de crédito está caindo. Hoje as pessoas podem comprar um computador com uma prestação de R$ 50.Alckmin afirmou ainda que Lula não deu aumento aos aposentados, se referindo ao veto da MP que garantia um reajuste de 16,67%, no início do ano. Nesse momento, o petista voltou a usar o tom irônico.- Em política vale tudo mesmo - disse, antes de dizer que deu um reajuste de 5% aos aposentados em acordo com os sindicatos e, que o reajuste de 16,7% defendido pela oposição, foi uma estratégia para tentar enfraquecer seu governo, uma vez que eles sabiam que a previdência não poderia ter esse gasto.Os candidatos falaram também sobre corte de gastos. O tucano acusou Lula de fazer gastos excessivos, afirmando que quanto mais gastos, maiores seriam os juros, e criticou o alto número de ministérios do governo petista e de cargos comissionados.Lula rebateu as críticas, afirmando que é preciso fazer gastos com o social, e disse que fez mais em seus quatro anos de governo do que os tucanos em oito. O petista defendeu ainda o alto número de ministérios em seu governo, e afirmou que não pretende fazer cortes:- (As secretarias da Pesca, da Mulher, e etc) Juntas, são secretarias que têm um orçamento conjunto de R$ 100 milhões, mas têm um valor para sociedade incomensurável - afirmou.

Mais Sobre Política - Nacional

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç

A solução no Brasil passa por amenizar o atual estágio de “é de direita sou contra” x “se for de esquerda estou contra”

A solução no Brasil passa por amenizar o atual estágio de “é de direita sou contra” x “se for de esquerda estou contra”

A sociedade brasileira vive um processo de antagonismo e radicalização política sem precedentes na história. O radicalismo é tão intenso que beira ao

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: "Proposta do relator sobre aposentadoria dos professores ainda não é justa", diz Jaqueline Cassol

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: "Proposta do relator sobre aposentadoria dos professores ainda não é justa", diz Jaqueline Cassol

A deputada federal Jaqueline Cassol (PP-RO) criticou a proposta do relator da Reforma da Previdência, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), no que diz