Porto Velho (RO) quinta-feira, 17 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Lula diz que não quer crescimento sem distribuição de renda


Luiz Cláudio de Castro - Agência O GloboBRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira, na cerimônia de assinatura do acordo que reajustou o salário-mínimo para R$ 380, que o país não pode crescer sem distribuir renda. O presidente disse que não foi reeleito para fazer mesmices e que é preciso avançar nas medidas já adotadas no seu primeiro governo e crescer distribuindo renda. Segundo Lula, o país já viveu uma experiência de crescer acima de 10%, durante o governo militar, mas no mesmo período o poder de compra do salário mínimo caiu.- Eu, agora, fui reeleito por mais quatro anos e não quero fazer o mesmo que já fiz nos primeiros quatro anos. Já fiz, está feito. Agora temos que fazer uma coisa nova. E, pelo amor de Deus, não cometam o erro de fazer a palavra desenvolvimento ou crescimento econômico sem combinar junto com ela a palavra distribuição de renda, porque este país, eu já disse a vocês na outra reunião, este país, quando o PIB cresceu 13,94% em 1973, o salário mínimo teve uma perda real de 3,4% - discursou.Segundo Lula, o país está avançando porque antes não estava habituado a ter um crescimento das exportações com o crescimento do mercado interno, não tinha experiência em microcrédito nem em crédito consignado. O presidente atribuiu a mudança de rumo na economia à participação de sindicalistas e trabalhadores nas discussões promovidas pelo governo.- Nada disso vinha da cabeça dos grandes acadêmicos, muito disso é da cabeça de vocês, o que mostra que, se a gente souber, com muita paciência, utilizar a boca que a gente tem para falar menos e utilizar as duas orelhas para ouvir mais, a gente pode acertar - disse.Lula disse que houve um avanço do governo e dos sindicalistas, que hoje buscam um acordo na mesa de negociações. Ainda segundo ele, no tempo em que era sindicalista o salário mínimo era apenas uma peça de ficção para os discursos do dia 1º de Maio.- Não faz muito tempo que o movimento sindical urbano brigava por aumento de salário mínimo, como não faz muito tempo que no Brasil o governo se dispôs a discutir salário mínimo com os dirigentes sindicais urbanos. Na verdade, o salário mínimo era uma peça de ficção para discurso nosso no Dia 1º de maio. Isso valia para o (Luiz) Marinho, quando era presidente da CUT, para mim, quando eu era presidente sindical do ABC, e para todos vocês. A gente fazia um discurso no 1º de Maio, até porque a maioria das nossas categorias não representa o trabalhador de salário mínimo - disse.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que