Porto Velho (RO) quarta-feira, 20 de novembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Lula admite endurecer legislação para combater violência nos estados


Chico de Gois - Agência O Globo e Hilda Badenes BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a dizer nesta terça-feira que fará o que for preciso para ajudar os governos do Rio de Janeiro e de São Paulo a enfrentar a violência. Se for o caso, Lula disse que trabalhará para mudar a legislação e aprimorar a punição dos culpados. Na segunda-feira, em discurso no parlatório do Palácio do Planalto, o presidente classificou de terrorismo os ataques a ônibus e delegacias no Rio na semana passada.- Não podemos tratar como crime comum gestos como aqueles que vimos em São Paulo e no Rio de Janeiro. Isso significa que, se for o caso, vamos fazer mudanças na legislação. Não podemos permitir que alguém possa entrar num ônibus e tocar fogo para as pessoas morrerem e achar que isso pode ser tratado com certa normalidade - disse o presidente. Ao ser questionado se seria preciso mudanças nas penas, por exemplo, Lula respondeu:- Iremos fazer o que for preciso para que a gente acabe com esse vandalismo.Se está longe de resolver o problema de um estado como o Rio, o envio da Força Nacional de Segurança é, na opinião de especialistas ouvidos pelo GLOBO ONLINE, o símbolo maior de uma mudança de postura. Ao tomar posse para seu segundo mandato, o presidente Lula marcou uma nova posição do governo federal em relação à criminalidade nos estados, assumindo um compromisso com o Rio. O governador Sérgio Cabral, por sua vez, também abandonou a postura do casal Garotinho ao pedir ajuda. A questão agora é passar das palavras aos atos. - Todo apoio que o Rio puder obter é importante. Agora, está longe de ser suficiente para resolver o problema. É preciso que haja uma intervenção drástica nas polícias, que acabe com sua conexão com o crime - avalia Luiz Eduardo Soares, ex-secretário de segurança pública do Rio.Após pedir a ajuda imediata da Força Nacional, Cabral afirmou nesta terça-feira que deseja ver as Forças Armadas ajudando a patrulhar as ruas próximas aos quartéis.- Vou solicitar que essa presença seja extramuros, na redondeza de cada unidade. Creio que é um trabalho que as Forças Armadas possam fazer sem a necessidade de deslocamento e ao mesmo tempo reforçar a presença do policiamento nas ruas - disse Cabral.O governador de São Paulo, José Serra, afirmou, por sua vez, que está organizando um gabinete de segurança com outros governadores da região sudeste. Segundo ele, se o estado precisar, ele vai pedir o apoio das tropas da Força Nacional, como fez o governador do Rio.- O importante é que agora, no Rio, nós juntemos forças para enfrentar o problema de segurança lá, porque a segurança é um problema nacional e também regional - explicou Serra.

Mais Sobre Política - Nacional

Jaqueline Cassol cobra votação da MP que garante Revalida

Jaqueline Cassol cobra votação da MP que garante Revalida

A deputada federal Jaqueline Cassol (PP-RO) cobrou do presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) a votação, antes que encerre o prazo, da Medida Provisórias cri

Supremo Tribunal Federal mantém decisão que proíbe gestantes em atividade insalubre

Supremo Tribunal Federal mantém decisão que proíbe gestantes em atividade insalubre

Por unanimidade e em ambiente virtual, o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou recurso da Advocacia-Geral da União (AGU) e manteve a decisão, tomada

Boa notícia: Lula dará ao velho amigo 1ª entrevista fora da prisão

Boa notícia: Lula dará ao velho amigo 1ª entrevista fora da prisão

Neste ano e meio que ele está preso, não tive condições de viajar a Curitiba e fiquei esperando o amigo sair da prisão para poder falar com ele, certo

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p