Porto Velho (RO) segunda-feira, 18 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Luiz Francisco afirma que vai processar Eduardo Jorge


Carolina Brigido - Agência O GloboBRASÍLIA - O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) realizou uma acareação entre o procurador regional da República Luiz Francisco de Souza e Eduardo Jorge, ex-secretário geral da Presidência do governo Fernando Hernrique Cardoso. Ao final do encontro, Luiz Francisco de Souza afirmou que vai processar Eduardo Jorge por ofensa à sua honra, que o acusou de falsidade ideológica.Protagonista de uma crise no governo no início da década, o ex-assessor de Fernando Henrique Cardoso sentou-se à frente de um de seus principais algozes. Foi do procurador a iniciativa de investigá-lo em 2000, por suposta participação no esquema de desvio de dinheiro público da construção da sede do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo.A acareação foi marcada para se tentar avançar nas apurações do colegiado em um processo por suposto crime de conduta do procurador Luiz Francisco e do procurador Guilherme Schelb em relação às investigações contra Eduardo Jorge. O ex-assessor de Fernando Henrique já tentou enquadrá-los por diversas vezes em alguma infração disciplinar. Ele diz se sentir perseguido pelos procuradores e não esconde do semblante a mágoa ainda guardada.Atualmente, Eduardo Jorge tenta desqualificar o trabalho feito pelos procuradores no CNMP, o órgão criado pela reforma do Judiciário para realizar o controle externo das atividades dos procuradores. As acusações dele já foram examinadas pelo Conselho Superior do Ministério Público, que arquivou o caso.A sessão desta terça, que durou cerca de três horas, foi a segunda acareação entre os envolvidos. A primeira, ocorrida em fevereiro, foi marcada pelo mesmo clima de constrangimento entre os presentes, principalmente entre Luiz Francisco e Eduardo Jorge. O auge foi quando o ex-assessor do Palácio do Planalto acusou o procurador de falsificar um documento. Irritado, o procurador anunciou que a briga migraria novamente para a esfera judicial.- Eu evito olhar para ele. Ele guarda muito rancor. Mas não posso permitir que ele ouse falar que eu cometi crime de falsidade ideológica. Vou processar - declarou Luiz Francisco.Luiz Francisco disse que pedirá uma quantia entre R$ 50 e R$ 100 mil como indenização por danos morais pela afirmação de Eduardo Jorge.- Depois, vou doar o dinheiro para uma instituição de caridade - planejou.Para justificar a suposta irregularidade nas investigações contra ele, Eduardo Jorge voltou a alegar que Luiz Francisco teria trabalhado nas investigações em seu período de férias, o que seria ilegal. Também acusou o procurador de ter dito em um programa de entrevistas na televisão que costumava abrir processos contra as pessoas apenas para vê-las sofrer. E afirmou que Schelb teria apresentado informações falsas sobre a investigação à Receita Federal.Não existe previsão para o fim das apurações. Nesta terça, foi aberto novo prazo para a coleta de provas da acusação e da defesa. Também serão ouvidas testemunhas em breve. Após tomadas essas medidas, o caso deverá ser julgado pelo plenário do CNMP.- Por mim, já teria julgado isso há muito tempo. Mas não quero ser acusado no futuro de ter beneficiado alguém - disse o relator, o juiz Hugo Melo.

Mais Sobre Política - Nacional

Engenheiro da Petrobras denuncia roubo de meio trilhão

O Brasil está prestes a ser roubado em meio trilhão de reais por conta do projeto de lei 8939/2017...

Dodge diz que sistema prisional precisa entrar na agenda política

Segundo a procuradora-geral, o problema precisa ser enfrentado de forma coordenada e integrada por todos titulares da Ação Penal Pública, do sistema d

Temer corta 95% das verbas de programas sociais e compromete futuro de milhões

Temer corta 95% das verbas de programas sociais e compromete futuro de milhões

Temer corta 95% das verbas de programas sociais e compromete futuro de milhões

Aepet denuncia: Temer prepara maior crime da história durante a Copa

Aepet denuncia: Temer prepara maior crime da história durante a Copa

AEPET alerta: "as multinacionais pretendem que o governo Temer anule a decisão do Conselho Nacional de Política Energética pela contratação direta da