Porto Velho (RO) quarta-feira, 23 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Justiça relaxa prisão de Procurador-geral licenciado do Amazonas


Ismael Machado - Agência O GloboBELÉM - O procurador-geral licenciado do Amazonas, Vicente Cruz, teve a prisão relaxada pelo desembargador Domingos Chalub e deve aguardar as investigações em sua residência. Cruz foi preso na terça-feira, suspeito de ter planejado a morte do também procurador Mauro Campbell, como indicam gravações telefônicas feitas pela Polícia Civil de Manaus. O motivo seria a disputa pela vaga de procurador-geral, com eleição marcada para 15 de fevereiro. Os dois disputariam o cargo.Desde segunda-feira, Vicente Cruz estava sob custódia. A prisão foi decretada pelo presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJA), desembargador Francisco das Chagas Auzier. O relaxamento da prisão de Cruz levou o secretário de Segurança do Amazonas, Sá Cavalcante, a dizer que não acredita mais nas instituições.- Com todas as provas colhidas, não dá para entender essa decisão - lamentou.Nesta sexta, ele disse que nunca tramou a morte de ninguém e que, nas conversas gravadas, estava tratando do cancelamento de obras numa paróquia. Afirmou ainda que a fita com a gravação das conversas mantidas com Élson Moraes, o suposto agenciador, foi manipulada.- É uma armação política contra mim - disse.O relatório da Central de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública, porém, indica forte suspeita de participação de Cruz no esquema que visava assassinar Campbell.Tanto a mulher de Élson Moraes, Maria José Dantas da Silva, presa terça-feira, quanto Franklin Barbosa, que seria contratado para executar o crime, teriam confirmado em depoimento que, desde o Natal do ano passado, havia uma trama para assassinar Campbell. O relatório da Secretaria de Segurança indica que a ordem para a execução partiu de Cruz. Procurador ameaçado de morte se diz refém em casaDepois de ter descoberto o esquema para assassiná-lo, em Manaus, o procurador Mauro Campbell Marques, de 43 anos, anda com colete à prova de balas e com quatro viaturas da polícia fazendo sua proteção pessoal. Vicente Cruz cumpriu a prisão domiciliar a que esteve sujeito no próprio gabinete, na sede do Ministério Público, na capital do Amazonas, numa sala vizinha ao gabinete de Campbell Marques.- Eu estou abalado. Nunca passei por uma situação dessas. Eu não posso trabalhar porque, ao lado, tem uma pessoa que pode ter planejado minha morte - disse Marques. - Minha preocupação permanece. Eu estou refém. O pistoleiro está na rua, o intermediário está solto. O que está por trás disso, eu não sei, porque custo a acreditar que tudo isso seja por causa de uma vaga de procurador-geral - afirma Campbell.O casoVicente Cruz é acusado de ter contratado, por R$ 20 mil, os serviços de um pistoleiro para matar Mauro Campbell. O pistoleiro é um presidiário, conhecido apenas por Frank, que cumpre pena em regime de semi-liberdade. Ao ver a foto de quem teria de matar, o pistoleiro reconheceu o procurador. Assustado com a importância do cargo de Campbell, ele procurou um advogado, que encaminhou o caso ao Ministério Público.A partir daí, o Serviço de Inteligência da Polícia Civil, sob ordem judicial, quebrou o sigilo telefônico do pistoleiro e do intermediário Élson Moraes. Na gravação, Vicente Cruz apareceria negociando com o intermediário a suspensão do assassinato de Campbell.As escutas foram feitas desde a última sexta-feira, mas só na segunda-feira o nome de Cruz aparece como um dos envolvidos no esquema. A gravação telefônica com a voz de Vicente Cruz foi feita no final da manhã de segunda-feira. O procurador ligou para o intermediário, minutos depois de ter telefonado para Campbell, em sinal de solidariedade por conta das ameaças.Na gravação, cujos trechos foram mostrados por uma emissora de televisão de Manaus, o procurador licenciado teria pedido ao intermediário, Élson Moraes, que ele 'abortasse' a operação.Mas, segundo as investigações, quando tudo já estava combinado, Vicente Cruz teria mandado o agenciador, identificado com Elson, desfazer o acordo com os pistoleiros que realizariam o serviço.Vicente: "Olha... aborta, aborta. Tudo aquilo." Élson: "Abortar?"Vicente: "Aborta"Élson: "Pior que o pessoal tá na rua. Eu não sei se..."Vicente: "Não! Não! Aborta. Aborta!"Élson: "Tá bom?"Vicente: "Tá"Segundo a polícia, Vicente Cruz desistiu porque teria preferido usar um outro grupo de pistoleiros, que não chegou a ser contratado.Vicente: "Eu desisti, meu irmão, tá bom? E depois eu já estou chamando outras pessoas. Tá bom? Mas vai lá comigo"Além das gravações telefônicas, a Polícia Civil fotografou e filmou a ida de Elson à casa do procurador.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que