Quarta-feira, 22 de maio de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Jurista, ministro e presidente da OAB discordam de mudança na legislação


Hilda Badenes e Luiz Claudio de Castro - Agência O Globo BRASÍLIA -Mudar a legislação penal para combater o crime, como aventou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, não é a solução, na opinião de um ministro do Supremo Tribunal Federal, do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil e de um jurista ouvidos nesta quarta-feira pelo GLOBO ONLINE. Para o ministro Marco Aurélio de Mello, do STF, a declaração do presidente Lula foi uma satisfação à sociedade. Porém, não passará de "uma esperança vã, que não se frutificará". Para ele, é preciso atacar a causa do problema: - O que vemos é uma crise no funcionamento do Estado, nos serviços básicos, como a segurança. O que se precisa buscar é o funcionamento das instituições de repressão e fazer valer a lei que já existe e é severa. Simplesmente endurecer a legislação é uma visão míope quanto aos problemas enfrentados na atualidade - avaliou. Na opinião do ministro, apenas com a reestruturação da polícia - dando ênfase à carreira dos policiais e afastando os corruptos - é que se chegará a uma solução para a crise na segurança. - A diminuição da delinqüência só se dá com a repressão. Temos que sinalizar com costuras efetivas de repressão ao crime, como Cabral (Sérgio Cabral, governador do Rio) já começou a fazer - afirmou. O presidente da Academia Brasileira de Direito Constitucional, Flávio Pansieri, considera inócuas as propostas de mudar a legislação penal brasileira para intensificar o combate ao crime organizado. Pansieri lembra que o país já tem instrumentos como o Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), que permite isolar presos perigosos, e a Lei de Crimes Hediondos. O jurista destaca, inclusive, que as estatísticas mostram que o crime não se reduziu após a aprovação da Lei de Crimes Hediondos. - O endurecimento da legislação não resolve nada. Temos o RDD, a Lei de Crimes Hediondos e os crimes continuam acontecendo. No Brasil temos a falsa idéia de que, com alteração de legislação, enrijecimento do sistema, deixando que as normais penais sejam cada vez mais repressivas, vamos resolver o problema da segurança pública no país. Isso é um grande equívoco - diz. Pansieri afirma ainda que a legislação brasileira já é dura, embora isso normalmente só seja sentido pela parcela mais pobre da população. Ou seja, a lei é severa, mas a aplicação dela é falha e não atinge a todos. Para o jurista, no curto prazo, os governos precisam dar uma resposta positiva à criminalidade, com investimento na polícia, trabalho de inteligência e parceria entre União e estados. Segundo ele, a falta de parceria entre a União e os estados ficou evidente no período pré-eleitoral, principalmente nos casos do Rio e São Paulo, principais focos da onda de violência. Mas é com medidas de longo prazo, como investimento em educação, que ele enxerga a saída para os problemas de segurança pública no país. - O que nós precisamos efetivamente é de investimento em infra-estrutura das polícias, dar mais condições para que elas trabalhem. E, por outro lado, o que estamos esperando desde o início da gestão deste atual governo e de todos os governos que passaram: investimento em educação. É um discurso que parece algo batido, que ninguém agüenta mais, o problema é que até hoje não se executou um programa de desenvolvimento cultural no país. Toda questão do desenvimento econômico está ligada à formação dos nossos braços, e em razão disso temos essa série de distúrbios que vão acontecendo. O grande problema da continuidade do cometimento de crimes é uma questão cultural brasileira. As pessoas não têm outra saída muitas vezes. Para o presidente da OAB, Roberto Busato, o Brasil precisa deixar de ser o país que só combate a violência em situações emergenciais, para ser um país que toma medidas efetivas contra esse problema e que não conviva com a impunidade. Segundo ele, se a legislação atual for cumprida, o crime perderá força. - Parece que vivemos num país vaga-lume, que vive piscando e apagando. Agora mesmo, estamos novamente girando em volta da criminalidade do Rio de Janeiro, que já vem há muito tempo assustando a população brasileira. A legislação responde a isso, o que não se tem é o exato cumprimento das penas. Não precisamos de mais penas, precisamos que se cumpram as penas que a legislação penal estabelece dentro do país - afirma Busato. O conselheiro federal da OAB pelo Rio Grande do Sul Cézar Roberto Bitencourt, vai mais longe. O criminalista considera até uma ironia quando autoridades dizem que é necessário combate ao crime organizado. - O crime organizado está hoje nos palácios, já não está mais nem nos porões dos palácios como antes, e o que está aí nas ruas é o crime desorganizado comandando a sociedade organizada - afirmou. Bitencourt sugeriu que dessa tarefa de combate, além dos poderes constituídos, participem ativamente a mídia, as ONGs e toda a sociedade civil brasileira. O conselheiro da OAB disse que, a continuar o ritmo atual da segurança pública, o Brasil poderá atingir o nível de desobediência civil. - A onda de violência que ocorreu em São Paulo e agora se repete no Rio é apenas uma sinalização do nível em que a gente está. É a demonstração de que algo precisa ser feito, e não adianta criarmos depósitos de seres humanos imensos. Para ele, o país só vai superar os problemas de segurança pública quando os dirigentes passarem a encarar com seriedade a questão e destinarem à área recursos para investimentos na infra-estrutura, sem pensar em dividendos eleitorais. - Endurecimento de penas, criação de prisão perpétua, pena de morte, prisões de segurança máxima, não resolvem. Discurso de posse marcou mudança de postura Ao tomar posse para seu segundo mandato, o presidente Lula marcou uma nova posição do governo federal em relação à criminalidade nos estados, assumindo um compromisso com o Rio. O governador Sérgio Cabral, por sua vez, também abandonou a postura do casal Garotinho ao pedir ajuda. A questão agora é passar das palavras aos atos, como ( avaliam especialistas ouvidos pelo GLOBO ONLINE sobre este assunto.

Gente de OpiniãoQuarta-feira, 22 de maio de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou nesta sexta-feira (25) maioria de votos para determinar que a Câmara dos Deputados faça a redistribuição do

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

O Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (SInagências) conseguiu uma solução direta do governo após intensa articulaç

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Reservas foi instaurada em Rondônia para investigar possíveis irregularidades nos processos de criação

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Na tarde dessa segunda-feira (06), o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (SECOM), Paulo Pimenta, esteve r

Gente de Opinião Quarta-feira, 22 de maio de 2024 | Porto Velho (RO)