Porto Velho (RO) quarta-feira, 23 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Jungmann diz que renuncia se houver dinheiro ilícito em sua conta


Carolina Brígido - Agência O Globo BRASÍLIA - O deputado Raul Jungmann (PPS-PE), processado pela Procuradoria da República no Distrito Federal por desvio de R$ 33 milhões no período em que era ministro do Desenvolvimento Agrário (1998-2002), no governo Fernando Henrique, disse nesta segunda-feira que renuncia ao mandato se for encontrado qualquer vestígio do dinheiro supostamente desviado do Incra em sua conta bancária.- Renuncio ao meu mandato, pode escrever aí, se alguém encontrar algum desvio para minha conta bancária - disse o parlamentar.Ao renunciar ao mandato, o deputado perde o foro privilegiado. Ele e mais oito pessoas são acusados de desvio de dinheiro público no pagamento de contratos de publicidade do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). As empresas de comunicação Informe, Casablanca e Artplan teriam sido beneficiadas com as fraudes e, por isso, também são alvo da ação, segundo o MP. De acordo com o Ministério Público, foram pagos com recursos públicos cerca de R$ 33 milhões de forma ilegal à Casablanca e à Artplan. As empresas subcontratavam a Informe para fazer a assessoria de imprensa dos contratos de publicidade, sem licitação ou fiscalização. A Informe também subcontratava empresas para prestar os serviços - algumas, de acordo com as investigações, não existiam.Deputado pediu para ser investigadoJungmann disse que pediu para ser investigado pelo Conselho de Ética da Câmara e escreveu uma carta ao presidente do PPS, Roberto Freire, pedindo que a comissão de ética do partido também investigue sua conduta à frente da pasta. O deputado disse ainda que o cálculo feito pelo MP Federal não corresponde à realidade.Segundo ele, o Incra investigou internamente essa irregularidade e chegou à conclusão de que R$ 562 mil haviam sido pagos a mais para as agências de publicidade pelo ministério e que o montante de R$ 33 milhões era o total dos serviços prestados pelas agências nos quatro anos em que ficou à frente da pasta. Segundo ele, se tiver ocorrido alguma irregularidade, o dinheiro tem que ser devolvido pelas agências.- Alguém errou no cálculo das comissões para as agências, mas são as agências que têm que devolver o dinheiro - disse.De acordo com o Ministério Público, foram emitidas notas frias para justificar os gastos do Incra. Jungmann disse que não cabe a um ministro de Estado verificar notas fiscais e questionou por que o MP nunca o chamou para apresentar sua defesa. O parlamentar disse que não vai atacar ninguém agora, evitando dizer diretamente que esteja sendo vítima de um golpe de adversários, mas deixou no ar um comentário sobre a quantidade de inimigos que tem no meio político.- Eu participei das CPIs do Mensalão e dos Sanguessugas. Tem muita gente envolvida nisso, mas não vou falar sobre isso agora nem sob tortura, só depois que eu for inocentado - disse.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que