Quarta-feira, 22 de maio de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Incentivo a patrocínio para esporte deverá ser votado, apesar de polêmica entre artistas


Bernardo de La Peña - Agência O Globo BRASÍLIA - Apesar da mobilização da classe artística que teme a redução das verbas de incentivo à cultura, o presidente da comissão de Educação, senador Wellington Salgado (PMDB-MG), pretende colocar em votação nesta terça-feira o projeto que cria a Lei do Esporte e prevê a concessão de incentivos fiscais para os investimentos no setor. O texto, que colocou em lados opostos artistas e desportistas, é visto no meio cultural como prejudicial ao financiamento para as atividades do setor, porque permite, em condições mais favoráveis, que projetos esportivos disputem o patrocínio das mesmas empresas com as iniciativas na área cultural. Mas a votação ainda pode render polêmica. A classe artística promete se mobilizar contra a aprovação do projeto e acompanhar no Congresso a votação do projeto. A reunião da Comissão de Educação está marcada para começar às 10 horas. Depois de ser aprovado na comissão, o texto tem de ser votado na Comissão de Constituição e Justiça e no plenário do Senado para só depois ir à sanção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O projeto de Lei do Esporte prevê que pessoas físicas possam doar até 6% do imposto devido para patrocínios esportivos. No caso de pessoas jurídicas, o teto é de 4%. Quando o novo projeto virar lei, esses limites, que já valiam para projetos culturais, também valerão para os patrocínios esportivos. Salgado, que decidiu ele mesmo relatar o projeto na comissão, informou que apóia o texto como está e que não pretende modificá-lo. - A comissão não pode tomar partido. É comissão de educação, cultura e esporte. Tudo o que chegou de interesse da cultura teve prioridade. Acabamos de nomear o diretor da Ancine. O projeto é bom. Tem por exemplo uma limitação para que não se possa pagar salário de atletas - argumenta o senador. - O pessoal da cultura está assustado porque teme que as empresas prefiram patrocinar o esporte. Mas os dois setores poderiam conviver bem. Acho que 80% das empresas que investem em cultura não vão investir no esporte. Um bom exemplo são esses shows, como o Free Jazz. Quem vai neste tipo de evento não é o mesmo público que vai a um Fla-Flu no Maracanã - completa.

Gente de OpiniãoQuarta-feira, 22 de maio de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou nesta sexta-feira (25) maioria de votos para determinar que a Câmara dos Deputados faça a redistribuição do

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

O Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (SInagências) conseguiu uma solução direta do governo após intensa articulaç

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Reservas foi instaurada em Rondônia para investigar possíveis irregularidades nos processos de criação

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Na tarde dessa segunda-feira (06), o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (SECOM), Paulo Pimenta, esteve r

Gente de Opinião Quarta-feira, 22 de maio de 2024 | Porto Velho (RO)