Porto Velho (RO) quinta-feira, 16 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Grupo de trabalho para discutir lei que coíbe discriminação sexual é instalado


Foi instalado hoje (20) na Comissão de Direitos Humanos do Senado o Grupo de Trabalho proposto na semana passada para debater o PLC 122/2006, que altera o Código Penal e a Consolidação das Leis do Trabalho, para definir crimes resultantes de discriminação ou preconceito de gênero, sexo e orientação sexual.

 

Sob a coordenação da senadora Fátima Cleide, relatora da proposta na Comissão de Direitos Humanos, o ato de instalação do Grupo contou com a presença dos senadores Flávio Arns(PT-PR) e Geraldo Mesquita (PMDB-AC) e de representantes do movimento gay no Brasil, dentre eles o presidente da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais,Travestis e Transexuais (ABGLT), Toni Reis.

 

Ao abrir a reunião a senadora Fátima historiou o último encontro da CDH, na semana passada, quando decidiu-se pela constituição do Grupo de Trabalho em razão das diversas manifestações da sociedade sobre artigos do projeto que criminaliza a discriminação por orientação sexual.

 

Um dos artigos em debate afirma que será de 3 a 5 anos de reclusão quem "recusar, negar, impedir, preterir, prejudicar, retardar ou excluir, em qualquer sistema de seleção educacional, recrutamento ou promoção funcional ou profissional" pessoas de diferente orientação sexual.

 

A senadora Fátima manifestou mais uma vez disposição para discutir com o Grupo de Trabalho todos os artigos e parágrafos do projeto que possam inclusive conflitar com preceitos constitucionais, "conforme algumas pessoas estão sugerindo", para buscar um consenso.   

 

Além dos senadores citados, compõem o Grupo de Trabalho os senadores Demóstenes Torres, Siba Machado, Patrícia Saboya, Gilvan Borges, Paulo Paim e Marcelo Crivela.

 

Na reunião de hoje o Grupo decidiu chamar a socióloga Miriam Abramvay para apresentar suas impressões ao Grupo. Ela é professora da Universidade Católica de Brasília e vice-coordenadora do Observatório sobre Violências nas Escolas no Brasil, da Organziação das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura(Unesco).   Produziu em 2002 o estudo  Escola e Violência, no qual aponta o fato de que 60% dos professores não sabem lidar com a questão da homossexualidade. 

Mais Sobre Política - Nacional

 Moro age como se fosse autoridade superior, diz Favreto no CNJ

Moro age como se fosse autoridade superior, diz Favreto no CNJ

O desembargador do TRF-4 Rogério Fraveto, que em 8 de julho determinou a soltura do ex-presidente Lula, decisão que não foi cumprida, disse, em sua de

Grupo Abril pede recuperação judicial

Grupo Abril pede recuperação judicial

O grupo Abril entrou com um pedido recuperação judicial nesta quarta-feira (15); plano de recuperação judicial será mostrado aos credores em até 60 di

Sonegação de R$ 26 bi do Itaú vai a julgamento. É a maior da história

Sonegação de R$ 26 bi do Itaú vai a julgamento. É a maior da história

Está revogada a decisão do Carf que havia livrado o banco de pagamento de multa de R$ 26 bilhões por sonegação de impostos; é a maior da história...

Bancários se manifestam em Brasília em defesa de bancos públicos

Bancários se manifestam em Brasília em defesa de bancos públicos

Bancários protestam contra as resoluções da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da Uni