Terça-feira, 23 de julho de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Governo discute plano para cortar R$ 11 bi com pessoal, reduzir juros e investir mais


Agência O Globo RIO e BRASÍLIA - Em meio ao acirramento dos debates envolvendo as duas correntes que disputam o comando da política econômica no segundo mandato do presidente Lula, o governo prepara um plano para viabilizar um crescimento da economia de 5% ao ano, revela o jornal "O Globo" na edição deste domingo. As medidas que estão em estudo incluem a limitação dos gastos correntes já a partir de 2007, a redução nas despesas com pessoal em 0,5 ponto percentual do Produto Interno Bruto (PIB) - ou R$ 11 bilhões - até 2010, a contenção dos gastos da Previdência, com reajustes para o salário-mínimo pouco acima da inflação, e o aumento, em 1% do PIB, dos investimentos públicos em infra-estrutura. Tudo isso combinado com uma queda gradual, mas consistente, da taxa de juros. Segundo a reportagem, a receita pressupõe a permanência de Guido Mantega no comando do Ministério da Fazenda e o fortalecimento do Ministério do Desenvolvimento - tendo à frente o atual ministro, Luiz Fernando Furlan. O plano não implica, necessariamente, mudança de comando no Banco Central (BC), embora o presidente da instituição, Henrique Meirelles, não pertença ao grupo dos chamados desenvolvimentistas. Segundo um membro desse grupo, Lula dificilmente afastará Meirelles agora, mas deve promover mudanças na diretoria do BC, para adequá-la aos novos rumos da política econômica. A reportagem destaca que a pretensão de Lula é ver o plano concluído ainda em dezembro, para que sirva de plataforma nas negociações com o Congresso, empresários e representantes da sociedade civil, com o objetivo de garantir sustentação política ao governo no próximo mandato. Também está em discussão a criação de uma coordenação para o projeto de crescimento sustentado, que poderia ser exercida pela Casa Civil, já que a ministra Dilma Rousseff deve se transformar na figura mais forte do governo no segundo mandato. O grande desafio é aumentar a taxa de investimentos do país do atual patamar de 20% para 24,5% do PIB. Estudos da área econômica indicam que seria preciso elevar o investimento público em 1% do PIB e criar as condições - com desoneração de tributos, melhoria do marco regulatório e outras medidas - para que a iniciativa privada contribua com os outros 3,5%. Segundo esses estudos, para o Brasil crescer 5,2% ao ano, a indústria precisaria avançar 6%; os serviços, 5%; e a agricultura, 4%.

Gente de OpiniãoTerça-feira, 23 de julho de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou nesta sexta-feira (25) maioria de votos para determinar que a Câmara dos Deputados faça a redistribuição do

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

O Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (SInagências) conseguiu uma solução direta do governo após intensa articulaç

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Reservas foi instaurada em Rondônia para investigar possíveis irregularidades nos processos de criação

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Na tarde dessa segunda-feira (06), o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (SECOM), Paulo Pimenta, esteve r

Gente de Opinião Terça-feira, 23 de julho de 2024 | Porto Velho (RO)