Porto Velho (RO) quarta-feira, 21 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Governo discute plano para cortar R$ 11 bi com pessoal, reduzir juros e investir mais


Agência O Globo RIO e BRASÍLIA - Em meio ao acirramento dos debates envolvendo as duas correntes que disputam o comando da política econômica no segundo mandato do presidente Lula, o governo prepara um plano para viabilizar um crescimento da economia de 5% ao ano, revela o jornal "O Globo" na edição deste domingo. As medidas que estão em estudo incluem a limitação dos gastos correntes já a partir de 2007, a redução nas despesas com pessoal em 0,5 ponto percentual do Produto Interno Bruto (PIB) - ou R$ 11 bilhões - até 2010, a contenção dos gastos da Previdência, com reajustes para o salário-mínimo pouco acima da inflação, e o aumento, em 1% do PIB, dos investimentos públicos em infra-estrutura. Tudo isso combinado com uma queda gradual, mas consistente, da taxa de juros.Segundo a reportagem, a receita pressupõe a permanência de Guido Mantega no comando do Ministério da Fazenda e o fortalecimento do Ministério do Desenvolvimento - tendo à frente o atual ministro, Luiz Fernando Furlan. O plano não implica, necessariamente, mudança de comando no Banco Central (BC), embora o presidente da instituição, Henrique Meirelles, não pertença ao grupo dos chamados desenvolvimentistas. Segundo um membro desse grupo, Lula dificilmente afastará Meirelles agora, mas deve promover mudanças na diretoria do BC, para adequá-la aos novos rumos da política econômica.A reportagem destaca que a pretensão de Lula é ver o plano concluído ainda em dezembro, para que sirva de plataforma nas negociações com o Congresso, empresários e representantes da sociedade civil, com o objetivo de garantir sustentação política ao governo no próximo mandato. Também está em discussão a criação de uma coordenação para o projeto de crescimento sustentado, que poderia ser exercida pela Casa Civil, já que a ministra Dilma Rousseff deve se transformar na figura mais forte do governo no segundo mandato.O grande desafio é aumentar a taxa de investimentos do país do atual patamar de 20% para 24,5% do PIB. Estudos da área econômica indicam que seria preciso elevar o investimento público em 1% do PIB e criar as condições - com desoneração de tributos, melhoria do marco regulatório e outras medidas - para que a iniciativa privada contribua com os outros 3,5%. Segundo esses estudos, para o Brasil crescer 5,2% ao ano, a indústria precisaria avançar 6%; os serviços, 5%; e a agricultura, 4%.

Mais Sobre Política - Nacional

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç

A solução no Brasil passa por amenizar o atual estágio de “é de direita sou contra” x “se for de esquerda estou contra”

A solução no Brasil passa por amenizar o atual estágio de “é de direita sou contra” x “se for de esquerda estou contra”

A sociedade brasileira vive um processo de antagonismo e radicalização política sem precedentes na história. O radicalismo é tão intenso que beira ao

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: "Proposta do relator sobre aposentadoria dos professores ainda não é justa", diz Jaqueline Cassol

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: "Proposta do relator sobre aposentadoria dos professores ainda não é justa", diz Jaqueline Cassol

A deputada federal Jaqueline Cassol (PP-RO) criticou a proposta do relator da Reforma da Previdência, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), no que diz