Domingo, 14 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Gaudêncio Torquato: Lula encontrará um país dividido


Luisa Valle -Agência O Globo RIO - Na opinião de Gaudêncio Torquato, cientista político e professor da Universidade de São Paulo (USP), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai encontrar um país divido. Para o professor, seu principal desafio será governar para todos. - Ele está diante de um país profundamente dividido, amargurado, muito até pelo próprio discurso dele. Essa recorrência contra os eleitores tornou a sociedade bastante tensa. Ele não poderá criticar mais as classes A e B - disse. Torquato acredita que Lula vai começar o novo governo ainda com as cobranças da oposição. Apesar disso, para o professor ao longo do governo os conflitos entre os partidos devem diminuir: - Não podemos terminar uma eleição e começar outra. É preciso que ocorra uma integração de esforços para se chegar a um consenso. É possível que já no meio do mandato já exista um entendimento entre oposição e governo. De acordo com Torquato, Lula terá um apoio maior na Câmara, enquanto no Senado ele deve encontrar uma oposição maior, apesar disso, ele não vê grandes dificuldades para o governo. Segundo o professor da USP, a sociedade estará mais atenta nesse segundo mandato do petista, o que vai ajudar na hora de aprovar as reformas que estão pendentes: política, previdenciária e tributária. - A sociedade não agüenta mais esses costumes do toma-lá-dá -cá. É preciso que os políticos cortem na própria carne. Fazendo uma reforma política que pode qualificar os costumes - afirmou. O professor chamou atenção também para um assunto que ocupou grande parte das discussões de propostas para a economia durante a eleição: a contenção de gastos. Lula afirmou que não vai cortar gastos, o que, segundo Torquato, pode afetar a economia e a previdência. - Lula precisará redimensionar os gastos, principalmente no social. Se ele quiser expandir o Bolsa-Família, sem enfrentar a questão previdenciárias não há conta que agüente - disse. Torquato falou ainda sobre a relação do governo com os partidos. Para ele o PMDB, partido mais forte do Congresso, deve apoiar o governo. Além disso, ele afirmou que com a cláusula de barreira haverá uma negociação mais direta, mais transparente entre o governo e o Congresso. Para ele, os partidos começarão a pensar menos em cargos e vão pensar mais em políticas públicas. - Serão seis ou sete partidos grandes e os pequenos devem girar em torno. O enxugamento desse quadro vai evitar as negociações no varejo. Eu diria que vai haver uma articulação mais transparente, mais correta mais - disse.

Gente de OpiniãoDomingo, 14 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou nesta sexta-feira (25) maioria de votos para determinar que a Câmara dos Deputados faça a redistribuição do

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

O Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (SInagências) conseguiu uma solução direta do governo após intensa articulaç

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Reservas foi instaurada em Rondônia para investigar possíveis irregularidades nos processos de criação

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Na tarde dessa segunda-feira (06), o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (SECOM), Paulo Pimenta, esteve r

Gente de Opinião Domingo, 14 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)