Porto Velho (RO) sábado, 24 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Gaudêncio Torquato: Lula encontrará um país dividido


Luisa Valle -Agência O GloboRIO - Na opinião de Gaudêncio Torquato, cientista político e professor da Universidade de São Paulo (USP), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai encontrar um país divido. Para o professor, seu principal desafio será governar para todos.- Ele está diante de um país profundamente dividido, amargurado, muito até pelo próprio discurso dele. Essa recorrência contra os eleitores tornou a sociedade bastante tensa. Ele não poderá criticar mais as classes A e B - disse.Torquato acredita que Lula vai começar o novo governo ainda com as cobranças da oposição. Apesar disso, para o professor ao longo do governo os conflitos entre os partidos devem diminuir: - Não podemos terminar uma eleição e começar outra. É preciso que ocorra uma integração de esforços para se chegar a um consenso. É possível que já no meio do mandato já exista um entendimento entre oposição e governo.De acordo com Torquato, Lula terá um apoio maior na Câmara, enquanto no Senado ele deve encontrar uma oposição maior, apesar disso, ele não vê grandes dificuldades para o governo. Segundo o professor da USP, a sociedade estará mais atenta nesse segundo mandato do petista, o que vai ajudar na hora de aprovar as reformas que estão pendentes: política, previdenciária e tributária.- A sociedade não agüenta mais esses costumes do toma-lá-dá -cá. É preciso que os políticos cortem na própria carne. Fazendo uma reforma política que pode qualificar os costumes - afirmou.O professor chamou atenção também para um assunto que ocupou grande parte das discussões de propostas para a economia durante a eleição: a contenção de gastos. Lula afirmou que não vai cortar gastos, o que, segundo Torquato, pode afetar a economia e a previdência.- Lula precisará redimensionar os gastos, principalmente no social. Se ele quiser expandir o Bolsa-Família, sem enfrentar a questão previdenciárias não há conta que agüente - disse.Torquato falou ainda sobre a relação do governo com os partidos. Para ele o PMDB, partido mais forte do Congresso, deve apoiar o governo. Além disso, ele afirmou que com a cláusula de barreira haverá uma negociação mais direta, mais transparente entre o governo e o Congresso. Para ele, os partidos começarão a pensar menos em cargos e vão pensar mais em políticas públicas.- Serão seis ou sete partidos grandes e os pequenos devem girar em torno. O enxugamento desse quadro vai evitar as negociações no varejo. Eu diria que vai haver uma articulação mais transparente, mais correta mais - disse.

Mais Sobre Política - Nacional

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç