Porto Velho (RO) quarta-feira, 18 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Fundo Amazônia deve ser criado no início de agosto



Ana Luiza Zenker
Agência Brasil

Brasília - No dia 1º de agosto, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve assinar o decreto de criação do Fundo Amazônia. De acordo com o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, o fundo deve ter um aporte de US$ 900 milhões no primeiro ano, vindo de investidores internacionais e empresas privadas. A criação de um fundo nesses moldes foi anunciada em dezembro do ano passado, quando Marina Silva ainda ocupava o cargo de ministra.

De acordo com Minc, que fez o anúncio sobre a assinatura do decreto hoje (15), já há um grande interesse por parte dos futuros investidores. Ele informou que, além da Noruega, que em setembro deve entrar com o capital de US$ 100 milhões, Alemanha e Suíça também já se mostraram interessadas.

Carlos Minc afirmou que o fundo não será controlado pelo governo, mas por um conselho gestor tripartite, composto pela sociedade civil, governo federal e representantes dos nove governos estaduais que compõem a região da Amazônia. Quem vai abrigar a verba é o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

No mesmo dia será criado o Fundo Clima, que deve destinar R$ 600 milhões para ações voltadas a mitigar a degradação ambiental e seus efeitos. Também vai ser assinado pelo presidente o pacto socioambiental dos bancos, tanto públicos quanto privados, garantindo que eles não vão financiar projetos ambientalmente insustentáveis.

Antes disso, na próxima terça-feira (22), o presidente Lula vai assinar um decreto regulamentando a Lei dos Crimes Ambientais. Com isso, serão reduzidos os prazos para se recorrer de multas aplicadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), de quatro anos para quatro meses. Com o decreto, o Ibama também terá o poder de perdimento, ou seja, terá "o mesmo poder da Receita Federal" de dar destinação ao material apreendido sem depender de autorização judicial.

Ainda segundo o ministro, devem ser assinados os pactos com o setor madeireiro e de produção de gado. Nos dois casos, as cadeias produtivas se comprometem a combater ações ilegais e que agridam o meio ambiente.

"O maior aliado do ministério [na fiscalização] é o sistema produtivo consciente", afirmou Minc.

De acordo com ele, para garantir o funcionamento do acordo com o setor madeireiro, para o ano que vem, a pretensão é dobrar a oferta de madeira certificada. "Não há como combater a madeira ilegal se você não oferecer a certificada", disse.


 

Mais Sobre Política - Nacional

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç