Porto Velho (RO) terça-feira, 10 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

FRONTEIRA: Falta de profissionais estimula ilegalidade


Isabela Vieira
Agência Brasil

Brasília - A falta de fiscais agropecuários torna as fronteiras brasileiras vulneráveis à entrada ilegal de alimentos que podem trazer risco à saúde. O alerta é do presidente da Associação Nacional dos Fiscais Federais Agropecuários, Luiz Fernando Carvalho.

Segundo Carvalho, existem 600 pontos no país por onde entram diversos produtos ilegais. Somente em cem, há profissionais para fiscalizar a entrada de produtos. “As fronteiras estão desguarnecidas”, critica.

De acordo com o vice-presidente da associação, Wilson Roberto de Sá, o problema é mais preocupante nas do Centro-Oeste e do Norte. “Principalmente, com a Bolívia e Paraguai”, destaca. Apesar de o governo brasileiro buscar acordo com esses países, ele diz que produtos de origem animal e vegetal “de toda ordem” saem dessas regiões, de matérias-primas a itens industrializados.

“Tem manteiga que vem do Mercosul, saí também carne, entra bacalhau, grãos, plantas. Uma série de produtos que podem de uma certa forma representar riscos”, destaca Roberto de Sá.

Além da criação de postos fiscais ao longo da fronteira, Roberto de Sá reivindica apoio de órgãos estaduais e da polícia para as atividades de fiscalização. “Muitas vezes lidamos com quadrilhas que fazem contrabando e esses são casos para a polícia resolver”, ressalta.

Segundo Roberto de Sá, seriam necessários pelo menos mil profissionais para reforçar o quadro de 1,3 mil fiscais agropecuários e atender às necessidades da categoria. O Ministério da Agricultura, no entanto, contratou apenas a metade.

Para o vice-presidente da associação, o aumento no salário, hoje em torno de R$ 3,7 mil, seria uma maneira de o governo estimular e manter o profissional da área. “Trabalhamos fora da zona urbana e estamos sempre nos locais mais longínquos. Por isso, tem que ter um salário compatível”, reclama.

Em audiência hoje (7) no Senado, o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, admitiu falhas na fiscalização do leite e reconheceu que os profissionais precisam de melhores condições operacionais, que, segundo ele, "já estão sendo implantadas". Stephanes, no entanto, classificou o trabalho do ministério de eficiente e descartou qualquer risco para a saúde do consumidor.

Mais Sobre Política - Nacional

Jaqueline Cassol cobra votação da MP que garante Revalida

Jaqueline Cassol cobra votação da MP que garante Revalida

A deputada federal Jaqueline Cassol (PP-RO) cobrou do presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) a votação, antes que encerre o prazo, da Medida Provisórias cri

Supremo Tribunal Federal mantém decisão que proíbe gestantes em atividade insalubre

Supremo Tribunal Federal mantém decisão que proíbe gestantes em atividade insalubre

Por unanimidade e em ambiente virtual, o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou recurso da Advocacia-Geral da União (AGU) e manteve a decisão, tomada

Boa notícia: Lula dará ao velho amigo 1ª entrevista fora da prisão

Boa notícia: Lula dará ao velho amigo 1ª entrevista fora da prisão

Neste ano e meio que ele está preso, não tive condições de viajar a Curitiba e fiquei esperando o amigo sair da prisão para poder falar com ele, certo

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p