Porto Velho (RO) segunda-feira, 23 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

FOLHA: Nova verba de gabinete de deputados vai custar R$ 400 milhões



Renata Giraldi
da Folha Online, Brasília

As despesas da Câmara com o pagamento de verba de gabinete vão ser de R$ 400,1 milhões anuais --sem contar os encargos sociais-- a partir deste mês com o reajuste concedido nesta quarta-feira. Por unanimidade, a Mesa Diretora da Casa decidiu elevar de R$ 50,8 mil para R$ 60 mil o valor da verba destinada aos 513 deputados e o pagamento de seus funcionários não-concursados. A iniciativa ganhou elogios no plenário e crítica isolada do PSOL.

"Todas as bancadas apoiaram a decisão da Mesa [Diretora]. Esses servidores vivem de seus vencimentos e têm direito a um reajuste anual. A medida da Mesa é correta", afirmou o líder do PT na Câmara, Maurício Rands (PE), um dos primeiros a se pronunciar depois do anúncio do reajuste feito pelo presidente da Casa, Arlindo Chinaglia (PT-SP).

O vice-líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), não escondeu o entusiasmo pela aprovação do reajuste. "Quero parabenizar a Mesa [Diretora]. É coisa rara ver toda a diretoria da Câmara dando notícia tão boa para os nossos assessores", afirmou o deputado.

O número de funcionários por gabinete parlamentar pode variar de cinco a 25, dependendo da decisão de cada deputado.

A Secretaria de Comunicação da Câmara informou que o aumento envolve cerca de 10 mil funcionários denominados secretários parlamentares que recebem, no mínimo, R$ 601,08 e no máximo, R$ 8.040. Os assessores podem trabalhar em Brasília e também nos Estados dos deputados federais.

Defasagem

Durante a sessão desta quarta-feira, Chinaglia anunciou o aumento da verba de gabinete. Segundo ele, o aumento considerou a reposição da inflação calculada pelo IGP-M (Índice Geral de Preços - Mercado) de 2005 --quando houve o último reajuste-- até março de 2008, 15,13%, mais um ganho real de 2,94%. O aumento valerá a partir deste mês.

O deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) criticou a iniciativa. Na opinião, dele isso contraria a legislação que proíbe reajustes salariais a seis meses das eleições e ainda pode favorecer os parlamentares que são candidatos a prefeito.

"Quando se faz um reajuste há menos de seis meses das eleições, por isso o legislador vedou para os servidores [o aumento neste período], o uso eleitoral pode acontecer. O parlamentar que é candidato, que apóia um candidato a prefeito, tem um pouquinho mais de folga [financeira] às vésperas de começar a campanha [eleitoral]", afirmou Alencar.

 

Mais Sobre Política - Nacional

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç