Porto Velho (RO) quinta-feira, 18 de abril de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Fim do voto secreto não passa no Senado, avaliam governo e oposição


Agência O GloboBRASÍLIA - A proposta que altera a Constituição e põe fim ao voto secreto em todas as votações não será aprovada no Senado. Essa é a previsão de lideranças do governo e da oposição. Para eles, só o voto aberto para os processos disciplinares (cassações de mandatos) tem apoio da maioria dos senadores. A proposta ainda precisa ser aprovada em segundo turno na Câmara, o que só deve ocorrer depois das eleições. Depois, segue para o Senado.- Não vejo condições de aprovar o voto aberto para todas as votações do Congresso - diz a líder do PT, senadora Ideli Salvati (SC).Segundo ela, a tendência da maioria dos 81 senadores é votar favoravelmente ao voto aberto apenas nos casos de cassações de parlamentares, mantendo as votações secretas para eleição das mesas diretoras da Câmara e do Senado, para decisões sobre vetos presidenciais e indicação de autoridades.- Há muita resistência de votações abertas no caso da eleição das mesas e também nas votações especificas do Congresso. Não vejo condições de conseguir 49 votos de senadores para aprovar o fim do voto aberto em todas as matérias - afirma Ideli.- Não há nenhuma hipótese de aprovar o voto aberto para tudo. A chance é zero - garante o líder do PFL, senador José Agripino Maia (RN), que em seguida completou:- Só passa o voto aberto nos processos de cassação de parlamentares. Tenho absoluta certeza que o Senado rejeitará o voto aberto para escolha das Mesas Diretoras das duas Casas, para a indicação de autoridades e também para os vetos presidências.De acordo com o líder do PFL, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 349) que acaba com todas as votações secretas no Parlamento será alterada pelos senadores para restringi-la apenas aos processos disciplinares. A emenda foi aprovada pelos deputados, em primeiro turno, por 383 votos favoráveis e nenhum contrário. Eram necessários no mínimo 308 votos para ser aprovada. A PEC deverá ser votada em segundo turno no inicio de outubro, após as eleições.Para Agripino, o voto de cassação de parlamentares por quebra de decoro é uma forma de prestação de contas à sociedade, por isso devem ser abertos. A eleição das mesas diretoras é mais uma questão da relação governo com parlamento. Já Ideli entende que uma forma de fazer a proposta da Câmara andar é separar os tipos de votações que devem ser abertas e as que devem ser secretas.- É uma forma de dar satisfação à sociedade. A tendência é fatiar (dividir) a proposta da Câmara e aprovar apenas o voto aberto para os processos disciplinares - observou.

Mais Sobre Política - Nacional

Decreto de Jair Bolsonaro extingue centenas de canais de participação social em políticas públicas

Decreto de Jair Bolsonaro extingue centenas de canais de participação social em políticas públicas

No pacote divulgado ontem (11) para marcar os 100 dias de governo, o presidente Jair Bolsonaro assinou o Decreto 9.759, que pretende diminuir de 700 p

Senador Confúcio Moura faz intervenção e ministro da Saúde manterá tratamento de saúde especial aos indígenas

Senador Confúcio Moura faz intervenção e ministro da Saúde manterá tratamento de saúde especial aos indígenas

Diversas lideranças indígenas procuraram os vereadores Joveci do Pacarana (PSDB) e Adão Salvatico (PRB), em Espigão do Oeste, para tentar impedir a ex

Violência Doméstica contra mulher pode implicar em indenização

Violência Doméstica contra mulher pode implicar em indenização

Mulheres vítimas de violência doméstica estão mais perto de conquistar direito à indenização por danos morais. Pelo texto do Projeto de Lei 1380/19, q

O presidente Jair Bolsonaro admite: Pressão derrota Capitalização na Previdência

O presidente Jair Bolsonaro admite: Pressão derrota Capitalização na Previdência

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que o regime de capitalização, um dos pilares da proposta de reforma da Previdência idealizada pelo ministro da Ec