Porto Velho (RO) sexta-feira, 6 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Fátima comemora garantia do piso do magistério



Fátima comemora garantia do piso, mas lamenta adiamento

de decisão do STF sobre tempo de planejamento de aulas

 

 

O Supremo Tribunal Federal (STF) garantiu ontem (17) o pagamento do piso salarial nacional para o magistério a partir de janeiro de 2009, estabelecido em R$ 950 para uma jornada de 40 horas conforme a lei nº 11739, sancionada em julho pelo presidente Lula, mas adiou a análise do mérito sobre o tempo de planejamento de aulas e classificação do piso como vencimento básico.

 

O ministro Joaquim Barbosa, relator da Ação Direta de Inconstitucionalidade patrocinada pelos governadores de São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul e Paraná, através da qual pretendiam suspender a entrada em vigor do piso, votou pelo indeferimento da Adin, seguido pelo ministro Carlos Ayres Brito. Os demais ministros, com exceção de Marco Aurélio Mello, que acatou a integralidade da ação proposta pelos governadores, acataram parcialmente o pedido de liminar. Optaram por suspender artigos que tratam do tempo de planejamento e a definição do piso como vencimento básico, por entenderem que estão sujeitos a especificidades de cada Estado e merecem análise mais apurada.

 

Para a senadora Fátima Cleide, a decisão de se garantir o piso foi acertada, mas ela lamenta o fato dos ministros não seguirem na integralidade o voto do relator e do ministro Carlos Ayres Brito, que "entenderam ser fundamental para a qualidade da educação a fixação de um terço da jornada de 40 horas semanais para atividades de planejamento".    

 

"Eu considero que o STF não levou em conta a vontade do povo brasileiro, expressa pelo Congresso Nacional, que discutiu muito a matéria, inclusive com o colegiado de secretários da Educação de Estados e municípios.  Essa é a autonomia que os ministros deveriam observar", disse a senadora Fátima.

 

O ministro Joaquim Barbosa, a respeito da classificação do piso como vencimento básico, argumentou que a lei permitirá que até 31 de dezembro de 2009 o piso incorpore vantagens pecuniárias, com as demais previsões da lei sendo progressivamente implementadas, recebendo apoio de Carlos Ayres Britto, que declarou ser "primeiríssima e urgente a prioridade para a educação no Brasil".

 

Suspensos os artigos que tratam do tempo de atividade extra-classe e classificação do piso como vencimento básico, não há previsão do julgamento definitivo dos temas por parte do STF.

Fonte: Mara Paraguassu

Mais Sobre Política - Nacional

Jaqueline Cassol cobra votação da MP que garante Revalida

Jaqueline Cassol cobra votação da MP que garante Revalida

A deputada federal Jaqueline Cassol (PP-RO) cobrou do presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) a votação, antes que encerre o prazo, da Medida Provisórias cri

Supremo Tribunal Federal mantém decisão que proíbe gestantes em atividade insalubre

Supremo Tribunal Federal mantém decisão que proíbe gestantes em atividade insalubre

Por unanimidade e em ambiente virtual, o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou recurso da Advocacia-Geral da União (AGU) e manteve a decisão, tomada

Boa notícia: Lula dará ao velho amigo 1ª entrevista fora da prisão

Boa notícia: Lula dará ao velho amigo 1ª entrevista fora da prisão

Neste ano e meio que ele está preso, não tive condições de viajar a Curitiba e fiquei esperando o amigo sair da prisão para poder falar com ele, certo

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p