Porto Velho (RO) domingo, 15 de dezembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Ex-secretário Nacional de Segurança classifica operação da Polícia Civil de 'marketing'


Agência O GloboSÃO PAULO - O ex-secretário Nacional de Segurança Pública, coronel José Vicente da Silva Filho, disse que a megaoperação realizada pela Polícia Civil nesta sexta-feira em quase todo o país se assemelha mais à uma peça de marketing do que a uma ação que dê resultados no longo prazo (veja imagens da operação). Para ele, que é consultor em segurança, o impacto sobre a criminalidade é limitado. Numa ação conjunta inédita, iniciada na segunda-feira e divulgada na sexta, policiais civis prenderam mais de duas mil pessoas em 11 estados e no Distrito Federal (Conheça os números).- Você tem um resultado naquele dia, mas esse tipo de ação contraria a lógica de trabalho da polícia. Há muitas realidades diferentes no país. O Rio Grande do Sul e o Paraná têm fronteiras problemáticas, São Paulo e Rio de Janeiro têm outro tipo de problema. Cada estado merece um tipo de ação diferente, em momentos diferentes - afirma o coronel.O delegado geral da Polícia Civil de São Paulo, Mario Jordão Leme, que coordenou a operação, disse que o objetivo em todo o país era agir contra quadrilhas, mas o presidente da Federação dos Policiais Civis do Centro-Oeste e Norte, Divinato Ferreira, também criticou duramente a ação coordenada. Segundo Ferreira, a megaoperação foi uma tentativa de aumentar o poder da categoria frente ao Ministério da Justiça.Ainda na sexta-feira, o delegado Celso Ferro, diretor do Departamento de Atividades Especiais da Polícia Civil, em Brasília (DF), disse que o objetivo da Polícia Civil era chamar a atenção das autoridades sobre a atuação da Polícia Civil. Mas Mario Jordão - que, além de coordenador da operação, há 45 dias é também o presidente do Conselho Nacional dos Chefes de Polícia - negou que a iniciativa fosse um protesto.Paciência, articulação e inteligênciaPara o coronel José Vicente, o trabalho policial em todo o mundo, depende de paciência. José Vicente diz que o que deve chamar a atenção da população e da imprensa é o trabalho resultante do uso da inteligência e da articulação das polícia.- E isso só acontece um ano ou mais depois de iniciado esse tipo de trabalho articulado - diz o especialista, acrescentando que a população não conhece o trabalho da Polícia Civil. José Vicente alega que o esforço de contenção da violência e dos crimes deve ser combinado entre as polícias civil e militar, que no Brasil são organizações separadas, diferentemente do que ocorre na maior parte dos países.- Essa megaoperação da Polícia Civil foi organizada por uma entidade - o Conselho dos Chefes de Polícia Civil - que não tem nada a ver com a estrutura oficial da Segurança Pública do país. Não há o menor sentido ter uma espécie de ONG organizando uma operação desse tipo - diz José Vicente.Segundo o ex-secretário, a função do Conselho dos Chefes de polícia Civil é pensar em alternativas para aperfeiçoar a legislação de Segurança Pública do país.- Deflagrar uma operação dessa é responsabilidade dos secretários de segurança de cada estado - diz.Para José Vicente, um dia depois, a população se pergunta: vamos depender de uma megaoperação anual para combater a criminalidade ou este trabalho acontece no dia-a-dia?

Mais Sobre Política - Nacional

Jaqueline Cassol cobra votação da MP que garante Revalida

Jaqueline Cassol cobra votação da MP que garante Revalida

A deputada federal Jaqueline Cassol (PP-RO) cobrou do presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) a votação, antes que encerre o prazo, da Medida Provisórias cri

Supremo Tribunal Federal mantém decisão que proíbe gestantes em atividade insalubre

Supremo Tribunal Federal mantém decisão que proíbe gestantes em atividade insalubre

Por unanimidade e em ambiente virtual, o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou recurso da Advocacia-Geral da União (AGU) e manteve a decisão, tomada

Boa notícia: Lula dará ao velho amigo 1ª entrevista fora da prisão

Boa notícia: Lula dará ao velho amigo 1ª entrevista fora da prisão

Neste ano e meio que ele está preso, não tive condições de viajar a Curitiba e fiquei esperando o amigo sair da prisão para poder falar com ele, certo

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p