Porto Velho (RO) segunda-feira, 21 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Especialistas divergem sobre domínio da Petrobras na distribuição


Juliana Rangel - Agência O Globo Ana Cecília Santos - O Globo RIO - O impacto da concentração de mercado que resultará da compra da Ipiranga pela Petrobras divide analistas. O economista Adriano Pires, consultor do Centro Brasileiro de Infra-Estrutura (CBIE), acredita que como a Petrobras elevará a participação no mercado de distribuição de combustíveis dos atuais 32% para 50%, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) deverá obrigar a empresa a vender uma parcela do negócio:- Conforme a divisão, a BR vai ficar com 50% do mercado, e, no Sul, onde a Ipiranga é forte, a concentração pode ser de 70%. A união deverá ser olhada com muito cuidado pelo Cade.Já para Jean-Paul Prates, sócio da consultoria Expetro, a grande concentração de mercado não deverá despertar problemas no Cade. Segundo ele, com a compra da Ipiranga, a Petrobras vai ganhar hegemonia na distribuição, única área em que não é líder.- Ela ficará disparada na frente das outras, mas não acho que as demais marcas queiram reagir a isso. Elas não têm evoluído quase nada no Brasil e já deram vários sinais de desmobilização - avalia.Prates lembra que a Shell já foi alvo de vários rumores de que poderia deixar a atividade de distribuição no país e focar apenas em exploração e produção, o que a empresa nega:- Já a Esso faz apenas uma manutenção básica de sua presença no Brasil, mas também não demonstra interesse em se expandir, assim como a Chevron Texaco.A Repsol tem poucos postos no país, enquanto a Agip vendeu, em 2004, os ativos de distribuição para a Petrobras por US$ 450 milhões.- O mercado, por um lapso do governo, vem enfrentando sérias dificuldades no setor de distribuição, sofrendo com a indústria de liminares e com a adulteração. Não há quem mostre entusiasmo em crescer no Brasil, à exceção da Ale e da Sat, que fundiram seus negócios no ano passado. Existem hoje mais de 200 distribuidoras cadastradas na ANP, mas cerca de seis atuam com mais força no Brasil - diz Prates.Pires admite que o ramo de distribuição está pouco atraente, com margens muito baixas, mas critica a concentração de mercado:- É uma pena uma empresa do porte da Ipiranga ser vendida à Petrobras. Se o comprador fosse a Repsol, aumentaria bem mais a concorrência, porque a empresa passaria a deter cerca de 22% do mercado.Segundo o economista do CBIE, há dois anos a hispano-argentina Repsol tentou adquirir a Ipiranga, mas não fechou um acordo com os controladores, especialmente, porque a divisão petroquímica não interessava à empresa:- O que a Repsol queria era comprar a distribuidora e ser forte no Sul, próximo à fronteira com a Argentina.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que