Porto Velho (RO) terça-feira, 13 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Em campanha, Palocci invade redutos de outros petistas


Gerson Camarotti - Agência O GloboBRASÍLIA - Com a determinação de voltar a Brasília consagrado pelas urnas, como um dos deputados mais votados, o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci tem atropelado companheiros petistas na busca de votos em São Paulo. Com a imagem desgastada na região de Ribeirão Preto, sua base eleitoral, Palocci resolveu conquistar eleitores em todo o estado, invadindo, assim, redutos eleitorais de outros candidatos do PT, que se queixam desta atitude e também do suposto poderio econômico da campanha do ex-ministro.Segundo relato de cinco deputados petistas ao GLOBO, Palocci é o candidato da legenda com mais recursos para fazer campanha. Ele já foi foi apelidado de "candidato boeing" contra os chamados de "teco-teco", seus companheiros com campanhas mais modestas.Palocci fechou uma parceria com a ex-prefeita de São Paulo Marta Suplicy e ganhou alguns redutos na capital. Mas, segundo petistas, Palocci também entrou firme em cidades importantes do interior como Franca e Campinas, com um forte esquema e tirando o apoio de deputados estaduais e cabos eleitorais que já apoiavam outros petistas.- Palocci tem criado dificuldade para a vida de todos nós, pobres mortais, porque ele entra com uma forte estrutura. Na minha campanha, falta emoção. Até porque não tenho dinheiro - afirma o deputado Luciano Zica (PT-SP), que tem sua base eleitoral em Campinas.Zica é um dos poucos petistas que se sentem prejudicados que critica abertamente a agressividade do ex-ministro na busca por um mandato:- Não tenho dinheiro, mas pelo menos não preciso viver com a emoção de esperar o noticiário do dia seguinte, como acontece com alguns candidatos.São vários os deputados petistas, candidatos à reeleição, que reclamam nos bastidores da ação de Palocci. As queixas já chegaram ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que preferiu não se envolver no que se transformou no principal problema da campanha do PT em São Paulo.- A campanha do Palocci é violentíssima. Ele está comprando a base de todos nós. Todos estão se queixando. Ele pega exclusividade com os candidatos estaduais. O esquema dele é muito forte e nunca houve esse tipo de comportamento no PT - relata um deputado petista, que preferiu o anonimato.Procurado pelo GLOBO, a assessoria de imprensa de Palocci informou que ele estava em campanha no interior de São Paulo e que não seria possível localizá-lo.Palocci deixou o cargo de homem mais poderoso do governo Lula no dia 27 de março, depois que o caseiro Francenildo Santos Costa teve o seu sigilo bancário quebrado por dirigentes da Caixa Econômica Federal. A Polícia Federal responsabilizou o então ministro pelo episódio. Francenildo, em entrevistas e em depoimento na CPI dos Bingos, contradisse a versão de Palocci de que não freqüentava a casa alugada por seus ex-assessores de Ribeirão, no Lago Sul.A expectativa dos próprios petistas é de que, pelo rumo da campanha, Palocci terá pelo menos 300 mil votos para deputado federal. Mas, ao mesmo tempo em que tem sido agressivo na busca de novas bases eleitorais, Palocci tem feito uma campanha discreta para fora, para a mídia. Com problema de imagem, ele não aparece nas campanhas de Lula nem na de Aloizio Mercadante ao governo de São Paulo.

Mais Sobre Política - Nacional

JUÍZA SUBSTITUTA DE MORO NEGA PEDIDO DE LULA PARA SER INTERROGADO DE NOVO

JUÍZA SUBSTITUTA DE MORO NEGA PEDIDO DE LULA PARA SER INTERROGADO DE NOVO

A juíza federal substituta Gabriela Hardt negou, nesta terça-feira (13), o pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que ele

Bolsonaro anuncia o general Fernando Azevedo e Silva para a Defesa

Bolsonaro anuncia o general Fernando Azevedo e Silva para a Defesa

A pasta seria ocupada inicialmente pelo general Augusto Heleno

Projeto de Mariana Carvalho isenta motorista de novos exames dentro da validade da CNH

Projeto de Mariana Carvalho isenta motorista de novos exames dentro da validade da CNH

O exame tem validade de cinco anos para condutores com menos de 65 anos.

Haddad, Ciro, Boulos e os rumos dos progressistas

Haddad, Ciro, Boulos e os rumos dos progressistas

Haddad, Ciro e Boulos precisam decidir se querem dar um passo em frente ou dois passos atrás.