Porto Velho (RO) quarta-feira, 21 de agosto de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

É grave o decreto que retira poderes da Petrobras na Bolívia


Luiza Damé - Agência O GloboBRASÍLIA - A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse nesta quinta-feira que o governo considera grave o decreto do governo boliviano que retira poderes da Petrobras. Segundo a ministra, o presidente Luiz Inácio Lula daSilva determinou ao ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau, e ao assessor especial da Presidência para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia, que falem com o governo boliviano para avaliar a extensão do decreto.- O governo está olhando com muito cuidado essa questão e está preocupado. O presidente solicitou ao ministro que entrasse em contato com o governo boliviano para avaliar algo que achamos que é grave, que é essa resolução do Ministério de Hidrocarburos da Bolívia. Esse processo está em andamento - disse a ministra.Dilma afirmou que a viagem de Rondeau e do presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, marcada para a noite desta quarta-feira, foi cancelada. Segundo a ministra, o governo considera que o decreto não está de acordo com as negociações que vinham sendo feitas entre os governos brasileiro e boliviano desde que o presidente Evo Morales nacionalizou o petróleo, no dia 1º de maio.- O governo considera que não está dentro do que acertamos com o governo boliviano quando o vice-presidente Linera (Álvaro García Linera) esteve no Brasil e que não era o que esperávamos. As tratativas estão sendo feitas nesta tarde e, possivelmente no final da tarde, o governo vai se posicionar - disse Dilma.A ministra não descartou a possibilidade de Lula falar com Morales. A ministra disse que não faria avaliação subjetiva do ato, ao responder se o governo brasileiro estava decepcionado com a decisão boliviana.- Achamos que o decreto, não digo quebra de confiança, mas ele não está adequado às tratativas que vinham sendo feitas. O governo vai avaliar e na oportunidade vai tomar posição. Também não é relação de supresa. Não se coaduna com a posição anterior. Não é relação de surpresa, é relação de não ter coerência com posições assumidas ou não - disse.

Mais Sobre Política - Nacional

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç

A solução no Brasil passa por amenizar o atual estágio de “é de direita sou contra” x “se for de esquerda estou contra”

A solução no Brasil passa por amenizar o atual estágio de “é de direita sou contra” x “se for de esquerda estou contra”

A sociedade brasileira vive um processo de antagonismo e radicalização política sem precedentes na história. O radicalismo é tão intenso que beira ao

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: "Proposta do relator sobre aposentadoria dos professores ainda não é justa", diz Jaqueline Cassol

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: "Proposta do relator sobre aposentadoria dos professores ainda não é justa", diz Jaqueline Cassol

A deputada federal Jaqueline Cassol (PP-RO) criticou a proposta do relator da Reforma da Previdência, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), no que diz