Porto Velho (RO) quarta-feira, 15 de agosto de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Dilma Rousseff fala sobre o PAC para petistas


Agência O GloboSÃO PAULO - A ministra chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, abriu a reunião do Diretório Nacional do PT, neste sábado, em Salvador, com uma exposição aos petistas sobre as estratégias do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A imprensa não pôde acompanhar a palestra da ministra aos petistas, pois a reunião do Diretório Nacional está fechada para os jornalistas, mas o PT divulgou, o teor da palestra de Dilma no site do PT na Internet.Segundo o site do PT, Dilma disse na reunião que o PAC veio para "romper barreiras e superar limites", destacando o peso do Estado nos projetos previstos. "O PAC é investimento púbico na veia de todo a economia do país". Ela lembrou que, dos R$ 503 bilhões de investimentos previstos para os próximos 4 anos - basicamente em obras de infra-estrutura -, R$ 383 bi vêm do Estado, incluídos nessa conta dinheiro do Orçamento Geral da União, dos bancos públicos, dos fundos e das estatais.Dilma observou, porém, que o setor púbico não será o único ator. "O investidor privado tem um papel essencial". Segundo ela, o programa vai além do simples destravamento da economia, já que, da maneira como foi proposto, levará à ampliação da distribuição de renda, à redução dos desequilíbrios regionais, ao aumento do emprego e à melhoria da qualidade de vida da população.A ministra explicou que o PAC se divide em 5 grandes blocos: infra-estrutura, crédito, ambiente de investimento, sistema tributário e medidas fiscais de longo prazo. O conjunto de medidas, de acordo com ela, resgata o planejamento estratégico como condição para o crescimento sustentado. "Cabe à União planejar e propor políticas de diretrizes", afirmou, durante a exposição das dezenas de obras de infra-estrutura que devem estar concluídas até 2010. "Infra-estrutura é custo-país. Quanto melhor ela for, mais baixo será este custo", disse.No aspecto logístico, as obras dizem respeito a rodovias, ferrovias, hidrovias, portos e aeroportos. O plano de investimentos abrange 45 mil quilômetros de rodovias e 2,5 mil de ferrovias. "O governo construirá mais quilômetros de ferrovias do que nos últimos 25 anos", destacou. Outro ponto importante diz respeito à interligação dos sistemas de transporte. "A integração por meio de modais é a base do programa". No Nordeste, por exemplo, estes modais irão conectar à ferrovia Transnordestina às obras do rio São Francisco e à rodovia BR-101. "Como os senhores podem perceber, isso não é uma lista de obras. É um projeto de desenvolvimento", concluiu. Para a infra-estrutura energética, o PAC prevê novas hidrelétricas e termoelétricas - muitas já em construção -, além de usinas para outras matrizes de energia, entre elas o biodiesel, o etanol e o H-Bio. Dilma destacou que, neste como em outros pontos do PAC, a preocupação do governo foi a de distribuir os investimentos de acordo com as necessidades regionais, a fim de reduzir desequilíbrios entre as cinco regiões do país. O conjunto de obras vai acrescentar, até 2010, 12 mil megawats ao sistema nacional - com investimentos maiores nas regiões Norte e Centro-Oeste. Além disso, as usinas serão interligadas por 5 mil quilômetros de linhas de transmissão, o que permitirá a transferência entre as regiões no caso de queda de alguma das redes locais.A ministra lembrou que, quando o presidente Lula assumiu em 2003, havia poucos estudos para novas usinas no Brasil, o que equivalente a apenas 3 mil megawats. Hoje, disse ela, existem estudos para 25 mil megawats e em 2010 haverá para mais 30 mil. "Planejar é pensar não apenas no seu governo, mas também no futuro do seu país. O presidente Lula cuidou de legar para o país uma prateleira de obras para o próximo governante escolher as melhores", afirmou. Já as obras de saneamento devem chegar, segundo o que determina o PAC, a 22,5 milhões de famílias. "É algo crucial, porque também implica mudanças na qualidade de vida", disse a ministra. No plano da habitação, estão previstas moradias de interesse social para 4 milhões de famílias. Esse grupo - composto por aqueles que recebem 5 salários mínimo e que representa 93% do déficit habitacional brasileiro - receberá investimentos da ordem de R$ 56 bilhões.A prioridade destes recursos será para as regiões metropolitanas do Nordeste e do Sudeste, que abrigam dois terços da população com problemas de moradia. Para as obras hídricas, o foco principal ficará no semi-árido nordestino. Entre as obras elencadas, está a interligação das bacias do Rio São Francisco e do Nordeste Setentrional. No total, devem ser beneficiadas 24 milhões de pessoas. Por fim, Dilma falou do investimentos nos metrôs de cinco capitais - Fortaleza, Recife, Salvador, BH e SP -, que atender mais 69 milhões de passageiros/dia. "Esse é um projeto absolutamente consistente. Nós acreditamos que permitirá ao país sair deste patamar de crescimento baixo para outro, de crescimento acelerado e sustentado", encerrou.

Mais Sobre Política - Nacional

Sonegação de R$ 26 bi do Itaú vai a julgamento. É a maior da história

Sonegação de R$ 26 bi do Itaú vai a julgamento. É a maior da história

Está revogada a decisão do Carf que havia livrado o banco de pagamento de multa de R$ 26 bilhões por sonegação de impostos; é a maior da história...

Bancários se manifestam em Brasília em defesa de bancos públicos

Bancários se manifestam em Brasília em defesa de bancos públicos

Bancários protestam contra as resoluções da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da Uni

Trabalhadores de todas as idades já podem sacar cotas do Pis/Pasep

Trabalhadores de todas as idades já podem sacar cotas do Pis/Pasep

Trabalhadores de todas as idades que tiverem direito a cotas dos fundos dos programas de Integração Social (PIS) e de Formação do Patrimônio do Servid

Herança de Temer continua em 'construção': 79,5 mil moradias populares são canceladas

Herança de Temer continua em 'construção': 79,5 mil moradias populares são canceladas

Em reunião ocorrida no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), em Brasília (DF), lideranças dos movimentos populares foram informadas q