Porto Velho (RO) domingo, 15 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Despolitizar as elétricas



Suely Caldas*

"Não posso fazer caridade com o dinheiro da Eletrobrás. Não vamos assumir nem um tostão da dívida da CEA e o governo do Amapá terá de pagar a Eletronorte." É o que promete fazer o presidente da Eletrobrás, José Antonio Muniz Lopes, quando a estatal assumir a gestão da distribuidora da energia do Amapá (CEA), já anunciada pelo ministro Edison Lobão. Será a oitava empresa estadual colocada no colo da Eletrobrás, porque o governo Lula se nega a privatizá-las - única alternativa capaz de cortar o mal pela raiz e acabar de vez com os motivos que levam essas empresas à falência: a nociva interferência do poder político local, em que governadores, prefeitos, senadores e deputados usam a energia elétrica como barganha política convertida em dinheiro para financiar campanhas eleitorais.

Elas distribuem energia em Alagoas, Piauí, Amazonas, Boavista, Rondônia, Acre e Amapá. Seus números - milionários e vermelhos - denunciam a manipulação da elite política desses Estados: em 2007 elas somaram prejuízos de R$ 1,176 bilhão; a inadimplência de consumidores, que, apesar de não pagarem, são protegidos pelos políticos e não têm luz elétrica cortada, chegou a R$ 1,108 bilhão em março deste ano; e as perdas de energia por fracasso de gestão ou fraude (o conhecido gato) atingem 40,59% do total fornecido, no caso do interior do Amazonas. Esse desempenho contrasta com o das distribuidoras privadas, que comemoraram em 2007 o melhor ano de todos os tempos - 17 delas somaram lucros de R$ 11,9 bilhões.

A CEA, do Amapá, está excluída dos números acima, porque nem a Eletrobrás nem a agência reguladora, a Aneel, têm acesso a eles. E por quê? Pasme, caro leitor! A CEA não mantém contrato de concessão com a Aneel, não é regulada nem fiscalizada por ninguém, há anos vive em situação completamente ilegal. "Ilegal e esdrúxula", como define o diretor-geral da Aneel, Jerson Kelman. A única cifra conhecida é da dívida com a Eletronorte, que lhe fornece energia e que chegou a R$ 436 milhões em dezembro de 2007.

A CEA quase não fatura porque no Amapá a exceção é pagar luz. Promessa de campanha que o reelegeu, desde março de 2003 o governador Antonio Valdez Góes da Silva (PDT) isentou de pagamento famílias que consomem até 140 kWh de energia, o que abrange a maioria da população (no resto do País é dado desconto até 100 kWh). A isenção seria coberta com dinheiro do caixa do Estado, mas o governador Góes da Silva não paga a Eletronorte, que fornece a energia, e a CEA não é punida com corte no suprimento, como deveria. Agora compare, leitor: se você atrasa o pagamento de sua conta de luz por um mês, sua casa ficará às escuras porque o fornecimento é cortado. Mas isso não ocorre com as estatais. E por quê? Simplesmente porque sempre há um governador ou senador poderoso (no Amapá é José Sarney) que vai a Brasília, se entende politicamente com quem manda e garante a continuidade do suprimento. Esse é o script de todas as distribuidoras estaduais. Por isso elas estão falidas, acumulam dívidas, perdas e inadimplência. Por isso a única solução é tirá-las do domínio dos políticos, é privatizá-las.

O presidente José Antonio Muniz Lopes não gosta que a Eletrobrás pague pelos prejuízos milionários dessas distribuidoras. "Como justificar para os acionistas?", argumenta. E para a CEA, do Amapá, ele impõe condições para receber: "A dívida terá de vir equacionada." Sem alternativa da venda ao capital privado, a solução que negociou com o ministro Edison Lobão foi a de nomear uma única diretoria para as sete empresas, com sede no Rio de Janeiro, longe do assédio de governadores e com metas de redução das dívidas, perdas e inadimplências. "Não foi nada fácil extinguir sete diretorias e trocar por uma única. É a primeira vez que vejo isso no Brasil", diz Muniz Lopes, referindo-se à pretensa coragem política do governo federal de demitir diretores indicados e a serviço dos governadores.

Engana-se o presidente da Eletrobrás. Não foi a primeira vez. O governo anterior não só demitiu diretores, conselheiros e estruturas inteiras a serviço desses políticos, como acabou com a interferência nociva ao privatizar as empresas. Em quase 20 Estados eles deixaram de barganhar luz por favores a prefeitos e doadores de campanha. A sangria de dívidas, perdas e inadimplência foi estancada, as empresas viraram lucrativas e saudáveis e o consumidor tem garantia de suprimento.

*Suely Caldas, jornalista, é professora de Comunicação da PUC-RJ
Fonte: Jornal o Estadão de São Paulo

Mais Sobre Política - Nacional

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç