Porto Velho (RO) sábado, 21 de julho de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Criança: um desafio à publicidade


Engel Paschoal* (Agência O Globo)Quando fui redator de propaganda, um dos comerciais para crianças que mais fizeram sucesso na década de 70 foi criado por Ciro Pelicano, na então Salles/Interamericana de Publicidade, para a Danone. Mostrava um garoto no recreio da escola dizendo para colega prestes a comer um potinho de Danone: "Quer ver o seu Danone cantando como galo?" Ele pegava o Danone do outro, comia, furava o potinho, amarrava um barbante e lhe dava um puxão, fazendo barulho imitando o galo. Entregava para o colega e já ia atrás de outro para comer o Danone dele.O Brasil tem 30 milhões de crianças de até nove anos de idade (Censo IBGE de 2000). O mercado para o público infantil movimenta, hoje, cerca de R$ 50 bilhões por ano no Brasil, segundo o Ibope. Só no setor de guloseimas, em 2004 foram investidos R$ 117,353 milhões em publicidade, contra R$ 68,957 milhões em 2003 (Monitor Plus, produto do Ibope Mídia)."O setor publicitário brasileiro parece estar seguindo o mesmo caminho dos EUA. De acordo com estudo apresentado pelo advogado Felix Hofer, em seminário da Global Advertising Lawyers Alliance, em Nova York, os gastos de crianças de quatro a 12 anos naquele país aumentaram de US$ 6,9 bilhões em 1989 para US$ 30 bilhões em 2002, mas a sua influência no consumo total das famílias chegou a 310 bilhões" (Akatu, ONG que prega o consumo consciente, 1º de abril de 2006).Em meados de 2006, foi noticiado que o Conselho Nacional de Auto-Regulamentação Publicitária (Conar) havia apresentado aos presidentes da Câmara, Aldo Rebelo, e do Senado, Renan Calheiros, as novas normas da publicidade para crianças e adolescentes a vigorarem a partir de 1º de setembro.Entre as prioridades, constavam evitar o apelo excessivo ao consumo de alimentos; restringir a participação de crianças e adolescentes como modelos para recomendação ou sugestão de uso; e não passar a idéia de que o consumo proporciona superioridade ou inferioridade.Havia ainda o alerta para as peças publicitárias não associarem crianças e adolescentes a situações ilegais, perigosas ou socialmente condenáveis; evitar distorções psicológicas nos modelos publicitários e no público-alvo e atentar para as características psicológicas da criança e seu discernimento limitado.Ainda segundo o texto citado do Akatu, as crianças brasileiras são campeãs mundiais em horas gastas em frente à televisão: "Em 2005, foram, em média, 4h51min19s por dia por crianças de quatro a 11 anos (Ibope). A televisão, portanto, é o meio fácil para se atingir o público infantil. Freqüentemente, os pais não têm condições de monitorar seus filhos durante todo o tempo em que eles ficam expostos à programação televisiva. (...) Portanto, tudo o que elas assistirem vai ser assimilado sem que haja alguém para orientá-las. A conseqüência para as crianças do excesso de publicidade, principalmente na TV, pode estar se refletindo não só no seu comportamento e visão de mundo, mas também nos seus hábitos alimentares. O número de crianças de até cinco anos obesas no Brasil chega a um milhão, de um total de 16 milhões de crianças nessa faixa etária. Isso é gerado pela troca de hábitos alimentares saudáveis por alimentos e bebidas que engordam. Essa mudança de comportamento não é adotada somente por crianças, mas também pelos adultos. Segundo dados do Ministério da Saúde, o consumo de refrigerantes no Brasil aumentou de sete litros por pessoa/ano, em 1975, para 28 litros em 2005 - um aumento de 400%".Agora em 2006 foi lançado aqui o livro "Crianças do Consumo - A Infância Roubada" (Instituto Alana), de Susan Linn. A autora é professora de psiquiatria na Escola Médica de Harvard, EUA, diretora associada do Centro de Mídia Infantil Judge Baker, em Boston, e co-fundadora da Coalizão pelo Fim da Exploração Comercial Infantil.Eis algumas afirmações dela: o uso do sexo e violência em mensagens infantis não é porque pais e professores acham que este conteúdo é bom para elas, mas porque sexo e violência prendem a atenção "de modo extremamente lucrativo"; "uma das mais poderosas técnicas que os profissionais de marketing da mídia empregam para prender as crianças é a exploração de suas aspirações"; "as crianças passam mais tempo envolvidas com a mídia do que com qualquer outra atividade exceto dormir".Como diz o texto do Akatu, estamos seguindo o caminho dos publicitários americanos. Na verdade, sempre seguimos. Quando eu trabalhava em propaganda comprávamos - como hoje - anuários de propaganda do mundo inteiro, em especial dos EUA, para acompanhar o que se fazia lá fora.A publicidade é importante inclusive porque, entre outras coisas, é ela que nos permite ter acesso a muita informação a custo zero ou a preço mais acessível. Mas é fundamental não fazermos das crianças apenas uma arma de venda. Esse é o desafio.(*)Engel Paschoal (engelp@terra.com.br) é jornalista, especialista em assuntos relacionados ao chamado Terceiro Setor, e realiza cursos e palestras sobre Responsabilidade Social. Este artigo somente poderá ser reproduzido ou publicado com autorização prévia do autor.

Mais Sobre Política - Nacional

MST protesta em frente ao STF contra privilégios do Judiciário

MST protesta em frente ao STF contra privilégios do Judiciário

Ação foi feita pelo Grupo de Agitação e Propaganda do movimento e também denunciou prisão política de Lula

CNJ intima Favreto, Gebran e Moro sobre HC de Lula

CNJ intima Favreto, Gebran e Moro sobre HC de Lula

O ministro corregedor do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), João Otávio de Noronha, intimou os desembargadores Rogério Favreto e João Pedro Gebran Ne

Vice-presidente do STJ nega liberdade a Lula

Vice-presidente do STJ nega liberdade a Lula

Ministro Humberto Martins negou nesta quarta-feira 18 um habeas corpus impetrado por um cidadão em favor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva; e

Secretários Executivos dos regionais da CNBB se encontram em Porto Velho(RO)

Secretários Executivos dos regionais da CNBB se encontram em Porto Velho(RO)

Secretários Executivos dos 18 regionais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) participam em Porto Velho (RO) do encontro que reúne os ar