Porto Velho (RO) segunda-feira, 23 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Começou o asfaltamento da Transamazônica


O ministro dos Transportes Alfredo Nascimento e a governadora Ana Júlia Carepa visitam, nesta segunda-feira (05), a obra de construção e pavimentação da Transamazônica (BR-230), no trecho de 84,4 quilômetros entre os municípios de Altamira e Medicilândia.  A partir das 9h, as autoridades estarão no canteiro da empresa Andrade Gutierrez para acompanhar o início do asfaltamento da pista, uma demanda antiga da população da região por onde passa a rodovia.  A obra conta com R$ 90 milhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e do Programa Piloto de Investimentos (PPI).  O trecho ficará pronto no final de 2008.

A qualidade da obra segue um padrão nacional, com pista asfaltada, drenagem, acostamento, sinalização vertical e horizontal e alto padrão de segurança.  Essa é uma exigência do Ministério dos Transportes que será conferida.  A espessura do asfalto é de 5 cm no meio da pista e 3 cm no acostamento.  No percurso, quatro pontes de concreto serão construídas, substituindo velhas pontes de madeira que já não apresentam condições de tráfego.  Para o evento, foram mobilizadas as prefeituras, câmaras municipais, sindicatos e associações de Altamira, Medicilândia, Brasil Novo, Anapu, Senador José Porfírio, Placas, Uruará, Porto de Moz e Vitória do Xingu.

Realidade

Para quem vive na região – oeste do Pará ou Xingu – ver um canteiro de obras com máquinas pesadas e usinas de asfalto é um sinal de que o asfaltamento da Transamazônica, depois de 30 anos de espera, sairá do papel.  Foi um amigo que convenceu Humberto Souza, de 62 anos, a trocar Belém por Altamira.  O primeiro lote “conquistado” foi na estrada de Vitória do Xingu, de onde caminhava 20 quilômetros para chegar em casa.  “Na maioria das vezes fazia o caminho em cima de animal, mas agora não tem mais isso.  A gente acha que vai melhorar mais.  É o que espero.  Minha roça fica a 60 quilômetros de Belo Monte, mais 9 quilômetros para dentro do travessão e quero alcançar mais rápido a sede”, explica.

Casado, pai de 14 filhos - dois ainda dividindo o mesmo teto -, "seu" Humberto trabalha na Feira do Produtor, em Altamira.  Na sua banca, vende verduras e legumes da horta do seu lote, onde mantém ainda a plantação de cacau com oito mil pés e 80 cabeças de gado.  No município, são comuns agricultores rurais que possuem uma produção diversificada, semelhante à do feirante.  “Na safra, em julho e agosto, consigo vender três toneladas de cacau.  Já o gado é fraco, o preço está em baixa e dá muita despesa.  Também tenho lavoura branca, mas é para consumo da família, de mandioca, arroz, feijão e milho”, disse.

O projeto de colonização da Transamazônica, do qual Humberto acabou participando, mesmo sem ter clareza, é o alvo da Fundação “Viver, Produzir e Preservar”.  Desde 2001, a fundação tenta resgatá-lo com uma proposta diferente de modelo de desenvolvimento.  O asfaltamento da rodovia era uma das bandeiras da organização, que teve seu embrião no Movimento pela Sobrevivência da Transamazônica.

Paralelo à infra-estrutura de transportes, houve conquistas nas áreas de saúde e educação.  “Em 1991, o movimento fez uma caravana com 300 lideranças à Brasília, quando conseguimos os primeiros recursos para recuperações pontuais da rodovia”, lembra Ana Paula Souza, coordenadora da Fundação.

Na educação, a organização é responsável pelo projeto da Casa Familiar Rural, um espaço para formação de jovens para consolidação da agricultura familiar em outros moldes.  Cento e cinqüenta meninos e meninas já concluíram os estudos, baseados na transversalidade dos temas, em que a teoria na sala de aula é aplicada nos lotes.  “As casas são construídas com recursos do BNDES, o governo do Estado paga os profissionais e as prefeituras custeiam as despesas de manutenção”, conta.  Paula acredita que com a formação os jovens gerenciarão melhor as suas propriedades para garantir a produção a ser escoada pela Transamazônica.  Ela é mineira, e foi de carro para Altamira em 1978, numa viagem que durou uma semana.

Planejamento

Segundo o deputado federal Zé Geraldo, para 2008, o governo federal prevê ainda o asfaltamento dos trechos entre Altamira e Marabá e de Itaituba a Rurópolis, que terão R$ 250 milhões disponíveis.  “Até 2010, o governo assegurou um cronograma de realização de obras e espera-se a conclusão do asfaltamento de toda a Transamazônica, com o recurso previsto no calendário de desembolso”, acredita o parlamentar.  Ele afirma que vários setores da economia se beneficiarão com o asfaltamento para o escoamento do cacau, café, grãos, produtos da bacia leiteira e gado de abate, além do incentivo a novas culturas, “gerando renda, emprego, mais arrecadação aos municípios, Estado e governo federal”.

De acordo com a Secretaria de Estado de Agricultura (Sagri), as prioridades locais nesta área são investimentos na verticalização e comercialização do cacau, do gado (leite e corte) e da alimentação (fruticultura e lavoura branca).  Atualmente, há em Altamira quatro cooperativas de produtores de cacau orgânico, e uma das ações da secretaria é equipá-las.  Em Medicilância uma ação é a produção de sementes para distribuição em todo o Estado.

Segundo dados de 2006, a produção de cacau da região é de 19,5 mil toneladas, incluindo os municípios de Altamira, Brasil Novo, Medicilândia e Uruará.  O maior produtor é Medicilândia com cerca de 10 mil toneladas.  O rebanho bovino é de 1,3 milhão de cabeças, nos municípios de Altamira, Brasil Novo, Medicilândia, Uruará e Vitória do Xingu.  Somente Altamira tem 365 mil cabeças.

Infra-estrutura

Somado ao asfaltamento da rodovia, a Secretaria de Estado de Transportes (Setran) está fazendo intervenções, a partir de investimentos próprios do governo do Estado, em estradas estaduais como as PA 415 (Altamira-Vitória do Xingu) e PA 167 (Senador José Porfírio- Transamazônica), que terão resultado imediato nos custos dos produtores, comerciantes e industriais locais.  Além dessas, o oeste paraense também será beneficiado com obras nas rodovias conhecidas como Transgarimpeira e a Transuruará.

A primeira foi aberta na corrida do ouro há mais de 20 anos e, atualmente, está abandonada.  Com o programa “Caminhos da Parceria”, desenvolvido pela Setran, são envolvidos empresários, a comunidade e a prefeitura, na recuperação da rodovia, num percurso de 206 quilômetros, principalmente os últimos 80 quilômetros, pois a situação no inverno é calamitosa.  Neste período, o litro do óleo diesel e do de cozinha custa R$ 10,00.  Na Transuruará, que será interligada à rodovia Santarém-Curuá Una, a comunidade também tem contribuído na fiscalização da obra e na guarida aos operários nos trechos.

Nas duas rodovias, as prefeituras se comprometeram a colaborar na recuperação das pontes de madeira.  Com esta economia obtida na parceria, a Setran aumenta o quantitativo de obras e atinge as regiões mais distantes, onde, no passado, a mão do governo do Estado não se fazia presente.

Fonte: Agência Pará

Mais Sobre Política - Nacional

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç