Porto Velho (RO) segunda-feira, 19 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Com R$ 1,5 milhão do agronegócio, senador tem campanha mais cara do Centro-Oeste


Agência O GloboBRASÍLIA - Doações de empresas agrícolas e bancos permitiram ao ex-governador goiano Marconi Perillo (PSDB) a campanha mais cara do Centro-Oeste para uma vaga no Senado. Dos R$ 3,5 milhões que declarou à Justiça Eleitoral, Perillo arrecadou R$ 1,5 milhão junto a empresas do agronegócio.Uma das maiores doações individuais (R$ 230 mil) veio da Mitsubishi, fábrica japonesa de caminhonetes, que possui unidade em Catalão, interior goiano. Para instalar-se na região, a fábrica recebeu uma isenção, por 30 anos, de 70% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).Os bancos também contribuíram com a candidatura de Perillo. Itaú e BMG doaram R$ 150 mil cada um. A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) deu R$ 50 mil para a campanha de Perillo para senador. Em 2001, a CBF foi investigada por duas comissões parlamentares de inquérito (CPIs) na Câmara e no Senado.

Mais Sobre Política - Nacional

O presidente eleito Jair Bolsonaro diz que soberania e leis do Brasil devem ser respeitadas

O presidente eleito Jair Bolsonaro diz que soberania e leis do Brasil devem ser respeitadas

Em meio a reações como a do governo cubano que decidiu suspender a parceira com o Programa Mais Médicos, o presidente eleito Jair Bolsonaro voltou a

O registro de plantas e flores ornamentais será debatido no Senado

O registro de plantas e flores ornamentais será debatido no Senado

Pelo projeto, o produtor que desenvolver uma nova cor de orquídea pode ser liberado da inscrever o produto no RNCA Comissão de Agricultura e Reforma A

 JUSTIÇA SUÍÇA APONTA R$ 43,2 MILHÕES EM FINANCIAMENTO ILEGAL DE SERRA

JUSTIÇA SUÍÇA APONTA R$ 43,2 MILHÕES EM FINANCIAMENTO ILEGAL DE SERRA

Dinheiro para financiar a campanha presidencial do PSDB

Jair Bolsonaro diz que programa Mais Médicos não será suspenso

Jair Bolsonaro diz que programa Mais Médicos não será suspenso

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, disse ontem (14) que manterá o programa Mais Médicos e vai substituir os cerca de 8.500 profissionais cubanos p