Porto Velho (RO) terça-feira, 25 de fevereiro de 2020
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Com quase seis meses de atraso, Congresso aprova LDO


Chico de Gois - Agência O Globo BRASÍLIA - Depois de aprovaram uma medida que permite praticamente dobrar os seus salários, passando para R$ 24,5 mil, dos 594 parlamentares, menos de 30 compareceram para aprovar, com cinco meses de atraso, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). A lei, em tese, deveria servir como base para a elaboração do Orçamento, que já está em discussão nas Casas e que, na prática, pouco se aproveitará da lei confirmada. Depois de muita discussão entre os poucos presentes, a oposição acabou ganhando uma queda-de-braço com o governo e impôs um redutor de 0,1% do PIB para as despesas correntes (salários, previdência e custeio). A medida deverá ser aplicada apenas nas despesas empenhadas e não autorizadas, isto é, vale apenas para o que o governo reservar para o pagamento e não nas despesas constantes (como funcionalismo e benefícios da Previdência) do orçamento do próximo ano. A iniciativa pretende forçar o governo a reduzir em R$ 5 bilhões o gasto com a máquina pública. - O próprio governo havia encaminhado o projeto da LDO prevendo o redutor de 0,1%, mas depois voltou atrás porque acreditou que não tinha como cumprir. Nós defendemos a mantuenção - afirmou Pauderney Avelino (PFL-AM). - Se o presidente Lula mudou de opinião, ele que vete. O que não se pode é ter uma LDO antes e outra depois da eleição - protestou o líder do PFL na Câmara, Rodrigo Maia (RJ). O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), que concordou com a reintrodução do redutor de 0,1%, adiantou que o governo poderá vetar o dispositivo. - Na prática, não haverá alterações, uma vez que o Orçamento já está sendo discutido sem esse redutor e já está praticamente pronto para ser votado - observou Jucá. - A reintrodução da redução de 0,1% não contamina a proposta orçamentária, e o governo poderá vetar esse dispositivo. O governo também não conseguiu aprovar uma autorização para que possa incluir investimentos nos gastos de um duodécimo a que tem de se submeter em caso de o Orçamento não ser aprovado ainda este ano. Sem a autorização, o governo só poderá gastar 1/12 do Orçamento de 2006 com despesas correntes. Por outro lado, o governo conseguiu aprovar um artigo que lhe vai permitir investir no Projeto Piloto de Investimentos (PPI) o que exceder o superávit primário de 3,15% do governo central, desde que obtida a meta de superávit primário consolidada para o setor público, que é de 4,25% do PIB (aqui incluem-se, além dos 3,15% do governo central, 0,70% das estatais e 1,10% dos estados e municípios). Com essa manobra, o governo quer ter uma sobra de recursos para destinar sobretudo à infra-estrutura, como preservação de estradas.

Mais Sobre Política - Nacional

Deputados federais apresentam no STF pedido de impeachment do ministro Weintraub

Deputados federais apresentam no STF pedido de impeachment do ministro Weintraub

Rede Brasil Atual - Deputados da oposição anunciaram hoje (5) que vão apresentar denúncia no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o ministro da Edu

Jair Bolsonaro envia projeto que regulamenta exploração de terras indígenas

Jair Bolsonaro envia projeto que regulamenta exploração de terras indígenas

O presidente Jair Bolsonaro apresentou nesta quarta-feira (5) um projeto de lei (PL) para regulamentar a exploração de atividades econômicas em terras

Carta aberta ao Congresso Nacional pelas aprovações da PEC nº 108 de 2019ª

Carta aberta ao Congresso Nacional pelas aprovações da PEC nº 108 de 2019ª

Nos últimos anos voltou à tona a discussão sobre o excesso de regulamentação profissional no Brasil, numa   verdadeira afronta ao disposto no art. 5º,