Porto Velho (RO) quarta-feira, 16 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

CNI: Empresários precisam fazer interlocução com o Congresso para aprovar reformas


Martha Beck - Agência O GloboBRASÍLIA - O presidente reeleito da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Armando Monteiro, disse nesta segunda-feira que vai trabalhar pelo crescimento econômico do país nos próximos quatro anos de seu mandato. Segundo ele, isso significa fazer uma interlocução permanente com o Congresso para aprovação de reformas como a tributária.- O Brasil está travado há mais de 20 anos e precisa de uma agenda densa de reformas para poder crescer. Está na hora de fazer mais engenharia e menos arquitetura - disse Monteiro.Segundo ele, o setor empresarial precisa fazer uma autocrítica, porque estaria faltando uma articulação para pressionar tanto o Legislativo quanto o Executivo por reformas:- Precisamos fazer mais do que fizemos. Precisamos de uma articulação empresarial com o governo e o Legislativo. Não fomos capazes de formar com a sociedade essas alianças. O Congresso e o Executivo reagem à sociedade.Monteiro também apontou a necessidade de mudanças na estrutura dos gastos públicos, que hoje consomem praticamente toda a arrecadação de impostos e contribuições e inibem os investimentos. De acordo com Monteiro, as despesas correntes não podem continuar subindo acima do Produto Interno (PIB):- Essa é a equação do baixo crescimento.O presidente da CNI ressaltou que os candidatos à Presidência da República têm ressaltado a questão fiscal em suas campanhas, mas não deixam claro o que vão fazer em relação às despesas com funcionalismo e com a Previdência Social, por exemplo. - Os candidatos falam que não vão mexer na Previdência Social, mas ela é uma das principais fontes de desajuste (nas contas públicas) - lembrou Monteiro.Ele reconheceu que a aprovação da reforma tributária será difícil, independentemente de quem seja eleito, mas disse que esse tema não pode ser partidarizado:- Seja Alckmin, seja Lula, teremos dificuldades no ambiente político, mas a sociedade precisa colocar-se nesse debate. A reforma tributária é algo que interessa ao Brasil. Se houver perdas episódicas (para alguns estados), isso pode ser compensado por algum instrumento de transição.Monteiro também disse ser contra a redução das contribuições ao Sistema S - prevista na Lei Geral da Micro e Pequena Empresa. Segundo ele, a contribuição não é uma despesa, e sim um investimento. Para ele, se o problema é a base de cálculo da contribuição, que hoje incide sobre as folhas de pagamento das empresas e pode desestimular o emprego formal, então ela deve ser mudada. Uma opção, de acordo com Monteiro, poderia ser a base dos impostos de valor adicionado, desde que a contribuição continue a ser compulsória.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que