Porto Velho (RO) terça-feira, 25 de fevereiro de 2020
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Câmara aprova o fim do monopólio no mercado de resseguros


Isabel Braga - Agência O Globo BRASÍLIA - Com 323 votos a favor, 19 contra e uma abstenção, o plenário da Câmara aprovou nesta quarta-feira o projeto de lei complementar 249/05, que acaba com o monopólio do IRB-Brasil Resseguros. A quebra do monopólio foi decidida em 1997, pela Emenda Constitucional 13, ainda não regulamentada. O projeto permite que empresas nacionais e estrangeiras operem no Brasil, o que deve atrair investimentos e aumentar o número de produtos na área. - Com a votação desse projeto, o Brasil pode se tornar o grande centro de resseguros de toda a América Latina - disse o deputado Francisco Dornelles (PP-RJ), relator do projeto. O projeto cria três espécies de resseguradoras: as locais (submetidas às leis do país e com sede no Brasil, mas que poderão ter capital estrangeiro); as admitidas (regidas por leis estrangeiras, mas com filial no Brasil); e as eventuais (estrangeiras com sede no exterior e sem filial no Brasil). As eventuais terão que ter mais de seis anos de atuação e serem cadastradas no órgão regulador brasileiro, o Conselho Nacional de Seguros Privados. Uma emenda do deputado Miro Teixeira (PT-RJ) proibiu a participação de empresas com sede em paraísos fiscais. - A emenda não atrapalha porque nenhuma seguradora de prestígio tem sede em paraíso fiscal - disse Dornelles. O projeto estabelece uma espécie de reserva de mercado para o IRB. Assim que o projeto entrar em vigor, nos primeiros três anos, 60% dos resseguros têm que ser feitos por resseguradoras locais. Nos três anos seguintes, esse percentual cai para 40% e depois de seis anos, uma lei complementar podererá reduzir ainda mais esse percentual. Todos os partidos, com exceção do PV, que liberou a bancada, e o PSOL, que votou contra, encaminharam a favor do projeto. O vice-líder do governo Beto Albuquerque (PSB-ES) defendeu o projeto, afirmando que ele vai tornar o mercado mais competitivo. - Ninguém está privatizando o instituto. Estamos quebrando o monopólio para tornar o próprio mercado mais competitivo, a exemplo do que já há no sistema financeiro - disse. Já a deputada Luciana Genro (PSOL-RS) disse que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o PT enganaram o povo ao dizer que as privatizações eram propostas dos tucanos. - É um marco negativo para o país. Lula e o PT tentaram convencer os eleitores de que o voto neles seria o fim das privatizações no país. Lula e (Geraldo) Alckmin representam o mesmo modelo de governo - disse.

Mais Sobre Política - Nacional

Deputados federais apresentam no STF pedido de impeachment do ministro Weintraub

Deputados federais apresentam no STF pedido de impeachment do ministro Weintraub

Rede Brasil Atual - Deputados da oposição anunciaram hoje (5) que vão apresentar denúncia no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o ministro da Edu

Jair Bolsonaro envia projeto que regulamenta exploração de terras indígenas

Jair Bolsonaro envia projeto que regulamenta exploração de terras indígenas

O presidente Jair Bolsonaro apresentou nesta quarta-feira (5) um projeto de lei (PL) para regulamentar a exploração de atividades econômicas em terras

Carta aberta ao Congresso Nacional pelas aprovações da PEC nº 108 de 2019ª

Carta aberta ao Congresso Nacional pelas aprovações da PEC nº 108 de 2019ª

Nos últimos anos voltou à tona a discussão sobre o excesso de regulamentação profissional no Brasil, numa   verdadeira afronta ao disposto no art. 5º,