Porto Velho (RO) domingo, 20 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Britto: povo não é burro; não se pode temer a soberania popular


O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, Cezar Britto, afirmou que “não há porque temer a soberania popular; ela não pode ser apenas figura de retórica constitucional, precisa tornar-se real”. Ele fez esta afirmação em discurso durante a solenidade de posse da presidente da Seccional OAB do Distrito Federal, Estefânia Viveiros. “O povo é soberano, não é burro como pensam alguns”, sustentou Britto ao defender a ampliação dos instrumentos de soberania popular previstos no artigo 14 da Constituição, como o plebiscito, referendo e projeto de lei de iniciativa popular, no bojo da reforma política proposta pela entidade à Câmara dos Deputados esta semana.

O presidente nacional da OAB afirmou que a entidade é apolítica e não se associa a movimentos ideológicos, “mas não teme o povo e quer vê-lo como agente de seu destino”. Por isso, reivindica a regulamentação dos instrumentos de participação democrática direta previstos na Constituição de 1988. Ele ressaltou, a seu ver, o que representa um exemplo de sabedoria do povo e da importância de ampliação dos instrumentos previstos no artigo 14: “Basta ver que a primeira lei de iniciativa popular no País, aprovada pelo Congresso - e lei 9.840/99, de combate à corrupção eleitoral - tem sido um eficaz instrumento de saneamento moral das instituições políticas”.

Cezar Britto salientou que, se a reforma política for feita em profundidade e sob a supervisão da sociedade civil, levando em conta sua pluralidade, ela conferirá respeitabilidade ao processo político e aos próprios legisladores e governantes. “É essa respeitabilidade, que deriva do fator confiança, que hoje está em falta; sem ela o processo político não se sustenta, e o Estado democrático de Direito corre riscos, sérios riscos”, observou.

Nesse sentido, Britto citou que a discussão sobre a tragédia do menino João Hélio Fernandes - morto no Rio de Janeiro por bandidos que o arrastaram em um carro por diversas ruas -, não deixa de estar associada “ao histórico quadro de debilidade moral da política institucional brasileira”. E acrescentou: "Por isso, achamos ineficaz que se discutam medidas pontuais em relação à legislação penal, como o agravamento de penas, em nome da superação do quadro de violência e criminalidade”. Para ele, as medidas pontuais não podem deixar de ser examinadas, mas “se não as associarmos a mudanças mais abrangentes no panorama institucional do País, a mudanças mais profundas na mentalidade política dos governantes, estaremos mais uma vez enxugando gelo”.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que