Porto Velho (RO) sexta-feira, 18 de janeiro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Briga por liderança embola reforma


Gerson Camarotti - Agência O Globo BRASÍLIA - Com a vitória do deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP) para a presidência da Câmara, a vaga de líder do governo passou a ser cobiçada por pelo menos cinco pretendentes. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu colocar o cargo no pacote de negociações da reforma.Na briga estão o ex-líder do PTB José Múcio Monteiro (PE), o líder em exercício do governo, Beto Albuquerque (PSB-RS); o líder do PR, deputado Luciano Castro (RR); o ex-ministro Eunício Oliveira (PMDB-CE) e o atual líder do PT, Henrique Fontana (RS).O PMDB, fundamental na eleição de Chinaglia, cobra o acerto com o petista: se ele fosse eleito, o cargo seria do partido. O mesmo acordo é cobrado pelo PTB e o PR. Inicialmente, Lula pensou em compensar o grupo derrotado na Câmara. O PT, no entanto, quer compensar Henrique Fontana, que está deixando a liderança do partido.O novo líder do governo terá como principal tarefa negociar a aprovar o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) na Câmara, além de encaminhar a reforma política.

Mais Sobre Política - Nacional

HASTA LA VISTA, BAMBINO

HASTA LA VISTA, BAMBINO

Césare Battisti buscou a proteção de Evo Morales, seu aliado de esquerda.

Jair Bolsanaro assina decreto e  pessoas acima de 25 anos podem ter até 4 armas de fogo

Jair Bolsanaro assina decreto e pessoas acima de 25 anos podem ter até 4 armas de fogo

A partir do decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro hoje (15), no Palácio do Planalto, cidadãos brasileiros com mais de 25 anos poderão compra

O filho de Hamilton Mourão e o irmão de José Alencar: dois casos exemplares

O filho de Hamilton Mourão e o irmão de José Alencar: dois casos exemplares

São casos exemplares que demonstram comportamentos opostos dos governos

Governo de Bolsanaro vai fazer pente fino em 2 milhões de benefícios do INSS

Governo de Bolsanaro vai fazer pente fino em 2 milhões de benefícios do INSS

O governo federal vai fazer uma auditoria em 2 milhões de benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que têm indícios de irregul