Porto Velho (RO) domingo, 20 de janeiro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Briga entre Coca-Cola e Ambev reduz preços de refrigerantes


Cibele Gandolpho - Agência O GloboSÃO PAULO - Com a chegada do verão e das festas de fim de ano, em dezembro, o consumo de refrigerantes é 50% maior que a média de outros meses. Com a disputa de mercado, os refrigerantes de marca costumam realizar promoções ou reduzir seus preços, o que prejudica os produtos populares, as chamadas tubaínas.Se contar que o Brasil é o terceiro país em consumo per capita, com 65 litros ingeridos por pessoa por ano, ficando atrás apenas dos Estados Unidos (198 litros) e do México (147), essa guerra promete ir bem mais longe.O Grupo AmBev, que tem 17% de participação do mercado brasileiro, anunciou em novembro que pretende reduzir em até 20% os preços de refrigerantes como o Guaraná Antarctica e a Pepsi para tentar ganhar espaço no segmento de refrigerantes, liderado à distância pela Coca-Cola, que registrou 55,1% de participação de mercado no país.Os fabricantes menores reclamam que a medida representa apenas de uma jogada para quebrá-los.- Fim de ano não é época para fazer promoções, já que o consumo é muito grande. Isso prejudica as indústrias menores - diz Sid Gallo, diretor co-mercial da Dolly.A Arco Íris, fabricante de São José dos Campos, acredita que os grandes façam promoções cruzadas, ou seja, diminuem o preço das embalagens de dois litros e aumentam outros produtos de outras embalagens, como latinhas.- Como nós, menores, produzimos basicamente a versão de 2 litros, somos prejudicados com essas ações. Não existe outro interesse na manipulação de preços, senão o mercadológico - diz o diretor-geral da Arco Íris, Ademar Watanabe.O presidente da Associação dos Fabricantes de Refrigerantes Regionais (Afrebras), Fernando Bairros, apresentou uma denúncia à Secretaria de DireitoEconômico (SDE) contra a AmBev e a Coca-Cola, devido à redução de preços que as duas gigantes fazem nesta época do ano.- Isso fecha muitas indústrias, que não conseguem competir - queixa-se. Segundo ele, os supermercados querem pagar metade do preço pelas tubaínas, já que têm muita oferta de produtos de marcas, o que impede as demais de sobreviver.Em 2003, o Brasil chegou a ter 850 fabricantes regionais. Hoje, esse número não chega a 300, segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes (Abir). A entidade é imparcial e diz que qualquer empresa tem o direito de fazer promoções quando quiser.A AmBev informou que a redução não será uma ação global nem duradoura. Deve atingir apenas algumas regiões e pode ou não incluir a Sudeste.Já a Coca-Cola informou que não define a sua atuação a partir de mudanças de estratégia de concorrentes, o que não deixa claro se vai reduzir preços no verão. No entanto, o Diário constatou entre os donos de padarias da Capital que a latinha da Coca-Cola deve ficar mais cara neste mês.Um comerciante disse que já foi avisado pela distribuidora que a lata vai ter um acréscimo de R$ 0,05 para a padaria. - Se isso realmente acontecer, teremos de repassar o custo para o consumidor - disse um dono de padaria que não se identificou.

Mais Sobre Política - Nacional

GENTE QUE MUITO PULA

GENTE QUE MUITO PULA

É melhor ficar quieto e deixar que pensem que você talvez tenha errado do que mexer-se e tirar a dúvida

HASTA LA VISTA, BAMBINO

HASTA LA VISTA, BAMBINO

Césare Battisti buscou a proteção de Evo Morales, seu aliado de esquerda.

Jair Bolsanaro assina decreto e  pessoas acima de 25 anos podem ter até 4 armas de fogo

Jair Bolsanaro assina decreto e pessoas acima de 25 anos podem ter até 4 armas de fogo

A partir do decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro hoje (15), no Palácio do Planalto, cidadãos brasileiros com mais de 25 anos poderão compra

O filho de Hamilton Mourão e o irmão de José Alencar: dois casos exemplares

O filho de Hamilton Mourão e o irmão de José Alencar: dois casos exemplares

São casos exemplares que demonstram comportamentos opostos dos governos