Porto Velho (RO) sexta-feira, 29 de maio de 2020
×
Gente de Opinião

Brasil

A farsa do complô estrangeiro sobre florestas do Brasil vem dos anos 1950


Morro do Diabo, no município paulista de Teodoro Sampaio, região do Pontal do Paranapanema - Gente de Opinião
Morro do Diabo, no município paulista de Teodoro Sampaio, região do Pontal do Paranapanema

A lengalenga do complô internacional para dominar florestas brasileiras não é recente nem começou com a Amazônia. Em um ótimo artigo no Blog da Companhia das Letras, o jornalista Claudio Angelo lembra a campanha de desinformação desencadeada nos anos 1950 para justificar a devastação dos remanescentes de Mata Atlântica no Pontal do Paranapanema. 

Na época, o fantasma era a multinacional petroleira Standard Oil, que estaria defendendo a criação de uma reserva florestal no extremo oeste do estado de São Paulo para impedir brasileiros de explorar uma suposta rica jazida de petróleo.

A principal fonte de Claudio Angelo é o magnífico livro A ferro e fogo: A história e a devastação da Mata Atlântica brasileira (1995), do historiador norte-americano Warren Dean (1992-1994). Além da fictícia conspiração estrangeira, a história teve também grileiros de terras apoiados pelo governo estadual, inclusive com anulação, pelo governador Adhemar de Barros (1947-1951), de decretos de criação de áreas protegidas.

A esta altura, a história já deve parecer familiar. Nas palavras do jornalista:

O espantalho do complô estrangeiro, brandido pelo presidente e seus áulicos, e a súbita preocupação do atual ministro do Meio Ambiente com a pobreza dos amazônidas, são parte de um script antigo. Nós já sabemos como o filme termina. A Mata Atlântica foi reduzida a 12% de sua cobertura original. O Pontal do Paranapanema foi entregue aos grileiros, desmatado até o último toco e depois tornou-se um bolsão de pobreza e violência no campo no Estado mais rico do país. Como a história é cheia de ironias, o ministro do Meio Ambiente de Bolsonaro, que hoje contemporiza com grileiros e madeireiros na Amazônia, lançou-se candidato a deputado prometendo balas de fuzil contra o MST – movimento que ganhou corpo no caos social induzido pelo desmatamento no Pontal.

Logo no início de seu livro O Dezoito Brumário de Luís Bonaparte (1851-1852), ao comentar a afirmação de Friedrich Hegel (1770-1831) de que os fatos históricos se repetem, Karl Marx (1818-1883) escreveu: “E esqueceu-se de acrescentar: a primeira vez como tragédia, a segunda como farsa”. Cada vez mais me convenço de que muitos desses fatos já foram farsas na primeira vez.


Leia o artigo “Para entender a crise ambiental brasileira”.

Mais Sobre Brasil

MPF recomenda ao presidente da Funai que anule imediatamente portaria que permite grilagem de terras indígenas

MPF recomenda ao presidente da Funai que anule imediatamente portaria que permite grilagem de terras indígenas

O Ministério Público Federal (MPF) emitiu recomendação à presidência da Fundação Nacional do Índio (Funai) para que seja anulada, imediatamente,

Ranking mostra grande distância para cumprimento das metas de saneamento básico. Porto Velho está entre as piores

Ranking mostra grande distância para cumprimento das metas de saneamento básico. Porto Velho está entre as piores

Enquanto o Brasil ainda rediscute a legislação nacional acerca do saneamento básico, os compromissos internacionais assinados pelo próprio país se a

Padrão Mercosul: novas placas de veículos serão obrigatórias a partir de 31 de janeiro

Padrão Mercosul: novas placas de veículos serão obrigatórias a partir de 31 de janeiro

Após sucessivos adiamentos, começa a valer a partir do dia 31 de janeiro a obrigatoriedade de uso da placa do Mercosul em todos os estados do país. O

Bar em Botafogo terá o primeiro campeonato de 'apertar baseado'

Bar em Botafogo terá o primeiro campeonato de 'apertar baseado'

Reprodução FacebookRio - Um dos bares mais conhecidos pelos cariocas, o Bukowski, localizado em Botafogo, na Zona Sul do Rio, anunciou uma competição