Porto Velho (RO) segunda-feira, 18 de junho de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Bolívia assina com 2 empresas, Petrobras ainda não tem acordo


Carlos Alberto Quiroga - Agência O GloboLA PAZ (Reuters) - A Bolívia assinou na sexta-feira novos contratos de operação com duas petrolíferas estrangeiras por um total equivalente a 2,1 bilhões de dólares, foram os primeiros compromissos de investimento desde a nacionalização energética, decretada em maio pelo presidente Evo Morales.A francesa Total e a norte-americana Vintage assinaram acordos com a petrolífera estatal boliviana YPFB, enquanto a Petrobras, a espanhola Repsol-YPF e outras empresas pareciam continuar tendo divergências com aspectos do novo regime, na véspera do fim do prazo fixado pelo governo.No Brasil, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, que acompanhou o debate dos presidenciáveis Luiz Inácio Lula da Silva (PT), candidato à reeleição, e Geraldo Alckmin (PSDB), na TV Globo, disse que a expectativa é que a Petrobras feche um acordo com o governo boliviano.``A tendência é de acordo, mas vai ser negociado até o último minuto'', disse a ministra, acrescentando que um acordo temporário é uma das possíveis soluções para o impasse.Morales, por sua vez, defendeu o processo de nacionalização. ``Embora sejamos um país pequeno, subdesenvolvido, as empresas têm que respeitar nossas normas, nossas leis, vamos fazê-las respeitar'', disse Morales numa alusão às empresas que ainda não assinaram novos contratos.``Qualquer empresa merece respeito, mas as empresas também têm que respeitar o nosso povo, as nossas normas'', acrescentou, antes de lembrar que as petrolíferas ``têm, todavia, umas horas (o sábado) para seguir negociando e consolidar a nacionalização''.O ministro boliviano de Hidrocarbonetos, Carlos Villegas, disse que a Total se comprometeu a investir 1,882 bilhões de dólares na exploração e desenvolvimento de três grandes campos de gás natural, sob contratos que lhe garantem direito de exploração por 30 anos e de produção por 20 anos.Já a Vintage comprometeu-se em investir 220 milhões de dólares na exploração de hidrocarbonetos em campos residuais.``Com esses primeiros contratos, a Bolívia garantiu seu futuro, comprometendo-se com investimentos que se desenvolverão nos próximos anos (...) não só vamos produzir, mas fundamentalmente explorar'', disse Villegas.O ministro acrescentou que a Total aceitou submeter-se ao novo regime, que declara propriedade do Estado todo o petróleo e gás natural extraídos, em troca de uma compensação equivalente a 18 por cento da produção.Fontes governamentais disseram que as negociações com a Petrobras são as mais complexas, pois envolvem também uma possível transferência de duas refinarias, controladas há cinco anos pela estatal brasileira, que é a maior investidora do setor na Bolívia.A nacionalização, que não incluiu confiscos, determinou a propriedade estatal sobre toda a produção de petróleo e gás e ordenou que as petrolíferas estrangeiras convertam-se em operadoras a serviço da YPFB.A indústria boliviana de gás natural gerará neste ano, com exportações para Brasil e Argentina, cerca de 2 bilhões de dólares, o que corresponde a metade das vendas totais da Bolívia para o exterior.

Mais Sobre Política - Nacional

Aepet denuncia: Temer prepara maior crime da história durante a Copa

Aepet denuncia: Temer prepara maior crime da história durante a Copa

AEPET alerta: "as multinacionais pretendem que o governo Temer anule a decisão do Conselho Nacional de Política Energética pela contratação direta da

Ex-diretor do DER fecha delação

Ex-diretor do DER fecha delação

O ex-diretor geral do DER do Paraná Nelson Leal Júnior fechou acordo de delação premiada com a força-tarefa da Lava Jato onde se comprometeu a fornec

FHC, sobre sua atuação como tesoureiro informal: pedi mesmo

FHC, sobre sua atuação como tesoureiro informal: pedi mesmo

Enquanto Lula está preso sem jamais ter enviado emails a empreiteiros pedindo 'SOS', o ex-presidente FHC admite que atuou como tesoureiro informal do

CNJ proíbe juízes de manifestarem apoio ou críticas políticas na internet

CNJ proíbe juízes de manifestarem apoio ou críticas políticas na internet

O CNJ divulgou uma regulamentação para proibir o uso de redes sociais por parte de magistrados para dar apoio ou expressar críticas a políticos e part