Porto Velho (RO) quarta-feira, 23 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Aumento real do mínimo e mais empregos elevam consumo de famílias de baixa renda


Bruno Rosa - Agência O GloboRIO - O aumento do salário mínimo acima da inflação e a melhora no mercado de trabalho estão provocando uma elevação no padrão de consumo das famílias de classe E e, pela primeira vez desde o Plano Real, essa mudança se mantém com o passar do tempo. Segundo reportagem pubilcada pelo jornal O Globo nesta terça-feira, a conclusão é do estudo "Mais dinheiro no bolso dos brasileiros", feito pela consultoria Ipsos em 54 mil domicílios no fim de 2006.Nos últimos três anos, o consumo de 18 das 30 categorias de produtos e serviços pesquisadas pelo Ipsos só fez crescer entre o segmento menos favorecido da classificação usada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em outras cinco categorias, a compra manteve-se estável.As famílias mais pobres estão enchendo a geladeira e a despensa com alimentos mais caros, comprando artigos considerados supérfluos e indo com maior freqüência a salões de beleza e farmácias. Elas também já estão experimentando os avanços tecnológicos no segmento de eletroeletrônicos: em 2006, 1% da população de baixa renda comprou pela primeira vez uma televisão de 29 polegadas.TV de 29 polegadas em 1% dos laresA coordenadora do estudo, Daina Ruttul, afirma que o orçamento dos menos favorecidos está apresentando uma folga. É de olho nas classes D e E, pondera ela, que as empresas vão expandir seus negócios. Segundo a especialista, os mais ricos e a classe C mantêm o padrão de consumo em patamar estável.- Com o aumento do salário mínimo acima da inflação, as famílias mais pobres obtiveram ganho real. Somente no primeiro semestre do ano passado, a classe E começou a usufruir os primeiros indícios de sobras do orçamento. Além disso, a estabilidade dos preços foi um importante fator para o aumento no consumo - disse Daina.Entre os alimentos pesquisados, a mistura para bolos e tortas está mais presente nas despensas da classe E: passou de 12% dos domicílios, em 2005, para 16%, em 2006. A pipoca para microondas estreou na cozinha dessas famílias no ano passado. Em 2006, o produto chegou a 1% dos lares da classe E. Frango, sorvete, iogurte, adoçante, chocolate em barra e bombom também aparecem com mais freqüência na lista de compras da população de baixa renda.Os mais pobres estão se perfumando mais e dando atenção maior à aparência, revelou o levantamento. A ida ao salão de beleza, por exemplo, já é realidade para 17% da classe E. Em 2004, o hábito era comum para apenas 12%. O mesmo aconteceu em relação às idas a farmácias e drogarias: citadas por 29% dos entrevistados, em 2004, e por 34%, no ano passado.Segundo o levantamento, o número de pessoas da classe E com TV de controle remoto passou de 26%, em 2004, para 33%, em 2006.- O avanço tecnológico está cada vez mais acessível. Com preços menores, devido à produção em larga escala, e oferta de crédito, as famílias de baixa renda estão mais integradas ao mundo moderno. Prova disso é o índice de consumo de celulares: passou de 13%, em 2004, para 30%, no ano passado - afirmou Daina.Marcio Pochmann, da Unicamp, credita o crescimento do consumo da classe E à estabilidade dos preços e à criação de novas vagas. Segundo o economista, os trabalhadores que ganham salário mínimo tiveram ganho real médio de 5% ao ano entre 1995 e 2006. Além disso, continua Pochmann, 60% das vagas abertas entre 1990 e 2005 foram de serviços ligados às classes mais baixas, como atividade doméstica, segurança, babás, além de autônomos.- Cerca de 70% da renda é destinada à alimentação, ao transporte e à moradia. O preço dos alimentos subiu menos em relação a outros segmentos. Além disso, o aumento no consumo foi influenciado pelo crédito, já que várias empresas do comércio passaram a atuar como bancos. O programa de renda do governo também beneficiou os 40% mais pobres da população - explicou Pochmann.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que