Porto Velho (RO) domingo, 22 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Aumento de 1% no FPM viabiliza pagamento do 13º de prefeituras


 

Agência CNM
 
Os municípios brasileiros têm mais um motivo para comemorar a chegada deste Natal. Em 10 de dezembro, a União fez para os municípios o primeiro repasse integral do aumento de 1% referente ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM). O aumento possibilita que 89,89% de 3.921 prefeituras do País possam pagar o 13º salário aos seus funcionários, além de permitir o pagamento de diversos outros encargos municipais.

Este feito é considerado um marco para a Confederação Nacional de Municípios (CNM), que desde 2003 realiza esforços no Congresso Nacional e em diversos eventos no País para a aprovação da Emenda Constitucional 55 (EC 55/2007), finalmente sancionada em setembro do ano passado. A EC 55 alterou o artigo 159 da Constituição Federal, aumentando o repasse de recursos da União ao Fundo de Participação dos Municípios.

O FPM é uma transferência constitucional da União para os municípios composta de 23,5% da arrecadação do Imposto de Renda (IR) e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). A distribuição dos recursos é feita de acordo com o número de habitantes dos municípios. Em 2007, foi feito o primeiro repasse de 1% ao FPM, porém relativo a apenas três meses. Neste ano será feito o primeiro repasse integral do aumento.

Os dados sobre as prefeituras pesquisadas foram extraídos de um estudo da CNM, para o qual foram consultados 70,50% dos municípios brasileiros (3.921 cidades), um número significativo para o universo de 5.562 municípios do país. O estudo também mostra que a grande maioria das prefeituras brasileiras (98,14% dos 3.921 municípios pesquisados) está com os salários pagos em dia.
 
Esforço e propostas sérias
Segundo o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, o aumento no repasse para o FPM é decorrência de muito esforço e propostas sérias, embasadas por estudos minuciosos da Confederação, comprovando que o municipalismo tem ganhado cada vez mais espaço no País. “Demonstramos ao governo federal e ao Congresso Nacional a força do movimento municipalista brasileiro. Além disso, mostramos a nossa capacidade política quanto às matérias em análise nas casas legislativas”, afirmou o presidente.
Agora, com o aumento, os municípios poderão investir em educação, saúde e transporte. Em 2007, os municípios tiveram um repasse em torno de R$ 430 milhões – referente a três meses de arrecadação – do FPM. A previsão da CNM é que neste ano seja de R$ 2.170 bilhões.

Como a distribuição dos recursos aos municípios é feita de acordo com o número de habitantes, são fixadas faixas populacionais, cabendo a cada município um coeficiente individual. O coeficiente mínimo é de 0,6 para municípios com até 10.188 habitantes, e o máximo é de 4,0 para aqueles acima 156 mil.
Do total dos recursos, 10% são destinados aos municípios das capitais, 86,4% para os demais e 3,6% para o fundo de reserva dos municípios com população superior a 142.633 habitantes (coeficientes entre 3,8 e 4,0), excluídas as capitais.
 
Participação dos municipalistas
Em declaração à imprensa, Ziulkoski ressaltou que, “graças à participação dos milhares de municipalistas nas diversas mobilizações organizadas pela CNM, temos colecionado várias conquistas”, afirmou [veja o box 2 no fim da matéria.

Na ocasião, ele enfatizou outra importância para a conquista: o governo federal emitiu o Decreto 6.433/2008, que regulamenta o Comitê Gestor do Imposto Territorial Rural (CGITR), responsável pela mudança da cobrança e da fiscalização do ITR. Tal medida garantirá o retorno de 100% da arrecadação desse imposto para os municípios do País.

Com relação ao aumento no repasse do FPM, cabe um alerta: o valor não terá o desconto do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), porém devem ser respeitadas as ordenações da Constituição Federal com relação à aplicação dos recursos municipais nas áreas de saúde e educação, 15% e 25%, respectivamente.
 

A articulação política da CNM para a aprovação do aumento no FPM
2003: A transferência do FPM havia sido a pior da última década. Por tal razão, os prefeitos temiam a dificuldade de honrar seus compromissos de final de ano, em especial o pagamento do 13º salário do funcionalismo. Diante dessa realidade, o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, propôs o aumento do FPM em 5%, repassados de forma acumulada no final do ano, como um auxílio para o encerramento das contas de dezembro, durante a Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios. Por meio dessa mobilização e das Marchas realizadas posteriormente, os senadores e o Ministério da Fazenda concordaram com o aumento do FPM (no entanto, de um ponto porcentual). A matéria foi enviada em 2003 para a Câmara dos Deputados, onde tramitou por quatro anos e sofreu alterações.
 
2007: Realização da maior mobilização municipalista até hoje realizada em Brasília, que contou com a presença de mais de 12 mil representantes municipais, entre prefeitos, vice-prefeitos, vereadores e secretários municipais. Depois do compromisso assumido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante a Marcha, de aprovar o repasse maior sem os demais itens da reforma tributária, a reivindicação da CNM e dos municípios foi enviada ao governo na forma do Projeto de Emenda Constitucional (PEC) 58/2007.
 
29/08/2007: Preocupado com a angústia dos prefeitos, em função dos quatro anos de espera pela conclusão da votação da matéria, o presidente da CNM voltou a articular para que a tramitação ocorresse de forma rápida no Senado. Outra mobilização com as lideranças do movimento municipalista foi promovida pela CNM no Congresso Nacional. Cerca de 300 prefeitos compareceram a este encontro, em especial os presidentes de entidades estaduais e microrregionais. Esta mobilização foi decisiva e, horas depois, a Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou, por unanimidade, a PEC 75/2007 – atual número da proposta do FPM. Por volta das 22h, o Senado aprovou em dois turnos a proposta, que beneficia todos os municípios brasileiros.


Histórico de conquistas
Graças à participação dos milhares de municipalistas nas mobilizações lideradas pela CNM, especialmente na Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, o movimento municipalista obteve ganhos expressivos ao longo dos anos, entre os quais podem-se destacar:

• o fim do Fundo de Estabilização Fiscal (FEF), em 1999;
• a alteração na alíquota do Cofins;
• a aprovação da Lei 9.827/99 (Lei da Mineração);
• a possibilidade de criação dos Regimes Próprios de Previdência Social (RPPS), pela Lei 4.992/99;
• a aprovação da CIP – contribuição para o custeio da iluminação pública;
• o pregão eletrônico, mediante a Lei 10.520/02;
• a cobrança para o custeio para iluminação pública;
• a possibilidade de que os municípios saquem até 70% dos depósitos judiciais (Lei 10.819/03);
• a aprovação da EC 42/03, que partilhou a CIDE e foi a primeira contribuição social a ser dividida com estados e municípios;
• a regulamentação da lei do ISS, que é a principal fonte de arrecadação própria dos municípios brasileiros (em 2003, eram arrecadados R$ 7 bilhões; em 2007, o valor alcançou R$ 18 bilhões);
• a criação do PNATE, que possibilitou a destinação de um auxílio financeiro aos municípios para o custeio do transporte escolar;
• o repasse direto do salário-educação;
• a criação do Comitê de Articulação Federativa (CAF), que estabeleceu um canal permanente de diálogo entre os municípios e o governo federal;
• a incorporação dos recursos do PAES ao FPM;
• a renegociação das dívidas com o INSS;
• a transferência da cobrança da dívida ativa (Resolução 33/2006, do Senado Federal); e
• o aumento do valor per capita da merenda escolar.

Fonte: Confederação Nacional dos Municípios

Mais Sobre Política - Nacional

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç