Porto Velho (RO) sexta-feira, 18 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Artistas populares querem mais espaço para trabalhar em escolas públicas


Artistas populares de todo o país vieram a Brasília com um único objetivo: cobrar do governo ações e políticas públicas que fortaleçam a cultura popular. Desde a última quinta-feira (14), músicos, dançarinos, atores e escritores que representam a arte popular brasileira participam do 1º Encontro Sul Americano de Culturas Populares.

"Viemos cobrar ações efetivas. A arte popular no Brasil ainda é muito desvalorizada. O governo e os gestores públicos precisam olhar mais para nós - artistas de rua -, que representamos tanto a raiz de um povo quanto a herança de um país", disse, em entrevista à Radiobrás, o músico popular, Valdir Soares de Oliveira, de 65 anos. Valdir, que é de Maceió (AL), toca flauta e faz shows populares em escolas infantis. Apesar da falta de recursos públicos para o setor cultural, em especial para a arte popular, Valdir Soares acredita que o governo vem dando maior atenção para os artistas populares nos últimos anos.

Ele sugeriu, que para manter viva as manifestações culturais e incentivá-las no país, os gestores públicos deveriam contratar artistas populares para trabalharem nas próprias escolas. "Desta forma, estaremos passando a cultura popular para as crianças e ao mesmo tempo mantendo vivo nossos artistas", disse.

A artista Cilene Farias, que participa do encontro, também destacou a importância de o governo brasileiro disponibilizar mais recursos para o setor cultural brasileiro. "Do jeito que está, apesar de todas as melhorias conquistadas, a cultura popular brasileira vai morrer aos poucos, pois faltam recursos para os nossos artistas", disse, em entrevista à Radiobrás.

Cilene Farias é do grupo Jabuti-Bumbá Marupiara, concebido por artistas populares de Rio Branco (AC). O espetáculo, além de divulgar e valorizar a cultura popular, canta, dança e encanta as historias e lendas do universo acreano. O grupo também chama a atenção para a preservação da biodiversidade e meio ambiente amazônico.

O Jabuti, como brincadeira popular, recebe influências do Maracatú, Boi-Bumbá, Pastorinhas, Catira, Vira e Cacuriá. O figurino do grupo tem adereços, enfeites e vestidos de chitas e fitas coloridas.

"A arte popular no Brasil é muito representativa. Precisamos incentivá-la para mostrarmos sempre a cara de nós, brasileiros. Para isso, o Estado precisa investir, reservar recursos no Orçamento Geral da União", disse Cilene Farias.

Paralelamente ao 1° Encontro Sul Americano de Culturas Populares acontece o 2º Seminário Nacional de Políticas Públicas para as Culturas Populares, também no Complexo Cultural Funarte, em Brasília. O dois eventos se encerram neste domingo.
 
Foto: Grupo ELLEGUA - Venezuela) Wilson Dias / ABr
Ana Paula Marra  - (Agência Brasil)

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que