Porto Velho (RO) terça-feira, 3 de agosto de 2021
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Apenas 10% da violência doméstica é denunciada


 

A morte da menina Isabella Oliveira Nardoni, 5, encontrada com sinais de agressão no jardim do edifício onde mora o pai, num condomínio de classe média paulista, reacendeu o debate em torno do assunto

A morte da menina Isabella Oliveira Nardoni, 5, encontrada com sinais de agressão no jardim do edifício onde mora o pai, num condomínio de classe média paulista, reacendeu o debate em torno da violência doméstica. De acordo de acordo com a pesquisa "A ponta do iceberg", realizada pelo Laboratório de Estudos da Criança (Lacri), da USP com dados de 1996 a 2007, em todos esses anos foram notificados 159.754 casos de violência doméstica. A maioria, 65.669, é de negligência. A violência física vem em segundo lugar, com 49.481 casos, seguida de violência psicológica (26.590) e de violência sexual, com 17.482 casos.

A entidade acompanha as notificações de casos de abusos sofridos por crianças em todo o País usando fontes diferentes, como centros sociais, conselhos tutelares e a Justiça. Segundo os pesquisadores, apenas 10% dos casos de abusos físicos e psicológicos contra as crianças são denunciados. Para a oficial de projetos do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef)  Helena Oliveira, ainda que pareça inexplicável, a violência infantil tem raízes culturais que envolvem a relação de poder entre adulto e criança e que ao longo da história foi incorporada na sociedade como a maneia certa de educar.

Mortes por agressões – Entre 2000 e 2007, o Lacri contabilizou 532 mortes de crianças e adolescentes em conseqüência da violência doméstica. Dados do Ministério da Saúde mostram que uma criança é assassinada a cada dez horas no Brasil. Entre 2000 e 2005, o órgão registrou 5.049 mortes  de meninos e meninas com idades até 14 anos – os números foram levantados pelo jornal O Globo na base de dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM). Em 2005, por exemplo, 662 vítimas entre 5 e 14 anos foram mortas por agressão. Mas bebês de até 1 ano também são vítimas de brutalidade: só em 2002, foram assassinados 90.

A pesquisadora Maria Fernanda Tourinho Peres, do Núcleo de Estudos da Violência da USP, analisou o crescimento da taxa de homicídios entre crianças e adolescentes até 19 anos de 1980 a 2002. E o estudo aponta que quanto menor a idade, menor o uso de armas para cometer homicídios. Na idade até 4 anos, as crianças foram mortas de outras maneiras: por sufocamento, armas brancas (facas, por exemplo), estrangulamento. "Isso pode apontar que esses crimes ocorreram dentro de um contexto familiar e não nas ruas,disse a pesquisadora.

É muito chocante, mas muitos estudos mostram que é no ambiente familiar que os crimes acontecem".
 
Fonte: ANDI [Diário do Pará (PA), O Globo (RJ), Jornal da Paraíba (PB), Aline Oliveira;O Tempo (MG); Tribuna da Bahia (BA)]

 

Mais Sobre Política - Nacional

Mariana Carvalho defende novas medidas aprovadas pelo Congresso no enfrentamento à Covid-19

Mariana Carvalho defende novas medidas aprovadas pelo Congresso no enfrentamento à Covid-19

A deputada federal Mariana Carvalho (PSDB-RO) defendeu nesta quinta-feira (2) as medidas que estão sendo aprovadas pela Câmara e pelo Senado no

Relator revisor da MP 924 - Coronavírus, Dep Lucio Mosquini destaca liberação de 5 Bilhões para enfrentamento da crise na saúde

Relator revisor da MP 924 - Coronavírus, Dep Lucio Mosquini destaca liberação de 5 Bilhões para enfrentamento da crise na saúde

O deputado federal Lucio Mosquini é o relator revisor da MP 924/2020, conhecida como MP do Enfrentamento do coronavírus. O Senador Eduardo Gomes també

Deputados federais apresentam no STF pedido de impeachment do ministro Weintraub

Deputados federais apresentam no STF pedido de impeachment do ministro Weintraub

Rede Brasil Atual - Deputados da oposição anunciaram hoje (5) que vão apresentar denúncia no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o ministro da Edu