Porto Velho (RO) segunda-feira, 14 de outubro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Antes de ser levada ao Congresso, reforma política será discutida com os partidos


Luiza Damé - Agência O GloboBRASÍLIA - Com a repercussão negativa à parte da proposta de reforma política que foi consolidada pelo ministro Tarso Genro (Relações Institucionais), o governo decidiu, antes de encaminhar o texto ao Congresso, submetê-lo ao conselho político da coalizão e depois aos líderes da oposição. Além da idéia de facilitar a convocação de plebiscitos e referendos, o texto propõe medidas polêmicas como a redução do mandato de senador e a extinção da figura de suplente para o Senado.A sugestão de, primeiro discutir com os partidos, foi feita pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), em telefonema semana passada para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Com isso, o Palácio do Planalto espera também tirar da reforma a marca do governo. O texto consolidado por Tarso é fruto de sugestões do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), coordenado por ele, e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).Mas na próxima terça-feira, o ministro Tarso Genro terá uma reunião com os presidentes da OAB, Cezar Britto, e da Associação de Magistrados do Brasil (AMB), Rodrigo Collaço, para discutir as propostas que serão enviadas ao Congresso. Agora serão quatro sugestões distintas: uma do Conselho, outra do Ministério da Justiça, uma terceira da OAB e a cartilha da AMB.- Vamos definir, na próxima terça, uma pauta para levar os estudos para o conselho político da coalizão e para a oposição. Depois da montagem do ministério, vamos marcar uma visita aos presidentes da Câmara e do Senado - disse Tarso.A entrega no Congresso já estava marcada por Tarso, mas foi adiada. O presidente do Senado argumentou que a reforma é uma questão dos partidos políticos e, o melhor caminho para evitar resistência é que ela seja encampada pelas legendas antes de chegar ao Congresso. Renan afirmou ainda que a discussão da reforma poderia atrapalhar a discussão do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).A proposta de simplificar a convocação de plebiscito foi a que causou mais polêmica. Alimentou especulações deque a medida facilitaria a aprovação, via plebiscito ou referendo, de um um terceiro mandato para o presidente Lula - interpretação rechaçada por Tarso e pelo próprio Lula.- Isso é um absurdo totalmente equivocado - disse o ministro.A prioridade para o governo, segundo Tarso, é fazer um acordo para aprovar três pontos da reforma: fidelidade partidária, financiamento público de campanha e votação em lista.

Mais Sobre Política - Nacional

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Para Marcos Rogério, Sínodo da Amazônia não pode ser uma reunião política e ideológica

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu nesta segunda-feira (14/10) cautela aos participantes do Sínodo da Amazônia, realizado no Vaticano. Para o p

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que