Porto Velho (RO) sexta-feira, 22 de março de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

ANEEL: reajustes da luz elétrica em RO. programado para novembro


Agência O Globo BRASÍLIA - O cronograma de reajuste tarifário da energia elétrica ainda prevê 10 atualizações até o final do ano. Cinqüenta e quatro das 64 distribuidoras já tiveram reajustes autorizados, segundo a assessoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A seguir, veja a lista das tarifas que ainda terão alterações e as respectivas datas de reajuste:Boa Vista (RR) - 1º de novembro Ceam (AM) - 1º de novembro CES (RR) - 1º de novembro Manaus Energia (AM) - 1º de novembro Light (RJ) - 7 de novembro Eletroacre (AC) - 30 de novembro Ceron (RO) - 30 de novembro CEA (AP) - 30 de novembro Sulgipe (SE) - 14 de dezembro Novapalma (RS) - 28 de dezembroPREÇO DE ENERGIA PARA RESIDÊNCIAS E INDÚSTRIAS AUMENTOU NA MAIORIA DAS DISTRIBUIDORASO preço da energia elétrica para as residências dos brasileiros subiu até agora em 33 das 64 distribuidoras que funcionam em todo o país. Houve queda em 20 delas e ainda faltam 10 reajustes de tarifa que serão anunciados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) até o dia 28 de dezembro. Já as contas de alta tensão, como os consumidores industriais, houve aumento em 50 das 54 com reajustes já autorizados pela agência.No caso dos consumidores residenciais, os maiores reajustes foram na Cataguazes-Leopoldina (MG), com 13,94%, na Bandeirante (SP), com 13,18%, e na Santa Maria (ES), com 10,55%. Os destaques das empresas que tiveram baixa na conta de luz foram a Copel (PR), com -12,71%, CEEE (RS), com -9,39%, e a Cenf (RJ) com -8,51%.Para os consumidores industriais, que são abastecidos com tensão acima de 2,3 quilovolts, os maiores reajustes do ano foram Santa Maria (ES), com 32,14%, Cataguazes-Leopoldina (MG), com 23,67%, Bragantina (SP/MG), com 19,60%, e Celtins (TO), com 17,15%. Houve queda na conta em apenas quatro delas: Muxfeldt (RS), com -11,56%, CEEE (RS), com -5,90%, CEB (DF), com -2,05%, e Cocel (PR), com -0,15%. Embora os reajustes tenham sido maiores, na média o preço para os industriais é mais barato do que para as residências. Segundo avaliação do professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Luiz Pinguelli Rosa, as empresas pagam aproximadamente R$ 50 o megawatt-hora, enquanto os consumidores residenciais chegam a desembolsar até R$ 400 pela mesma quantia de energia elétrica.O preço da luz é composto por uma tarifa básica, reajustada anualmente e revisada a cada quatro anos quando vencem os contratos de concessão, além de acréscimos das taxas de iluminação pública e dos impostos previstos em cada estado, como o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).No caso da revisão tarifária, são analisadas as contas da empresa em relação a investimentos, lucro, rendimento sobre patrimônio, inadimplência e perdas, como "gatos" e roubos de fiação. Isso influencia no preço final. Segundo a Aneel, a maior parte das distribuidoras tiveram suas revisão feitas ao longo de 2003 e 2004.

Mais Sobre Política - Nacional

Câmara dos Deputados: CCJC aprova projeto de política nacional de prevenção ao suicídio

Câmara dos Deputados: CCJC aprova projeto de política nacional de prevenção ao suicídio

A deputada federal Mariana Carvalho (PSDB-RO), informou que Câmara dos Deputados, por meio da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC)

Vídeo: Mariana Carvalho comemora a aprovação do seu projeto em que o agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

Vídeo: Mariana Carvalho comemora a aprovação do seu projeto em que o agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

Projeto da deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO) e do deputado Rafael Motta (PSB-RN) é aprovado no Senado Federal. O projeto determina que o agressor

APROVADO – Agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

APROVADO – Agressor terá de ressarcir SUS por custos com vítima de violência doméstica

O Plenário do Senado aprovou, nesta terça-feira (19), projeto que determina que o agressor nos casos de violência doméstica e familiar será obrigado a

Câmara dos Deputados aprova prioridade de matrícula para filhos de mulher vítima de violência

Câmara dos Deputados aprova prioridade de matrícula para filhos de mulher vítima de violência

Proposta permite ao juiz determinar a matrícula ou transferência de dependentes da mulher vítima de violência independentemente da existência de vagaO