Porto Velho (RO) terça-feira, 13 de novembro de 2018
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Aliados desanimam, mas Alckmin encerra campanha ainda confiante


Agência O Globo - Natuza Nery e Maurício SavareseSÃO PAULO (Reuters) - O candidato à Presidência Geraldo Alckmin (PSDB) não mostrou abatimento com a distância que o separa de seu adversário, segundo as pesquisas eleitorais, no último evento oficial de sua campanha. Mas a esperança do candidato de virar o jogo do segundo turno já não é capaz de sustentar em patamar elevado o ânimo de seus aliados.Muitos reconhecem nos bastidores que é ``praticamente impossível'' avançar sobre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e reverter os 22 pontos percentuais, diferença apontada pela última sondagem do Datafolha, que o separam do petista.Em um comício em São Paulo cheio de simbolismos políticos, e num terreno agressivo a Lula, Alckmin encerrou formalmente a sua campanha como se estivesse no início dela. Segundo a Polícia Militar, 5 mil pessoas estavam presentes no início do evento. ``Vamos chegar lá'', dizia o tucano à militância. Os discursos de seus companheiros, no entanto, indicavam o contrário. ``Pelo amor de Deus, não deixem o Lula ganhar'', pedia o presidente do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE).``Só faltam 10 milhões de votos'', defendeu o senador José Jorge (PFL-PE), candidato a vice-presidente da chapa do tucano. A marca é quase o tamanho do eleitorado de Minas Gerais.Aécio Neves (PSDB), no entanto, reeleito governador do Estado com mais de 70 por cento dos votos, não prestigiou o colega na celebração final, mesmo sabendo que sua presença ao lado de Alckmin seria importante para demonstrar força eleitoral a menos de cem horas do ``dia D''.Outros aliados ilustres também não compareceram. O governador eleito José Serra (PSDB), que praticamente não acompanhou o presidenciável durante o segundo turno, teve lugar cativo na lista de discursos, mas preferiu não atacar Lula diretamente.Tanto Aécio quanto Serra pretendem construir ``pontes institucionais'' com o governo petista num provável próximo mandato. Ambos almejam o Palácio do Planalto em 2010 e, por isso, não se interessam pelos tensionamentos com adversários.O candidato não poderá contar mais com palanques, discursos e eventos públicos. A partir desta quinta-feira, ele cumpre agendas mais modestas. Apenas entrevistas, caminhadas e o debate da TV Globo na próxima sexta.SILÊNCIO DAS RUAS Alckmin não joga a toalha, nem reservadamente, revelam interlocutores. À imprensa, insiste que há um ``movimento silencioso nas ruas''. Para ele, a vantagem de seu adversário não passa de um dígito.O local para se despedir oficialmente na campanha foi especialmente pensando e o discurso do encerramento, estrategicamente combinado. O objetivo era acentuar não só as diferenças entre os dois candidatos, mas também marcar uma crítica repetida à exaustão de que Lula não é mais o candidato do povo e da esquerda.No palco histórico da luta pela redemocratização --o Vale do Anhangabaú--, a oposição atacou as alianças do PT com os peemedebistas José Sarney (ex-presidente da República), ''representante das oligarquias'', e Delfim Netto, ``algoz da ditadura''.Diante de um palanque politicamente heterogêneo, que incluía ex-membros da Arena, partido que sustentava o regime militar, o prédio dos Correios serviu de inspiração para rebater a ``calúnia'' da ``ânsia privatista'', da qual o PT acusou o candidato tucano.Os ataques ao governo vieram em coro. ``Lula passou para o outro lado'', declarava o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.Uma senhora de quase 90 anos, com uma Bíblia na mão, não entendia tantos recados cifrados. ``Quero que ele fale com a gente. Amo o Geraldo, estou pedindo por ele,'' reclamava a eleitorama.

Mais Sobre Política - Nacional

JUÍZA SUBSTITUTA DE MORO NEGA PEDIDO DE LULA PARA SER INTERROGADO DE NOVO

JUÍZA SUBSTITUTA DE MORO NEGA PEDIDO DE LULA PARA SER INTERROGADO DE NOVO

A juíza federal substituta Gabriela Hardt negou, nesta terça-feira (13), o pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que ele

Bolsonaro anuncia o general Fernando Azevedo e Silva para a Defesa

Bolsonaro anuncia o general Fernando Azevedo e Silva para a Defesa

A pasta seria ocupada inicialmente pelo general Augusto Heleno

Projeto de Mariana Carvalho isenta motorista de novos exames dentro da validade da CNH

Projeto de Mariana Carvalho isenta motorista de novos exames dentro da validade da CNH

O exame tem validade de cinco anos para condutores com menos de 65 anos.

Haddad, Ciro, Boulos e os rumos dos progressistas

Haddad, Ciro, Boulos e os rumos dos progressistas

Haddad, Ciro e Boulos precisam decidir se querem dar um passo em frente ou dois passos atrás.