Sábado, 20 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Política - Nacional

Álcool: 'o combustível limpo' que polui e faz fumaça


Juliana Rangel e Sabrina Valle - Agência O Globo RIO - Apesar de o álcool ganhar cada vez mais adeptos no Brasil e no exterior por ser considerado um "combustível limpo" e mais barato na comparação com a gasolina e o diesel, seu processo de produção ainda deixa muito a desejar em termos ambientais. Atualmente 80% da cana-de-açúcar usada na produção do álcool, que deverá ficar em 17 bilhões de litros neste ano, segundo estimativas da União da Agroindústria Canavieira de São Paulo (Única), é queimada para facilitar a colheita. O processo provoca a emissão de gases e fuligens que circulam na atmosfera, especialmente em momentos de seca, como no inverno. Um estudo da Escola Superior de Agricultura da Universidade de São Paulo (Esalq/USP) feito em Piracicaba - responsável por 39% da plantação de cana-de-açúcar do estado - mostra que a quantidade média de partículas poluentes no ar da cidade é de 56 microgramas por metro cúbico ao longo do ano. O máximo permitido pelo Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama) é de 50 microgramas, mas a quantidade chega a exorbitantes 89 microgramas na época da safra, caindo para 28 microgramas fora do período de colheita. A Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo chegou a proibir a queima da palha da cana temporariamente nas regiões de São José do Rio Preto, Ribeirão Preto, Araraquara e Barretos, em razão dos baixos índices de umidade relativa do ar (veja a nota da Secretaria). A discussão sobre os métodos empregados na colheita vem de longa data. Um Decreto Federal 2661/1998 prevê a proibição de queimadas a partir de 2018 em áreas mecanizáveis. Em outras regiões, onde houver declives, por exemplo, a queima será suspensa apenas em 2031. A queima não tem influência adversa no efeito estufa, pois se está emitindo uma parte do CO2 (cerca de 1/3) que foi retirado da própria atmosfera pela cana, ao fazer a fotossíntese. Na defesa do álcool produtores e especialistas alegam que seu uso ainda é vantajoso na comparação com combustíveis fósseis, que seriam usados de qualquer forma. - A queima não tem influência adversa no efeito estufa, pois se está emitindo uma parte do CO2 (cerca de 1/3) que foi retirado da própria atmosfera pela cana, ao fazer a fotossíntese. Os 2/3 restantes são transformados em energia (açúcar, álcool e bagaço para as caldeiras), cuja utilização como fonte de energia, no caso do álcool e o bagaço, substituem combustíveis fósseis. Estes, sim, são responsáveis pelo aumento de CO2 - diz o pesquisador do Centro de Tecnologia da Cana (CTC) André Elia Neto. Já o pesquisador da Faculdade de Medicina da USP José Eduardo Delfini Cançado, lembra que o efeito estufa não é o único fator a ser observado. Um estudo de sua autoria publicado pela revista americana 'Enviromental Health Perpectives', mostra, com base na pesquisa da Esalq e dados do SUS (Sistema Único de Saúde), que o risco de internação de crianças e idosos por doenças respiratórias é 3,5 vezes maior em períodos de safra, excluídos os efeitos da umidade do ar e da temperatura. - O álcool é um excelente combustível renovável e muito menos poluente que a gasolina e o diesel. Mas quando você queima a cana para fazer o álcool, você melhor a qualidade do ar nos grandes centros urbanos e piora a do interior - diz. Se o Japão passar a misturar 3% de álcool na gasolina, será ótimo para eles, mas toda a poluição e as doenças vão ficar aqui. O especialista é enfático em relação à possibilidade de exportação do álcool combustível, que já foi iniciada pela Petrobras: - Se o Japão passar a misturar 3% de álcool na gasolina, será ótimo para eles, mas toda a poluição e as doenças vão ficar aqui. A Única alega que o método é aplicado em 80 países de todo o mundo, que representam a maior parte dos produtores. O consultor Isaías de Carvalho Macedo acrescenta que a queima é feita seguindo regras rígidas de controle. Além disso, o setor emprega cerca de um milhão de pessoas, sendo 800 mil na agricultura. Em Piracicaba, por exemplo, entre 60 e 70% da economia giram em torno do setor. - Um dos motivos para que o cronograma de redução das queimas seja tão longo é a grande quantidade de trabalhadores que vive do corte da cana e que perderá o emprego com a mecanização da colheita

Gente de OpiniãoSábado, 20 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

STF tem maioria para determinar recálculo de cadeiras na Câmara dos Deputados

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou nesta sexta-feira (25) maioria de votos para determinar que a Câmara dos Deputados faça a redistribuição do

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

Governo Federal se compromete a incluir plano de carreira da ANM na LOA 2024

O Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (SInagências) conseguiu uma solução direta do governo após intensa articulaç

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

Deputado estadual Pedro Fernandes será o relator da CPI das Reservas em Rondônia

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Reservas foi instaurada em Rondônia para investigar possíveis irregularidades nos processos de criação

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Ministro Paulo Pimenta trata sobre parceria entre Rede IFES de Comunicação Pública, Educativa e de Divulgação científica com a EBC e o Governo Federal

Na tarde dessa segunda-feira (06), o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (SECOM), Paulo Pimenta, esteve r

Gente de Opinião Sábado, 20 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)