Porto Velho (RO) sábado, 21 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Política - Nacional

A angústia de Tião Viana e Garibaldi pode durar até a votação pelo comando do Senado



Um senador do PMDB conversou por telefone com José Sarney (PMDB-AP) na última sexta-feira. Desligou com a certeza de que ele é candidato à Presidência do Senado. "Não há dúvidas", disse o parlamentar ontem ao Correio. No sábado, Sarney conversou com o atual presidente da Casa, Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), e afirmou que não pretende disputar a eleição marcada para daqui a 14 dias.

Essa indefinição tem tirado o sono de Garibaldi, candidato à re-eleição, e principalmente de Tião Viana (PT-AC), que também almeja o cargo. A reportagem conversou com os dois ontem. O petista garante que não abrirá mão da briga se Sarney anunciar a disposição de postular a cadeira de presidente. "Vou disputar no voto, seja qual for o adversário. Não vou me preocupar com os outros, meu negócio agora é buscar voto dos senadores", afirmou. Mas, em conversas reservadas, ele não esconde o incômodo com o impasse. Viana e petistas apontam Renan Calheiros (PMDB-AL) como o principal responsável por inflar nos bastidores a virtual candidatura de Sarney. Viana não poupa críticas ao alagoano. A recíproca tem sido verdadeira. Hoje, os dois não podem dividir a mesma mesa.

Na semana passada, Viana chegou a criar um mal-estar com o ministro de Relações Institucionais, José Múcio Monteiro. Para o senador, Múcio estava fazendo um jogo duplo no Palácio do Planalto: publicamente, defendia o petista, mas, na verdade, estaria ao lado de Sarney. O ministro pediu explicações. A turma do "deixa disso" entrou em ação e acalmou os ânimos de cada um.

Na avaliação de um cacique peemedebista, os próximos 14 dias serão como uma corrida de 100 metros rasos: Viana está na frente, mas pode perder a disputa no último passo, em cima da hora, caso Sarney se lance candidato. Adversários do petista argumentam que o peemedebista é o único capaz de ser o consenso no Senado. Ciente disso, Sarney não tem pressa.

A expectativa é que o peemedebista se reúna nos próximos dias com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para tratar do assunto. O encontro é considerado fundamental para a eleição no Senado. Lula já manifestou preferência por Tião Viana, mas não quer briga com o PMDB. O partido pediu a Sarney que explique ao presidente as razões para a sigla não abrir mão da Presidência do Senado. Maior bancada, a legenda tem o direito de indicar o presidente, mas nada impede que alguém se lance ao cargo.


Sucessão presidencial

O PMDB do Senado está de olho em 2010: avalia que o comando da Casa é fundamental para o fortalecimento da interlocução política na sucessão do Palácio do Planalto. Líder da bancada do PMDB a partir de fevereiro, Renan sabe que o grupo de Michel Temer (SP), que preside hoje o partido, vai crescer internamente com sua eleição à Presidência da Câmara. Não é hora de abandonar o comando do Senado, avaliam Renan e aliados.

Na sexta-feira passada, o senador alagoano deu um gesto simpático ao colega Garibaldi Alves Filho: disse que só não o apoia se houver problemas jurídicos. Renan não quer Garibaldi. Faz esse discurso apenas para pressionar Tião Viana e tentar isolá-lo nesse jogo. Candidato à reeleição, Garibaldi sabe que o encontro de Sarney com Lula é crucial para a sua pretensão de continuar cargo. "Ele me disse que não é candidato. Está tudo bem enquanto não houver essa conversa entre Sarney e Lula. Nunca vi uma coisa tão condicionante para uma eleição no Senado", diz o senador potiguar.

A Constituição proíbe a reeleição para o cargo dentro de uma mesma legislatura. Garibaldi se ampara em pareceres jurídicos dizendo que ele ocupa um mandato tampão desde 2007 por ter substituído Renan Calheiros, que renunciou em meio a processos por quebra de decoro. Na semana passada, Tião Viana almoçou com Garibaldi. Ambos chamaram a imprensa para anunciar que não vai desistir da eleição em 2 de fevereiro. Querem marcar posição, mas não tiram os olhos do terceiro andar do Palácio do Planalto. É lá que Lula e Sarney devem bater o martelo sobre o futuro presidente do Senado.


Fonte: Leandro Colon - Correio Braziliense

Mais Sobre Política - Nacional

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

Governo Federal retoma projeto para erguer hidrelétricas no Norte

 Há pelo menos seis anos, setores do governo brasileiro estudam construir quatro grandes hidrelétricas, duas delas na Região Norte, uma delas em Rondô

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

Violência doméstica e familiar: agressor será obrigado a pagar todos os custos de serviços de saúde

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta segunda-feira o PL 2438/19 de autoria da deputada Mariana Carvalho (RO) e do deputado Rafael Motta que

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Justiça partidária condena PT em Curitiba e blinda PSDB em São Paulo

Implacável para condenar lideranças do PT na República de Curitiba, a Justiça brasileira não mostra o mesmo furor para investigar e julgar os tucanões

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

FGTS: Anúncio sobre saques fica para a próxima semana, diz Onyx

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou que o anúncio da liberação de saques das contas ativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviç